Notícias

"Bacurau" é o grande vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Publicado em 12/10/20 às 12h31

 
"Bacurau", de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, recebeu seis troféus Grande Otelo
 
Foram anunciados na noite deste domingo, 11 de outubro, os vencedores do 19º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. O grande vencedor foi Bacurau, dirigido por Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, com seis Troféus Grande Otelo: Melhor Longa-Metragem de Ficção, Melhor Efeito Visual, Melhor Roteiro Original, Melhor Montagem Ficção, Melhor Direção e Melhor Ator. 
 
A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, acumulou com cinco prêmios: Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Direção de Fotografia. A cerimônia remota, dirigida pelo cineasta Ricardo Elias, foi transmitida pela TV Cultura e também pelo Youtube e Facebook da emissora. 
 
O Troféu Grande Otelo de Melhor Atriz foi para Andréa Beltrão (Hebe – A Estrela do Brasil), e o de Melhor Ator foi dividido entre Fabrício Boliveira (Simonal) e Silvero Pereira (Lunga, em Bacurau). Fernanda Montenegro ganhou na categoria Melhor Atriz Coadjuvante (Eurídice, em A Vida Invisível) e Chico Diaz como Melhor Ator Coadjuvante (Véi Gois, em Cine Holliúdy 2 - A Chibata Sideral). 
 
Este ano, o GP premiou em 32 categorias e a disputa reuniu 35 longas-metragens brasileiros e 10 longas estrangeiros (21 de ficção, 8 documentários, 3 infantis, 3 de animação, 5 internacionais e 5 ibero-americanos), além de 15 curtas brasileiros (5 de ficção, 5 documentários e 5 de animação); e 20 séries (5 de animação para TV paga/OTT, 5 documentários para TV paga/OTT, 5 ficção TV paga/OTT, 5 ficção TV aberta).
 
O 19º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro homenageou não apenas uma personalidade, mas todos os profissionais do setor audiovisual, coletivamente. Os vencedores foram escolhidos pelo amplo júri formado por profissionais associados à Academia Brasileira de Cinema, além da categoria voto popular. A votação sigilosa da premiação teve apuração da PWC.
 
O 19º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro foi realizado pela Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais e pelo Ministério do Turismo.
 
Abaixo, a premiação completa:
 
MELHOR LONGA-METRAGEM FICÇÃO
Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles
 
MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes
 
MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL 
Turma da Mônica - Laços, de Daniel Rezende
 
MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA
Cine Holliúdy 2 - A Chibata Sideral, de Halder Gomes
 
MELHOR DIREÇÃO
Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, por Bacurau
 
MELHOR ATRIZ
Andréa Beltrão, como Hebe Camargo, por Hebe – A Estrela do Brasil
 
MELHOR ATOR
Fabrício Boliveira, como Simonal, por Simonal
Silvero Pereira, como Lunga, por Bacurau
 
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Fernanda Montenegro, como Eurídice, por A Vida Invisível
 
MELHOR ATOR COADJUVANTE
Chico Diaz, como Véi Gois, por Cine Holliúdy 2 - A Chibata Sideral
 
MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
Hélène Louvart, por A Vida Invisível
 
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, por Bacurau
 
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Murilo Hauser, Karim Aïnouz e Inés Bortagaray, baseado no livro A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha, por A Vida Invisível
 
MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Rodrigo Martirena, por A Vida Invisível
 
MELHOR FIGURINO
Marina Franco, por A Vida Invisível
 
MELHOR MAQUIAGEM
Simone Batata, por Hebe - a Estrela do Brasil
 
MELHOR EFEITO VISUAL
Mikaël Tanguy e Thierry Delobel, por Bacurau
 
MELHOR MONTAGEM FICÇÃO
Eduardo Serrano, por Bacurau
 
MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO
Karen Harley, por Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar
 
MELHOR SOM
Marcel Costa, Alessandro Laroca, Eduardo Virmond, Armando Torres Jr., ABC e Renan Deodato, por Simonal
 
MELHOR TRILHA SONORA
Wilson Simoninha e Max de Castro, por Simonal
 
MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO
Parasita, de Bong-Joon-ho
 
MELHOR LONGA-METRAGEM IBERO-AMERICANO
A Odisséia dos Tontos, de Sebástian Borensztein
 
MELHOR LONGA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
Tito e os Pássaros, de Gustavo Steinberg, Gabriel Bitar e André Catoto
 
MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO
Ressurreição, de Otto Guerra
 
MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
Viva Alfredinho!, de Roberto Berliner
 
MELHOR CURTA-METRAGEM FICÇÃO
Sem Asas, de Renata Martins
 
MELHOR SÉRIE DE ANIMAÇÃO TV PAGA/OTT
Turma da Mônica Jovem, 1ª temporada, de Marcelo de Moura
 
MELHOR SÉRIE DE DOCUMENTÁRIO TV PAGA/OTT
Quebrando o Tabu, 2ª temporada, de Katia Lund e Guilherme Melles
 
MELHOR SÉRIE DE FICÇÃO TV PAGA/OTT
Sintonia, 1ª temporada, de Kondzilla e Johnny Araújo
 
MELHOR SÉRIE DE FICÇÃO TV ABERTA
Cine Holliúdy, 1ª temporada, de Halder Gomes e Renata Porto D’ave
 
MELHOR PRIMEIRA DIREÇÃO DE LONGA-METRAGEM
Leonardo Domingues, por Simonal
 
MELHOR FILME VOTO POPULAR
Eu Sou Mais Eu, de Pedro Amorim

Outras notícias