Veja por mim

Ficha técnica


País


Sinopse

Há pouco tempo. Sophie foi diagnosticada como deficiente visual. Ela tenta provar sua independência à mãe, hospedando-se na casa de uma desconhecida para tomar conta enquanto a dona viaja. Mas, quando o local é invadido por um trio de bandidos, ela poderá confiar apenas num aplicativo de celular para salvar sua vida.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

20/06/2022

Veja por mim traz um novo elemento aos thrillers de invasão de domicílio: a protagonista é cega e depende de um aplicativo de celular para fugir dos invasores e salvar sua vida. Não deixa de ser um ponto de partida repleto de potencial no filme de Randall Okita, mas que se perde num suspense banal e equivocado que pouco tem de cinematográfico.
 
Como de costume no gênero, o cenário é impressionante. A casa onde Sophie (Skyler Davenport) se hospeda é uma mansão que pertence a Debra (Laura Vandervoort). A jovem ficará lá tomando conta do gato. Ela era uma promissora esportista de esqui alpino até que foi declarada legalmente cega e sua carreira, interrompida. Ressentida, ela tenta provar a si mesma, e à mãe (Natalie Brown), que é capaz de cuidar de si mesma. Ficar nessa casa isolada e sozinha foi a maneira que encontrou para isso.
 
Logo depois de chegar, acidentalmente, tranca-se do lado de fora e conta com a ajuda de um aplicativo, "Veja por mim", que, mediante a câmera do celular e uma atendente, Kelly (Jessica Parker Kennedy), recebe as instruções para entrar de novo na casa.  Nessa mesma noite, três homens – Otis (George Tchortov), Dave (Joe Pingue) e Ernie (Pascal Langdale) – invadem a casa, para pegar algo que está no cofre.
 
É inevitável que Veja por mim se torne uma espécie de videogame num jogo e gato e rato, com Sophie tentando fugir do trio - e o fato de Kelly ser uma gamer só acentua isso. A maneira como ela guia Sophie é a mesma que usaria num game, seus comandos e ações não diferem daqueles de uma jogadora online.
 
O roteiro de Adam Yorke e Tommy Gushue desperdiça o potencial que havia ali – basta pensar em Um clarão nas trevas, no qual Audrey Hepburn interpretava uma deficiente visual cuja casa era invadida. Veja por mim é como uma atualização desse filme para as inquietas sensibilidades contemporâneas, mas destituído de todos os elementos que traziam força e suspense ao clássico.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança