Expresso do Amanhã - segunda temporada (ep. 1 a 6)

Expresso do Amanhã - segunda temporada (ep. 1 a 6)

Ficha técnica


País


Sinopse

Desmentindo a ideia de que estivesse morto, Wilford reaparece, acopla sua locomotiva Big Alice ao Snowpiercer, surpreendendo Melanie, que descobre também que sua filha, Alex, está viva e sob o controle de Wilford. Os dois lados medem forças, criando problemas para Layton manter o controle da situação.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/03/2021

(ATENÇÃO, SPOILERS!)
A segunda temporada da série começou quente, como um inesperado e muito tenso reencontro entre Melanie (Jennifer Connelly) e Wilford (Sean Bean), o bilionário criador do Snowpiercer que se acreditava morto - assim como Alex (Rowan Blanchard), a filha de Melanie. Ao acoplar a locomotiva Alice no Snowpiercer, dois mundos se misturaram e a ambiguidade e os perigos cresceram.
 
Cada vez se torna mais difícil saber quem é quem e onde ficam as lealdades, no momento em que a liderança hesitante e contestada de Layton (Daveed Diggs) é desafiada por um líder populista, tirano e sem escrúpulos como Wilford - que desperta amor e ódio e tem seus admiradores mesmo entre aliados de quem Layton depende agora, caso de Ruth (Alison Wright). A comandante da hospitalidade, uma personagem das mais interessantes também nesta segunda temporada, será, por isso, observada de perto por Zarah (Sheila Vand), que trabalha com ela enquanto espera o filho de Layton. 
 
Tudo o que Wilford quer é retomar o controle total da Locomotiva Eterna e ele sabe que tem admiradores ali. Mais ambígua é a posição de Audrey (Lena Hall), que tem uma história amorosa passada com Wilford, mantendo vivo o rastilho de uma obsessão com um fundo doentio - algo que cria um impasse no episódio 5, mas tem potencial para desdobramentos interessantes logo à frente, o que parece que vai ser bem explorado para a conclusão imprevisível desta segunda temporada. Afinal, Audrey e também Josie (Katie McGuinness) - que ressurgiu de surpresa e está se recuperando das graves queimaduras - estão na Big Alice, supostamente sob o controle de Wilford mas com potencial para sabotar seus planos. Especialmente Josie, que cultiva uma aproximação interessante com Icy Bob (Andre Tricoteux), o gigante que é a arma secreta de Wilford mas parece não ser desprovido de percepção própria. 
 
Um recurso interessante nesta temporada foi dividir as atenções entre o que se passa no trem, mais do que nunca dividido entre inúmeros núcleos de tensão, e, pela primeira vez na história, num ambiente externo. Descobre-se que a temperatura lá fora está aumentando aos poucos e Melanie sai até uma base nas Montanhas Rochosas, ao mesmo tempo em que Ben solta seus balões atmosféricos, tudo em busca de criar uma rede confiável de informações meteorológicas que lhes permita monitorar a recuperação da Terra - e a possibilidade de um dia os milhares de passageiros poderem, finalmente, deixar este ambiente claustrofóbico e perigoso.
 
Dentro do trem, perigos se multiplicam entre as facções em disputa, causando incidentes não raro sangrentos, que requerem toda a atenção de Bess Till (Mickey Sumner), agora a nova detetive, atormentada como nunca pela percepção das divisões internas entre os passageiros mas tornando-se uma pessoa melhor ao longo do processo.
Do lado de fora, bem longe do trem, Melanie enfrenta desafios planejados e imprevistos. O que encontra na base é assustador, coalhado de morte e destruição. Ela mesma terá de usar ao máximo seu já comprovado instinto de sobrevivência para resistir a alguns desastres, um deles envolvendo seu trenó com suprimentos. 
 
De todo modo, foi bem eficaz dedicar todo o episódio 6 às vicissitudes de Melanie, deixando em suspenso a situação a bordo do Snowpiercer, que sofreu uma ruptura radical no final do episódio 5. Afinal, em que pé estará a situação ali dentro? Respostas no episódio 7.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança