Songs My Brothers Taught Me

Songs My Brothers Taught Me

Ficha técnica


País


Sinopse

Johnny e sua irmã mais nova, Jashaun, vivem numa reserva indígena com a mãe, que foi abandonada pelo pai deles. Ele faz planos de ir embora dali, pois fora sua irmã, nada mais o prende àquele local.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

09/04/2021

Em seu primeiro longa, Songs my Brothers taught me, a cineasta Chloé Zhao já mostra preocupações temáticas e estéticas que iriam evoluir em suas obras seguintes, chegando a Nomadland, seu terceiro, o grande vencedor do Oscar de melhor filme, direção e atriz, além de ganhador do principal prêmio no Festival de Veneza de 2020.
 
O cenário aqui é uma reserva de nativos na Dakota do Sul. A protagonista, uma jovem adolescente, Jashaun (JaShaun St. John), bastante observadora, que vive com o irmão um pouco mais velho, Johnny (John Reddy), e a mãe, Lisa (Irene Bedard). Eles também têm um meio-irmão mais velho, que está preso, e talvez mais outros irmãos e irmãs dos quais nunca saberão. O pai, um caubói conquistador, morre num incêndio, no início do filme.
 
Johnny ganha dinheiro vendendo bebidas escondido, atividade responsável pela destruição de várias vidas que se perdem para o álcool dentro da própria reserva. Mas esse é o único trabalho que ele é capaz de fazer. O garoto está guardando dinheiro para se mudar para Los Angeles com a namorada, Aurelia (Taysha Fuller), mas ele ainda não disse nada para mãe ou a irmã. Quando essa fica sabendo, resolve que precisa encontrar algum rapaz que substitua a figura de irmão mais velho ou de pai, já que não pode contar com a mãe alcoólatra.
 
Zhao, que também assina o filme, constrói uma narrativa que acumula elementos e incidentes, mais do que um enredo coeso e linear. Para isso, a fotografia, assinada por Joshua James Richards (que também concorre ao Oscar na categoria por Nomadland), é fundamental para o longa, no qual os espaços (geralmente vazios e melancólicos) têm tanto peso quanto as personagens. Em sua filmografia, que também inclui Domando o destino, a diretora sempre se interessou por como as pessoas lidam com o cenário que as cercam – e este, sempre, é uma paisagem solitária e grandiosa onde as figuras humanas parecem se perder.
 
Trabalhando com atores e atrizes não profissionais – como faria, novamente, nos filmes seguintes, embora Nomadland traga Frances McDormand e David Strathairn –, Zhao obtém um nível de autenticidade importante com essas pessoas que parecem interpretar versões de si mesmas – em Domando o destino, o protagonista, um caubói, é praticamente o próprio ator que o interpreta.
 
Danças e rituais dos nativos e nativas são contrapostos ao vício que os degrada. Dessa forma, Songs my Brothers taught me é uma investigação sobre a tradição tentando se manter viva diante da modernidade destruidora. Momentos surreais também aparecem ao longo do filme, dando uma dimensão de um mundo habitado por figuras peculiares, observadas com muito carinho pela diretora.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança