Era uma Vez na América

Era uma Vez na América

Ficha técnica


País


Sinopse

Trinta anos depois de ter deixado o Lower East Side, em Nova York, David Aronson volta ao seu bairro. Reencontra Moe, um de seus amigos de infância, e percorre as diversas etapas de um passado marcado pelo crime, a violência e a decepção amorosa.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/05/2021

Sergio Leone criou em 1984 uma obra-prima do cinema, Era uma vez na América, mas morreu cinco anos depois sem ver seu último trabalho devidamente consagrado. Pior, enfrentou nos últimos anos de vida a oposição de produtores e distribuidores que mutilaram seu filme - cortaram cenas, inverteram a ordem cronológica do roteiro original - e o transformaram em fracasso retumbante de bilheteria.
 
Em exibição na plataforma Belas Artes à la Carte, o filme pode agora ser visto e revisto (e merece ser revisto inúmeras vezes) em sua versão para o mercado europeu, de 229 minutos, exibida no Festival de Cannes, onde foi ovacionada. Por pressão de exibidores e produtores, que o consideravam muito longo, foi reduzido para 139 minutos para o lançamento nos Estados Unidos. A montagem original, que alterna o tempo narrativo em três períodos de quase 50 anos (entre 1915 e 1968), que marcam a adolescência, a juventude e a maturidade dos personagens, foi desprezada e imposta a ordem cronológica da história. As cenas de infância, fundamentais para a compreensão da formação do caráter dos personagens, foram extirpadas. 
 
Era uma vez na América é uma história de companheirismo no mundo do crime do Lower East Side de Manhattan, na comunidade judaica local, extorquida pela máfia étnica, que em certas ocasiões se une a mafiosos italianos, ou entra em rota de colisão com eles. A história gira em torno de David “Noodles” Aaronson (Robert De Niro) e seus amigos - Max Bercovicz (James Woods), Jimmy Conway O'Donnell (Treat Williams), Joe (Burt Young), Philip "Cockeye" Stein (William Forsythe) e 'Fat' Moe Gelly (Lary Rapp), que praticam pequenos golpes desde a adolescência e sonham alto.
 
Na adolescência, Noodles se apaixona pela irmã de Moe, Deborah (interpretada por Jennifer Connelly, em sua estreia no cinema, na adolescência e Elizabeth McGovern, na maturidade). Ela sente atração por ele, mas não quer que nada atrapalhe seu sonho de ser bailarina e cantora. É a história de um amor difícil, digna de Ítalo Calvino, que atravessa todo o filme.
 
A história dos amigos passa pela infância pobre no bairro judaico (quase nunca vemos suas famílias, apenas eles nas ruas da cidade, em busca de oportunidades para pequenos golpes), atravessa a Grande Depressão, o apogeu de negócios ilegais proporcionados pela Lei Seca, nos anos 1930, e chega a uma América que assiste à chegada da contracultura, do movimento hippie e da transformação radical da sociedade.
 
O diretor foi muito feliz na escalação do elenco (mesmo dos adolescentes), que consegue dar veracidade, sem maniqueísmo, a personagens humanos e complexos. Destaque para De Niro e James Woods e para Elizabeth McGovern, retrato de uma mulher infeliz, presa entre dois mundos inconciliáveis. Um drama sólido e vibrante, embalado pela trilha sonora marcante de Ennio Morricone.

Luiz Vita


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança