Passageiro Acidental

Ficha técnica


País


Sinopse

Os três passageiros de uma nave rumo a Marte descobrem, pouco depois do lançamento, que há mais um homem ali dentro, que sofreu um acidente e está desacordado. Sem ter como voltar para a Terra, eles precisam resolver o que fazer com ele, uma vez que não há suprimentos nem oxigênio suficiente para quatro pessoas.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/04/2021

Como qualquer filme que parte de uma boa ideia e se perder em algum momento, Passageiro Acidental tem uma conclusão sofrível. O ponto inicial é bastante forte e interessante, gerando uma série de possibilidades pouco aproveitadas pelo roteirista e diretor Joe Penna, que co-escreveu o filme com Ryan Morrison. Numa nave com apenas três astronautas rumo a Marte, descobre-se, pouco após o lançamento, a presença de mais um passageiro, que ficou desacordado dentro de um compartimento. O que fazer agora, sendo que há suprimentos apenas para o trio inicial?
 
Tem início um jogo moral: qual decisão devem tomar? Os tripulantes devem ser frios e jogar o homem excedente no espaço, ou... ou o que? Não há muitas opções, especialmente porque um equipamento foi danificado o que diminui a quantidade de oxigênio. A equipe é formada pela comandante, Marina (Toni Collette), e dois pesquisadores, David (Daniel Dae Kim) e a médica Zoe (Anna Kendrick), e, por fim, o passageiro acidental, Michael (Shamier Anderson), engenheiro que está ferido.
 
O filme é aquilo que se chama de uma hard sci-fi, um tipo de ficção científica mais preocupada com os fatos científicos e suas explicações. Por isso, Passageiro Acidental foca mais na ciência do que no conteúdo humano, o que geraria mais tensão, na verdade. Basicamente, boa parte do filme fica entre os quatro personagens tentando descobrir maneiras de conseguir mais oxigênio. Nem a equipe que ficou na Terra tem a resposta para isso.
 
Não há muito de drama humano aqui, pois os personagens são tão densos quanto figuras recortadas de papelão. Contam algumas coisas sobre seus passados aqui e ali, mas tudo soa meio forçado para gerar alguma comoção e quase nunca funciona. Como Michael foi parar dentro da nave e como a central de lançamento nunca se deu conta de que havia mais uma pessoa ali são elementos pouco críveis.
 
Embora o desenho de produção seja caprichado, Passageiro acidental nunca vai além de situações assim. A nave é repleta de detalhes, por dentro e por fora, e o espaço sideral fascinante, mas, nada disso impede um final frustrante e abrupto.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança