Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário

Ficha técnica

  • Nome: Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário
  • Nome Original: Saint Seiya: Legend of Sanctuary
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Japão
  • Ano de produção: 2014
  • Gênero: Animação, Ação
  • Duração: 95 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Keichi Sato
  • Elenco:

País


Sinopse

Depois de ser salva pelo cavaleiro de Sagitário, Aiolos, a reencarnação da deusa Atena na Terra, Saori, cresce sobre a proteção do bilionário Mitsumasa Kido. Consciente do perigo que a menina corre, chama os cavaleiros de bronze Seya, Shun, Yoga, Shiryu e Ikki para protegê-la do mestre do santuário de Atena, que a chama de impostora.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/09/2014

Na década de 1990, a extinta TV Manchete começou a transmitir uma série japonesa chamada no país de Cavaleiros do Zodíaco, baseado no manga de Masami Kurumada. Violento e inicialmente um tanto confuso, o enredo misturava astrologia e mitologias grega, nórdica e japonesa para contar a história de guerreiros que lutavam pela deusa Atena na Terra. O sucesso foi tão extraordinário quanto os poderes dos cavaleiros. Os novos fãs a partir de então puderam acompanhar as aventuras de Seya (Pegasus), Shun (Andrômeda), Yoga (Cisne), Shiryu (Dragão) e Ikki (Fênix) em nome de sua deusa, contra uma série de inimigos: o mestre do santuário, Poseidon, Odin e, por fim, Hades. Além dos filmes, nos quais enfrentaram outros deuses, incluindo aí o enigmático capítulo Prólogo do Céu (2004) e spin-offs para a TV, como Lost Canvas (2009).
 
O que estreia, agora, nos cinemas é uma versão repaginada (pela primeira vez a animação é produzida em computação gráfica), baseada na Saga do Santuário (1986 – 1988), o início de tudo. Um plano ambicioso, já que a história foi contada originalmente na TV em nada menos que 73 capítulos. E de fato o roteiro mudou consideravelmente os caminhos, mas não a linha de chegada. Na nova lenda, o santuário de Atena (originalmente na Grécia) fica em outra dimensão. Lá, o seu mestre tenta matar a reencarnação da deusa, que é salva por Aiolos, o cavaleiro de Sagitário. Quando o herói chega a Terra agonizante, ele entrega o bebê e sua própria armadura para bilionário Mitsumasa Kido, que a cria sob o nome de Saori.
 
Não fica claro como os cavaleiros de bronze (Seya, Ikki, Shun, Yoga e Shiryu) são cooptados por Kido para proteger Saori (diferentemente do que ocorre nos quadrinhos ou na série televisiva). Ou como o Mestre do Santuário nunca notou que o bebê estava vivo (já que emana poderes de deusa). Mas o fato é que Saori cresce, sem saber de sua condição. Ao completar 16 anos, é vítima do segundo atentado à sua vida e precisa ir ao santuário com seus cavaleiros de bronze (aparentemente contratados por Kido) para enfrentar o vilão e reinar na Terra como Atena. E lá vão eles enfrentar os 11 cavaleiros de ouro, nomeados segundo os signos do zodíaco (Aiolos, de sagitário, morreu anos antes).
 
O reducionismo da história é um tanto perturbador para quem acompanhou a saga dos cavaleiros, que já deve se acostumar com o novo formato em computação gráfica (apesar de competente). Com uma narrativa fragmentada e com omissões gritantes, não deixa de ser uma animação confusa para quem não conhece os personagens anteriormente. Os Cavaleiros do Zodíacos, por seu sucesso, mereciam mais.

Rodrigo Zavala


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança