Robocop

Ficha técnica


País


Sinopse

Alex Murphy é um policial honesto da polícia de Detroit, que descobre as ligações de alguns colegas com o mundo do crime. Estes plantam uma bomba em seu carro e ele está para morrer. Bem nesta hora, ele se torna o candidato ideal para que uma empresa fabricante de robôs, a Omnicorp, se lance a sua mais ambiciosa experiência, tornando-o uma criatura híbrida, meio homem, meio robô - o Robocop.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

18/02/2014

Ao dirigir o aguardado remake de Robocop, sua estreia em Hollywood, o premiado diretor brasileiro José Padilha, vencedor do Urso de Ouro em Berlim em 2008 por Tropa de Elite, confirma suas qualidades e defeitos habituais. Ou seja, mostra energia, agilidade e também mão pesada ao retratar ação e violência. Também não escapa do maniqueísmo na direção de atores e na abordagem da política – como aconteceu, aliás, na sequência de Tropa de Elite, de 2010.
 
Foi tumultuada a produção deste remake da celebrada aventura de 1987 do diretor Paul Verhoeven. Padilha nem foi a primeira opção, mas acabou realizando o filme, com orçamento estimado em US$ 140 milhões, boa parte deles gastos em muitos efeitos especiais.
 
Mais uma vez, o cenário é Detroit, mas a cidade norte-americana mais parece um genérico de toda e qualquer grande metrópole do mundo abalada pelo descontrole do crime. No exterior, uma grande empresa norte-americana, a Omnicorp, fatura alto com seus drones e robôs, que comandam a segurança em países ocupados pelos EUA – na sequência inicial, eles são mostrados em ação em Teerã, um toque político nada sutil em relação a um dos países com quem os EUA mantém uma relação mais complicada.
 
O sonho da Omnicorp é usar estes robôs dentro dos EUA, mas é impedida por leis e senadores preocupados com a falta de limites e sentimentos das máquinas. Uma brecha surge quando o empresário Raymond Sellars (Michael Keaton) dobra os pruridos éticos do médico Dennett Norton (Gary Oldman), convencendo-o a transformar um policial quase morto numa explosão, Alex Murphy (Joel Kinnaman), num ciborgue.
 
Mais máquina do que homem, agora conhecido como Robocop, o policial cibernético conquista instantaneamente a adoração popular em Detroit por sua capacidade de acumular fichas policiais e mandados de prisão em sua memória eletrônica, localizando e prendendo criminosos com a velocidade da luz, a bordo de uma possante motocicleta. Ainda por cima, ele é praticamente invulnerável.
 
Com montagem rápida (do também brasileiro Daniel Rezende e de Peter McNutty) e muito barulho, por seus seguidos tiroteios, o filme derrapa toda vez que tenta aprofundar algum aspecto ético de suas situações. A grande questão, se Alex/Robocop ainda é humano, é tratada de maneira um tanto vaga, com o dr. Dennett abrindo mão um pouco rápido demais de suas preocupações morais.
 
Michael Keaton, como sempre, está vários tons acima na interpretação do vilão do pedaço, o empresário inescrupuloso, desmentindo a velha máxima de que os malvados são os personagens mais interessantes. Mulher do Robocop, Abbie Cornish aparece mais do que a esposa no filme de 1987, mas pouco mais faz do que chorar.
Neste mundo muito maniqueísta, quase de história em quadrinhos, a melhor coisa é mesmo Pat Novak (Samuel L. Jackson). Na pele de um apresentador de TV reacionário e militarista, ele dá seu habitual show de ironia, carregando a faixa da discussão sobre o fascismo implícito no pensamento de Sellars e sua gangue - que está contaminando, aliás, boa parte do mundo contemporâneo.
 
Ensurdecedor e sem alma, Robocop parece ter sido feito na gigantesca linha de montagem chinesa que fabrica em série os robôs da Omnicorp.

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 21/02/2014 - 16h40 - Por Antonio Nunca deixei comentários. Mas realmente queria entender onde a Neusa enxerga esse maniqueísmo que ela citou nas produções do Padilha.

    Da critica da critica,

    A sensação que fica é que o filme não foi visto com atenção, e está dotada de preconceito com o gênero e origem e talvez com a direção.

    ok... critica é critica... goste quem leia ou não é a visão pessoal. Mas achei muito desconectada de todas as outras e um pouco injusta.VU

    att

    Antonio
  • 26/03/2015 - 17h02 - Por BESSAMOR Gostei, achei um passatempo sadio, para o gênero ficção-ação, está de muito bom tamanho, excetuando-se o enredo, um tanto quanto forçado, como normalmente acontece em filmes de ação.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança