Mate ou Morra

Ficha técnica


País


Sinopse

Roy é um agente especial que enfrenta uma tentativa de assassinato. De um jeito mirabolante, consegue fugir do sujeito, mas acaba morrendo. No dia seguinte, acorda e, novamente, tudo acontece mais ou menos do mesmo jeito. Enquanto tenta descobrir uma maneira de sair desse loop infinito, ele morrerá e reviverá o dia diversas vezes.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

01/09/2021

Mate ou Morra, de Joe Carnahan, é uma espécie de versão filme de ação do clássico da comédia Feitiço do Tempo, no qual Bill Murray encarnava um meteorologista que revivia sempre o mesmo dia, até que mudasse o seu comportamento. Aqui, Frank Grillo interpreta um agente da Força Delta, preso num loop de porrada, que se repete pelos 90 minutos do filme.
 
Não é de se espantar que a primeira imagem no filme seja o close de um relógio, uma vez que o tema central é o tempo, e sua passagem – ou estagnação. Segue-se a essa abertura uma sequência de ação bem orquestrada,  narrada pelo protagonista, Roy Pulver, estabelecendo os elementos que estarão no longa. Ele já está nesse universo de repetição eterna quando a história começa, enfrentando um assassinou que tenta matá-lo com uma machete. A sequência segue com sua pancadaria até que ele morre, para, no dia seguinte, começar tudo de novo.
 
Roteirizado pelo diretor e pelos irmãos Chris e Eddie Borey, Mate ou Morra é um filme que não quer deixar ninguém de fora, por isso se explica repetidamente o tempo todo, mesmo que seja algo bastante óbvio e compreensível. É preciso não deixar dúvidas.
 
Roy vive uma vida infeliz desde que perdeu seu grande amor, a cientista Jemma (Naomi Watts), e o contato com o filho, Joe (Rio Grillo). Ele se entregou ao álcool e sabe cada movimento de seu dia é repetitivo, por isso faz tudo sem empolgação ou esperança de sair desse buraco no tempo. Porém, num momento no passado, sua ex-mulher mostra que está fazendo uma máquina gigantesca para seu chefe (Mel Gibson), que pode explicar esse inferno em que o protagonista vive.
 
Carnahan, que sempre foi bom em filmes de ação, é eficiente aqui e faz bem no piloto automático essa história tão insólita quanto o cabelo de Grillo, que não sai do lugar, não importando o que ele faça ou quanto se mova. De qualquer forma, o filme poderia passar muito bem sem as explicações excessivas do narrador. Não há nada de excepcional que precise ser dito tantas vezes para ficar claro.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança