Minari - Em busca da felicidade

Ficha técnica


País


Sinopse

Nos EUA dos anos 19080, uma família coreana muda-se da California para o Arkansas. Lá, Jacob Yi sonha estabelecer uma fazenda produtora de legumes e verduras. O projeto enfrenta obstáculos e as dificuldades abalam seu casamento com Monica, mãe de seus dois filhos. A vinda da mãe dela, Soon-ja, pode ajudar.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

17/03/2021

O apelo do sonho americano para imigrantes sul-coreanos nos anos 1980 é o centro do drama Minari - Em Busca da Felicidade, em que o diretor Lee Isaac Chung impregna a história das próprias vivências como coreano-americano. Desde sua premiére, no Festival de Sundance 2020, o filme vem sendo celebrado, começando pelo Grande Prêmio do Júri e o do Público daquele festival. Além disso, recebeu seis indicações ao Oscar, vencendo apenas a de atriz coadjuvante para a veterana Yuh-Jung Youn.
 
Apesar de situar-se na década de 1980, a história remete a um certo espírito de faroeste, traduzido no ímpeto com que Jacob Yi (Steven Yeun) se entrega à obsessão de criar uma fazenda no Arkansas. Saído da California com a mulher, Monica (Yeri Han), e dois filhos, Anne (Noel Cho) e David (Alan Kim), ele agora quer superar as vicissitudes de uma vida passada, em que boa parte do dinheiro ganho por ele e a mulher trabalhando em granjas foi destinado a ajudar a família dele - uma obrigação de filho mais velho na tradição oriental. 
 
Há dois movimentos paralelos no roteiro, também assinado por Chung, o da construção desta fazenda no meio do nada, num grande lote, longe de tudo, em que a água é um problema, e o desmoronamento do casamento de Jacob e Monica, que se aproxima de um perigoso ponto final.
 
Uma nova inflexão é dada ao núcleo familiar com a chegada da mãe de Monica, Soon-ja (Yuh-Jung Youn), uma avó que não atende às expectativas do pequeno David - que não cansa de repetir que ela “nem parece uma avó” e se ressente de ter que dividir o próprio quarto com ela. Ela não preenche mesmo o figurino estereotipado das avós tradicionais: não sabe cozinhar, fala palavrões, ensina jogos de baralho ao neto e desestimula o tipo de orações que ele faz antes de dormir. Não é que ela não queira que ele reze, é que lhe parece que o menino, que tem um coração frágil, está sendo introduzido cedo demais nas angústias da idade adulta. Por isso, ela prefere dar longas caminhadas com ele e mostrar-lhe coisas na natureza que ele não conhece - inclusive as sementes de “minari”, uma plantinha comestível, de mil e uma utilidades, que ela trouxe da Coreia. 
 
O choque cultural da família asiática com o ambiente rural ultraprotestante do sudeste norte-americano - que foi, aliás, onde o diretor cresceu - é outra medida do desconforto destes personagens. Eles se vêem confrontados com a devoção obsessiva de seu empregado, Paul (Will Patton), que carrega uma cruz nas costas pelas estradas nos fins de semana, para purgar sabe-se lá quais culpas. A própria integração da família naquele local, no entanto, depende de uma hesitante participação no culto semanal, ainda que os rituais cristãos sejam estranhos para os contidos coreanos. 
 
O ponto forte da direção está no afinamento que consegue deste núcleo de atores, inclusive das crianças, naturais como poucas vezes se vê. Isto garante uma verdade emocional a esta família submetida a vários turbilhões, que vai filtrando suas vivências e sentimentos de uma maneira intensa, mas retratada com mão delicada. O grande mérito do filme está em não sustentar ideias fáceis sobre sucesso, redenção, reconciliação e superação, embora todos os temas o impregnem profundamente. 
 
Destaque no elenco, a veterana Yuh-Jung Youn arrebatou vários prêmios, como o Oscar, o Bafta e o Sindicato de Atores da América. Trata-se de uma grande chance de o público brasileiro conhecer melhor esta atriz muito celebrada na Coreia do Sul, que foi vista mas talvez não devidamente notada em diversos filmes de Hong Sang-soo, caso de A visitante francesa (2012), Montanha da Liberdade (2014) e Certo agora, errado antes (2015).

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança