Cidade Fantasma

Ficha técnica


País


Extras

Trailer de cinema
Filmografia
Formato de tela: 4 x 3 Fullscreen


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/06/2003

Se existisse um prêmio para títulos sem explicação, Cidade Fantasma seria um forte candidato. Se em inglês já era preciso muita imaginação para entender o título (City of Ghosts, cidade dos fantasmas), no batismo para o português ficou completamente sem sentido. Os desavisados podem achar que ele se encaixa em gêneros como terror ou mesmo faroeste, mas decepcionantemente não é nem uma coisa, nem outra.

Dirigido, co-escrito, produzido e estrelado pelo ator Matt Dillon (Quem vai Fica com Mary?) o filme conta a mirabolante história de Jimmy Cremmins, um corretor de seguros fraudador, que, ao ser descoberto, foge de Nova York para o Camboja em busca de seu mentor. Este, um trambiqueiro internacional, envolvido até com a máfia russa. E enquanto não encontra Marvin, descobre o amor, sua humanidade e o perigoso submundo cambojano. Tudo isso com um denso clima de suspense e uma série de reviravoltas que fazem o espectador esperar ansiosamente pelo seu desenlace.

O fato de as locações serem em Phnom Penh pode dar certa explicação para o título. Como carece de tratados de extradição criminal, a cidade se tranformou na última década em uma espécie de paraíso para pessoas que não poderiam ser encontradas e, por puro casuísmo, são verdadeiros fantasmas. E a gradual transformação da região, substituindo velhas tradições em busca da modernidade, é, de forma análoga, a própria transformação do personagem principal.

No entanto, o roteiro pobre e com pouca originalidade potencializa a falta de ritmo e de intensidade dramática da produção. Mesmo a câmera ágil, com referências ao estilo hand-cam, e a fotografia, que poderia ser melhor aproveitada num país como Camboja (e todo o misticismo forçado, tão caro ao cinema americano), é insossa e exageradamente soturna.

Mesmo assim, a produção traz surpresas bastante agradáveis, como a sempre bem-vinda aparição do veterano Gerard Depardieu, em uma participação para lá de especial - ainda mais neste filme. Outra é a desenvoltura, bem acima da média, do ator Sereyvuth Kem, como Soc, guia local que se torna fiel amigo de Jimmy e irá ajudá-lo em sua busca.

No fim das contas, Cidade Fantasma parece um filme tipicamente independente, que, como já dizia Paulo Francis, "desponta para o anonimato".

Rodrigo Zavala


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança