Notícias

Mostra online destaca biografias de resistências negras

Publicado em 23/08/21 às 10h33

 
Começa na próxima sexta (27), a mostra Insurreição, que exibirá longas e curtas nacionais e estrangeiros com a temática da resistência negra. A seleção traz ficções e documentários produzidos ao longo de seis décadas no Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Argélia, Cuba e Gana, divididos em três eixos temáticos ou campos de resistência à opressão: Não Me Curvarei!, Formas de Existir Negro e Nem Tudo Cabe na Representatividade.
 
O grande destaque do festival é Nationwide (imagem acima), de  William Greaves, um dos principais documentaristas negros dos Estados Unidos, e autor de mais de 100 produções do gênero documental sobre história, política e cultura afro-americana. Após ter ficado perdido por um longo período, e encontrado em um galpão em Pittsburgh em 2018, o documentário, lançado em 1972, ganha exibição em versão restaurada na mostra em sessão gentilmente autorizada por Louise Greaves, viúva e parceira cinematográfica do diretor.
 
Também inédito no país, Pátria (Zahlvaterschaft), do cineasta alemão Moritz Siebert, retrata a luta de um homem em busca da cidadania alemã há mais de 30 anos, desvelando a perversidade do sistema colonial. O filme integrou a seção Forum Expanded, do Festival de Berlim deste ano. Outra atração internacional é Panteras Negras: vanguarda da revolução (The Black Panthers: Vanguard of the Revolution), único documentário em longa-metragem a explorar a importância do Partido dos Panteras Negras para a vida cultural e política dos Estados Unidos. O filme traz uma grande quantidade de entrevistas tanto com ex-lideranças quanto com anônimos, além de endereçar as contradições e complexidades do partido.
 
As pretas contra-atacam (Chocolate Babies), de Stephen Winter, apoia-se na sátira social para acompanhar um grupo de gays, lésbicas e travestis que lutam contra políticos conservadores homofóbicos nas ruas de Nova Iorque. A sessão em Insurreição! celebra os 25 anos da primeira exibição deste filme no OutFest, festival voltado à representação das pessoas LGBTQIA+.
 
A programação da mostra Insurreição! será exibida pela plataforma de streaming exclusiva SALA 54 (www.sala54.com.br), que abriga todas as mostras online de filmes do NICHO 54. Cada título ficará disponível para acesso por um período de 47 horas a partir da data de estreia no site, que será sempre às 19h. Para que o público consiga assistir ao máximo possível de filmes serão promovidas duas sessões reprises ao longo da mostra. A primeira delas na terça, 31 de agosto, exibirá novamente os filmes inicialmente projetados entre sexta, 27, e segunda, 30; a segunda reprise, realizada no último domingo (5 de setembro) da mostra, exibirá os filmes inicialmente projetados entre quinta (2) e sábado (4) da última semana.
 
Abaixo, informações e datas de exibições dos filmes selecionados:
 
As aventuras amorosas de um padeiro, de Waldyr Onofre - Ficção, Brasil, 1975, 109 minutos
Janela de exibição: 03 de setembro às 19h até 05 de setembro às 23h.
Sinopse: Rita, uma mulher branca, está desiludida com a vida de recém-casada. Estimulada pelas colegas, passa a levar uma vida mais livre e aceita uma aventura com o português Marques, dono de uma padaria, e, mais tarde, conhece Saul, homem negro e artista com quem se envolve. A relação dos dois dispara respostas do entorno de ambas as personagens neste filme que alterna comentário social com comédia.
 
As pretas contra-atacam (Chocolate Babies), de Stephen Winter - Ficção, EUA, 1996, 83 minutos
Janela de exibição: 04 de setembro às 19h até 05 de setembro às 23h
Sinopse: Um bonde de bixas pretas auto-denominadas "raivosas, ateias, comedoras de carne, soropositivas, terroristas” luta contra políticos conservadores homofóbicos nas ruas de Nova Iorque nessa sátira de guerrilha selvagem de Stephen Winter. Ambientado na metade da década de 1990 e denunciando a apatia do governo com relação à crise da AIDS - que afetou principalmente as pessoas negras -, As pretas contra-atacam mistura uma exuberante estética camp e uma revolta política ardente que resulta em uma afirmação radical do poder das bixas pretas. Vencedor NewFest e do SXSW, a exibição de As pretas contra-atacam na mostra “Insurreição!” marca o aniversário de 25 anos da estreia do filme.
 
Contrafeitiço (Spit on the Broom), de Madeleine Hunt-Ehrlich - Experimental, EUA, 2019, 12 minutos
Janela de exibição: 28 de agosto às 19h até 30 de agosto às 18h
Sinopse: Navegando entre o surrealismo, os registros em arquivo e a manutenção do segredo, Contrafeitiço (Spit on the Broom) apresenta a história da United Order of Tents, uma organização secreta de mulheres negras surgida nos anos 1840, durante o ápice da Underground Railroad (rede de rotas clandestinas e abrigos secretos nos Estados Unidos do século 19 usada para a fuga de escravizados para os estados do norte do país ou para o Canadá). Incorporando a dinâmica do mistério da organização, o filme estrutura-se em torno de excertos do domínio público, artigos de jornal relacionados com a Tents ao longo de 100 anos e de uma trama visual fabular e mítica.
 
Entenda o processo colonial em 5 minutos, de Ana Julia Travia - Documentário, Brasil, 2019, 5 minutos
Janela de exibição: 29 de agosto às 19h até 31 de agosto às 18h
Sinopse: Construído como parte da estrutura dramatúrgica da peça Black Brecht: E se Brecht fosse negro?, apresentada pelo Coletivo Legítima Defesa em 2019, este filme/vídeo-intervenção faz uso da montagem, de conteúdos da internet e da potente performance sonora de Roberta Estrela D’Alva para desnudar o saque dos territórios do Sul Global pelos países do Norte Global.
 
Maluala, de Sergio Giral - Ficção, Cuba, 1979, 84 minutos
Janela de exibição: 30 de agosto às 19h até 1º de setembro às 18h
Sinopse: Cuba, século 19. Estamos num palenque - similar ao que são os quilombos no Brasil - de nome Maluala, na parte leste de Cuba. Nesse cenário, Gallo e Coba, chefe de dois palenques, exigem que o governo colonial conceda liberdade e terra para as populações escravizadas em fuga. O representante da coroa espanhola faz uma contraproposta: a liberdade será concedida apenas aos líderes, não a toda população. Frente a esse dilema ético, Gallo, Coba e os outros líderes tomam decisões diferentes, o que desencadeia uma série de batalhas e conflitos. Qual caminho levará à liberdade?
 
Mato adentro, de Elton de Almeida - Ficção, Brasil, 2019, 19 minutos
 
Janela de exibição: 30 de agosto às 19h até 1º de setembro às 18h
Sinopse: Província de São Paulo, 1870. Um homem escravizado foge por uma mata fechada em busca de um suposto quilombo. Em seu encalço estão dois capitães-do-mato com ordens de capturá-lo a todo custo. Mas a mata, em suas profundezas, abriga mistérios e fantasmas capazes de cercá-los numa armadilha.
 
Monangambeee, de Sarah Maldoror - Ficção, Argélia, 1969, 16 minutos
Janela de exibição: 29 de agosto às 19h até 31 de agosto às 18h
Sinopse: “Monangambeee” era o grito de guerra entoado por ativistas durante a luta anti-colonial pela libertação de Angola para reunir os vilarejos. Monangambeee também é o título do curta-metragem dirigido por Sarah Maldoror que aborda a arrogância dos portugueses com relação à cultura angolana. A cineasta inspirou-se em um conto de José Luandino Vieira, que narra a história de um preso político, para realizar um filme sobre humilhação, solidariedade e resistência. Cópia restaurada a partir do original em 16mm pelo Instituto Arsenal de Berlim.
 
Nationtime, de William Greaves - Documentário, EUA, 1972, 80 minutos
Janela de exibição: 27 de agosto às 19h até 29 de agosto às 18h
Sinopse: Considerado perdido por muitos anos, Nationtime documenta a Convenção Nacional Preta (National Black Political Convention)  de 1972, quando 10.000 políticos, ativistas e artistas negros foram até Gary, Indiana, para forjar uma plataforma nacional unificada antes da realização das convenções presidenciais republicanas e democratas. Um dos mais poderosos filmes já realizados por William Greaves, diretor negro estadunidense pioneiro no gênero documental, a versão original de 80 minutos que apresentamos jamais havia sido lançada. Encontrado em um galpão em Pittsburgh em 2018, o negativo de 48 anos foi meticulosamente restaurado pelo IndieCollect sob supervisão de Louise Greaves, viúva e parceira cinematográfica do diretor, a quem agradecemos por nos ter autorizado exibir esta versão.
 
Pantera Negra, de Jô Oliveira - Experimental, Brasil, 1968, 3 minutos
Janela de exibição - 02 de setembro às 19h até 04 de setembro às 18h
Sinopse: Um filme musical pintado à mão, Pantera Negra foi a primeira experiência com cinema de animação do artista e ilustrador Jô Oliveira. À época, Oliveira integrava o grupo Fotograma, organização que reunia o trabalho de diversos artistas e promovia o cinema de animação no Brasil. O filme foi digitalizado em 2019, o que permitiu a sua redescoberta como um material importante para a história do cinema experimental no Brasil. O material original, com as cores pintadas em nanquim, está sob os cuidados do artista. Pantera Negra ganhou menção honrosa no IV Festival de Cinema Amador JB/Mesbla, em 1968.
 
Os Panteras Negras: Vanguarda da Revolução (The Black Panthers: Vanguard of the Revolution), de Stanley Nelson - Documentário, EUA, 2015, 115 minutos
Janela de exibição: 02 de setembro às 19h até 04 de setembro às 18h
Sinopse: A mudança está chegando aos Estados Unidos. Cidades estão queimando, o Vietnã está explodindo e a luta furiosa por igualdade e direitos civis está despertando. Nesse contexto, uma nova cultura revolucionária emerge com o intuito de transformar drasticamente o sistema: o Partido dos Panteras Negras para Autodefesa. Utilizando-se de um verdadeiro tesouro de imagens raras da época, essa história é contada por seus protagonistas: informantes do FBI, jornalistas, apoiadores e detratores brancos, Panteras Negras que deixaram o partido e pessoas que permanecem leais à causa até hoje.
 
Pátria (Zahlvaterschaft), de Moritz Siebert - Documentário, Alemanha, 2021, 22 minutos
Janela de exibição: 29 de agosto às 19h até 31 de agosto às 18h
Sinopse: Gerson Liebl, neto de um oficial colonial alemão estacionado no Togo na primeira década de 1900, tem lutado para obter a cidadania alemã nos últimos 30 anos. Como último recurso, Gerson decide fazer uma greve de fome. As imagens de sua perseverança inabalável em frente à prefeitura de Berlim são acompanhadas de depoimentos, textos oficiais e posições políticas, bem como desculpas por parte do governo - algumas velhas, outras atualizadas.
 
Shakedown, de Leilah Weinraub - Documentário, EUA, 2018, 72 minutos
Janela de exibição: 28 de agosto às 19h até 30 de agosto às 18h
Sinopse: Shakedown documenta a gênese e a trajetória da cena de clubes de strip tease lésbicos em Los Angeles, Estados Unidos. No centro dessa paisagem está a boate negra-centrada Shakedown. Existindo no underground e ilegal por natureza, o espaço é a representação mais obscura, ágil e jovem dessa cultura centrada na performance do corpo. Para aquelas que vivem em Los Angeles existe uma linguagem visual que é necessário aprender para apreender a cidade. As aparências enganam e do lado de fora a paisagem parece se repetir. Palmeiras e carros. À noite nada muda, a não ser pela quantidade de luzes e de carros. Alguns lugares apenas são difíceis de encontrar. A boate Shakedown é um deles.
 
Você me esconde (You Hide Me), de Nii Kwate Owoo - Documentário, Gana, 1970, 16 minutos
Janela de exibição:  29 de agosto às 19h até 31 de agosto às 18h
Sinopse: No ano de 1970, um marcante, notável e controverso documentário intitulado Você me Esconde chocou o mundo ao desvelar  a “Colonização da Arte Africana no Museu Britânico”, em Londres. Escrito, produzido e dirigido pelo cineasta ganês Nii Kwate Owoo, o filme, que se tornou um sucesso imediato e uma lenda, expôs as políticas dos regimes coloniais europeus que, ao estabelecerem seus domínios, tentaram eliminar todos os traços da civilização africana, religião, linguagem e arte. O filme revelou pela primeira vez centenas de milhares de artefatos roubados - até então nunca vistos - saqueados dos reinos de Ashanti e do Benin, na África Ocidental.

Outras notícias