Um Céu de Estrelas

Um Céu de Estrelas

Ficha técnica


País


Sinopse

Depois de romper um relacionamento de dez anos com Vítor, um metalúrgico desempregado, a cabeleireira Dalva vence um concurso e prepara suas malas para uma viagem a Miami. A reação de Vítor ao abandono é a pior possível: armado, ele invade a casa de Dalva, disposto a seqüestrá-la. A situação foge do controle.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/08/2003

A poderosa estreia da diretora Tata Amaral dá início a uma filmografia corajosa e ancorada numa tomada de partido profunda e radical em relação aos temas de que trata.

Um Céu de Estrelas é, sob todos os pontos de vista, um soco no estômago. Relata de maneira crua, com uma câmera ágil e nervosa que nunca larga os personagens, a tragédia que se instala na casa da cabeleireira Dalva (Leona Cavalli). Depois de romper um relacionamento de dez anos com Vítor (Paulo Vespúcio Garcia), um metalúrgico desempregado, a moça vence um concurso e prepara suas malas para uma viagem a Miami. A reação de Vítor ao abandono é a pior possível: armado, ele invade a casa de Dalva, disposto a seqüestrá-la. A situação foge do controle, a polícia cerca o local e a possibilidade de uma solução pacífica fica fora de cogitação.

Neste relato enxuto mas denso de uma história urbana, o filme sintetiza a paixão e a violência das relações humanas e os conflitos sociais que pontuam uma tragédia, com todos os componentes que tornaram intensas e imortais as histórias da antiga Grécia. É um trabalho de fôlego, força e coragem raras vezes encontrado em tempos em que boa parte dos filmes se detêm na superfície das coisas apenas pelo temor de incomodar o público. Não é neste cinema comportado e superficial que acreditam Tata e os roteiristas Fernando Bonassi, Jean-Claude Bernardet e seus outros parceiros na empreitada.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança