Nazinha - Olhai Por Nós

Ficha técnica

  • Nome: Nazinha - Olhai Por Nós
  • Nome Original: Nazinha - Olhai Por Nós
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2020
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 85 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção:
  • Elenco:

País


Sinopse

Duas mulheres e dois homens, todos presos, aguardam que a justiça os liberte temporariamente para acompanhar o Círio de Nazaré. Enquanto aguardam, o filme os acompanha, contando suas histórias.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/04/2021

É com um olhar de curiosidade e respeito que o diretor Belisario Franca entra em presídios femininos e masculinos no documentário Nazinha, Olhai por nós, que tem como figuras centrais duas mulheres e dois homens, que esperam autorizações para uma saída temporária do cárcere para acompanhar a procissão de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém. O longa parte dessa expectativa para fazer um retrato da justiça brasileira problemática, suas implicações e a vida dessas pessoas.
 
Neuza é uma mulher acusada de matar seu amante. Ela nega veementemente, alegando que apenas foi a última pessoa a ligar para ele, e seu número estava registrado no celular dele. A jovem Raíssa quis ajudar o namorado traficante a sair do crime, mas foi presa, pois fazia a contabilidade para ele. Julio conta que está ali por diverso crimes, e Everaldo também já foi preso diversas vezes – a última, por assalto.
 
É a partir dessas narrativas,que Franca cria um filme sério e melancólico sobre um país repleto de desigualdades sociais, machismo e racismo. As imagens iniciais, da procissão, dão a ideia de que será um longa sobre peregrinação e religião, mas, embora esses temas estejam presentes, não são o centro. O diretor encontra um material humano bastante rico em nuances e histórias de vida, acompanhando os entrevistados e entrevistadas dentro e fora dos presídios. Nazinha, Olhai por nós é resultado de quatro anos de pesquisa e encerra a Trilogia do Silenciamento do diretor, composta pelas produções Menino 23 (2016) e Soldados do Araguaia (2017).
 
No cárcere, a vida é bem diferente daquele estereótipo famoso no cinema ficcional brasileiros, de disputas entre facções, rixas e afins. As mulheres fazem artesanato, e existe um elo entre elas, possivelmente aquele que ajuda a suportar a vida ali. Há uma forte religiosidade, seja numa missa, na igreja improvisada, ou quando a imagem de Nossa Senhora de Nazaré é levada numa visita. Nesse ambiente, uma outra figura emerge com a força, Carmem Botelho, a diretora do presídio, alguém que já viu o suficiente para saber que, como diz no começo, uma vez presidiária, mesmo que só por um dia, essas mulheres vão carregar esse rótulo pelo resto da vida.
 
A vida do lado de fora inclui a família, a dor, e a tristeza, que o filme capta com delicadeza. Nazinha, Orai Por Nós investiga como a tríade Estado, Religião e Família têm um papel fundamental na vida dessas pessoas, e nenhuma delas têm uma função única – pode tanto oprimir quanto ser libertadora.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança