O Fio da Inocência

Ficha técnica

  • Nome: O Fio da Inocência
  • Nome Original: Felicia´s Journey
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Inglaterra
  • Ano de produção: 99
  • Gênero: Suspense
  • Duração: 116 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Atom Egoyan
  • Elenco: Bob Hoskins, Arsinée Khanijan

País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/02/2003

Poucas vezes se verá na tela um serial killer mais doce e paternal do que o ator inglês Bob Hoskins neste intrigante suspense em que o diretor armênio-canadense Atom Egoyan confirma sua naturalidade para lidar com a estranheza do comportamento humano - qualidade que ele esbanjou em trabalhos anteriores como Exótica (94) e O Doce Amanhã (97).Como cineasta, Egoyan define seu estilo por essa facilidade de encontrar os detalhes que humanizam os personagens mais bizarros e até repulsivos e expô-los progressivamente, de tal forma que o espectador encontre elementos se não para aceitá-los, para compreendê-los - absorvendo uma noção tão cara ao universo egoyaniano, de que nada que é humano, afinal, nos é estranho.

Na pele do cozinheiro Joseph Hildicht, Hoskins simplesmente arrasa, num papel cheio de nuances que é o sonho de qualquer ator. E o intérprete britânico de Mona Lisa (86), embora nem sempre encontre filmes à altura de seu talento, há muito já demonstrou ter calibre para desdobrar todas as camadas de luz e sombra que um ser humano como seu protagonista é capaz de conter.

Joseph cresceu dentro da cozinha. Sua mãe, Gala (Arsinée Khanjian, mulher do diretor), liderava um popular programa de culinária na televisão, nos anos 50/60. O menino Joseph (interpretado por Danny Turner) fazia pontas no programa da mãe. Mais edipiano não poderia ser.

Adulto e órfão, ele cria um mundo à parte numa casa de subúrbio, impecavelmente arrumada, com uma cozinha do tamanho de um apartamento, repleta de todo tipo de utensílios. Ali não faltam os equipamentos necessários para que Joseph repita um intrigante ritual: assistir incansavelmente aos videoteipes dos programas da mãe, preparando seus pratos até com as mesmas batedeiras da época - das quais ele tem uma coleção guardada no porão.

Chefe da cozinha industrial de uma fábrica, Joseph conduz seu trabalho como se fosse o chef de restaurante sofisticado, exigindo o ponto certo dos pudins e o cozimento exato da massa de tortas e pães - o que cria um espaço caseiro dentro de um ambiente em tudo o mais inóspito e impessoal.

Emparedado neste seu pequeno mundo ideal, Joseph guarda um segredo - sua atração por garotas desprotegidas e problemáticas, prostitutas, meninas sem família. Pessoas a quem dá carona em seu carro e filma com uma câmera oculta. O destino das passageiras é desconhecido.

Este obscuro anjo exterminador vai cruzar o caminho de Felicia (Elaine Cassidy, a empregada muda de Os Outros), jovem irlandesa que atravessa o mar para a Inglaterra, à procura do namorado (Peter McDonald), de quem está grávida. Pouco dinheiro no bolso, não mais do que um vago endereço do noivo, inexperiente - perfil exato da presa preferida pelo paternal Joseph.

O filme todo se constrói em torno do embate entre as duas sensibilidades, num jogo de atração e resistência, temperado por uma precisa condução do tempo da narrativa e o cuidado ideal dos pequenos detalhes. Obra madura do diretor canadense Atom Egoyan, que dá outro passo seguro depois do dilacerante O Doce Amanhã, mais uma vez partindo de um roteiro adaptado (desta vez, de um livro de William Trevor).

Cineweb-1/2/2002

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança