Venom – Tempo de Carnificina

Ficha técnica


País


Sinopse

Eddie Brock anda por baixo em sua carreira como repórter. Até que um dia o serial killer Cletus Kasady, no corredor da morte, pede para vê-lo. Brock volta à notoriedade com a história mas sua visita terá outras consequências - como o surgimento de outro alienígena gelationoso, o Carnificina.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

02/08/2021

O sempre versátil Tom Hardy retoma o papel principal em Venom - Tempo de Carnificina, reprisando a estranha fusão entre o repórter Eddie Brock e a criatura alienígena gelatinosa de apetite voraz que ele iniciou no filme de 2018 (Venom). 
 
Há mais humor, especialmente na primeira parte da história, com argumento de Hardy e Kelly Marcel e roteiro de Marcel. Assim, se a convivência de Brock com seu monstro interior continua explosiva, causando danos à mobília do apartamento, pelo menos eles parecem ter se acertado na questão da dieta - nada de comer gente, satisfaça-se com chocolate e galinhas, é a regra definida por Brock. O problema é que o gelatinoso apegou-se às galinhas, que batizou carinhosamente de Sonny e Cher, e não quer saber de devorá-las. A crise é quando falta chocolate na mercearia da sra. Chen (Peggy Lu), uma das poucas a conhecer o segredo do jornalista.
 
O repórter anda por baixo profissionalmente e não melhora nada o seu astral o noivado de sua ex-, Anne (Michelle Williams), com Dan (Reid Scott). Inesperadamente, Brock tem uma nova chance de notoriedade, quando o serial killer Cletus Kasady (Woody Harrelson), no corredor da morte, revela interesse de falar com ele. Uma preferência que desperta suspeitas de todos, especialmente do detetive Mulligan (Stephen Graham).
 
Harrelson diverte-se visivelmente na pele deste vilão maluco, um serial killer que, ainda criança, detonou a própria família e passou boa parte da adolescência num reformatório - onde conheceu seu grande amor, Frances Barrison (Naomie Harris), não por acaso conhecida como Shriek (Grito). A moça é capaz de emitir decibéis num nível de fazer estragos incalculáveis. 
 
Andy Serkis, o ator por trás de Gollum de O Senhor dos Aneis, conduz esta alucinante confluência de encontros e desastres - da qual emergirá um segundo alienígena mortal, o vermelhão Carnificina, que é páreo para Venom. 
Evidentemente, os efeitos especiais constituem boa parte do orçamento e do mote das cenas da aventura, especialmente a partir do momento em que os dois alienígenas, disputando os corpos de seus simbiontes, se encaram frente a frente. A destruição, daí em diante, é quase total, em cenários que fazem referências a King Kong e O Corcunda de Notre-Dame
 
Contando com uma personagem mais desenvolvida e ativa do que no filme de 2018, Michelle Williams faz o contraponto da inteligência e da ternura, mas não escapa ao clichê da donzela em perigo. Naomie Harris, por sua vez, faz a malvada de plantão contando com os estragos que sua garganta é capaz de produzir.
 
Subproduto do universo do Homem-Aranha, Venom - Tempo de Carnificina é o tipo da diversão anárquica que esquenta o lugar para as novas aventuras do aracnídeo interpretado por Tom Holland, em Homem-Aranha - Sem Volta para Casa, com estreia prevista para 17 de dezembro. 

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança