Victor Frankenstein

Ficha técnica


País


Sinopse

Depois de resgatar um corcunda do circo, o estudante de medicina Victor Frankenstein o batiza de Igor, transformando-o em seu ajudante. Este será, então, quem irá narrar a história do cientista obcecado em dar vida a um corpo feito a partir de cadáveres.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/11/2015

A primeira frase dita em Victor Frankenstein, a mais recente e desnecessária adaptação do clássico gótico de Mary Shelley, é: “Vocês já conhecem a história”. E sim, realmente a conhecemos, mas o diretor Paul McGuigan e o roteirista Max Landis tentam subvertê-la, o que talvez seja o menor dos problemas. Eles partem da ideia inicial, do cientista brilhante e doido, e adicionam uma dezena de clichês antigos (já perpetuados nas diversas versões cinematográficas) e outros novos, como uma subtrama romântica e uma dose de psicologismo barato.
 
O revisionismo introduz uma leitura século XXI ao original do século XIX, pautando-o por um “bromance” entre o dr. Victor Frankenstein (James McAvoy) e Igor (Daniel Radcliffe), seu assistente brilhante, que é um corcunda de circo quando se conhecem, ao salvar a vida de uma trapezista (Jessica Brown Findlay), por quem o rapaz é apaixonado, mas ignorado por causa de sua aparência.
 
Percebendo o potencial do jovem para a ciência, Frankenstein salva sua vida, levando-o para morar e trabalhar com ele, curando sua corcunda – era apenas um abcesso gigante! – e melhorando sua aparência com banho, uma navalha e tiras de couro que o ajudam em sua postura. Acolhendo-o em sua casa, um galpão onde realiza suas experiências, espera contar com Igor para sua grande criação – ressuscitar os mortos.
 
Obviamente, há todas as implicações éticas e religiosas comuns à trama, mas elas são meras desculpas para a participação de um detetive da Scotland Yard (Andrew Scott), cuja função é alongar o filme, chegando a inexplicáveis 109 minutos. A direção de arte recria uma Londres visivelmente artificial, tanto quanto a insistente trilha sonora de Craig Armstrong, que não dá um respiro para o filme, cuja leitura século XXI mostra-se demais para o clássico – algo parecido com o que Guy Ritchie fez com Sherlock Holmes.
 
Radcliffe, a cada filme, se esforça para deixar Harry Potter, seu personagem mais famoso, para trás, mas sua limitada habilidade dramática, aqui, esbarra em McAvoy – que tem um personagem mais interessante, além de mais talento. Já o clímax, envolvendo a famosa criatura, é uma festa de efeitos especiais que em nada contribuem, fazendo de Victor Frankenstein um filme B, com orçamento e sem humor, e com um final que clama por continuações – dependendo do sucesso na bilheteria.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança