Shrek para sempre

Ficha técnica

  • Nome: Shrek para sempre
  • Nome Original: Shrek Forever After
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2010
  • Gênero: Animação, Infantil, Comédia
  • Duração: 93 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Mike Mitchell
  • Elenco:

País


Sinopse

Casado e pai de vários filhos, o ogro Shrek não é mais o mesmo. Agora, ele enfrenta uma crise da meia-idade. Ao fazer um acordo com um persoangem traiçoeiro, ele perde tudo o que mais ama.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/06/2010

Shrek está cansado! E não parece estar sozinho. Em seu novo filme, Shrek para sempre, o quarto da série, o ogro enfrenta uma série crise da meia-idade, enquanto seus roteiristas e diretor enfrentam uma crise de criatividade. O longa consegue ser um pouco melhor do que o terceiro, lançado em 2007, mas, ainda assim, passa um tanto longe da magia, sagacidade e originalidade do primeiro filme, de 2001.
 
Em Shrek para sempre há algo de errado no Reino de Tão Tão Distante. Afinal, não faz muito sentido um filme infantil que tem como tema central a crise da meia-idade. Em todo caso, o novo Shrek segue a linha dos dois últimos filmes, ou seja, vai pela cartilha da animação fofinha, com uma piadinha aqui e outra ali, dezenas de referências pop e olho grande na bilheteria.
 
O que o primeiro filme trazia de inovador, de audacioso ao revirar o mundo dos contos de fadas e, por consequência, da mentalidade dos desenhos da Disney perdeu-se ao longo de quase 10 anos. Embora os quatro filmes mantenham uma forte identidade visual, a audácia já não faz parte do repertório.
 
A história, creditada a Walt Dohrn – que também dubla o vilão na versão em inglês –, pega emprestado o mote central de A felicidade não se compra, com a pergunta: como seria o mundo se Shrek não tivesse beijado Fiona? A resposta vem do acordo que Shrek (voz de Mike Myers, de Bastardos Inglórios, na versão legendada) faz com o traiçoeiro Rumpelstiltskin – um personagem cooptado de um conto dos irmãos Grimm. Aqui, ele é conhecido por seus acordos com letras minúsculas no rodapé, que, no final das contas, transformam-se em grandes problemas.
 
Durante a festa de um ano de seus três filhos, Shrek surta. Está cansado de ser marido, pai, motivo de zombaria e não assustar mais ninguém. E enquanto vaga sem rumo encontra Rumpelstiltskin, Rumple, para os íntimos. Seu acordo consiste em dar ao ogro novamente um dia de glória, como ele tinha no passado, aterrorizando pessoas e correndo como uma fera doida por aí. Em troca, Shrek dá outro dia de sua vida. Nesse acordo mefistofélico, porém, Rumple consegue reverter toda a história. Shrek não beija Fiona, portanto, ela continuará a sofrer sua maldição (princesa durante o dia, ogra durante a noite). E o próprio Rumple se torna rei de Tão Tão Distante, transformando o local, que parece viver numa eterna Idade Média, num Halloween eterno, um paraíso para bruxas e outras criaturas malignas.  
 
Os ogros vivem no subterrâneo e Fiona (no original dublada por Cameron Diaz, de A caixa) é uma espécie de líder da resistência, que vive planejando uma revolta para tomar o poder. O Gato de Botas (Antonio Banderas, de “A lenda do Zorro”) está mais gordo do que nunca e é seu confidente.
 
Com esses elementos, o diretor Mike Mitchell (Super-escola de heróis) extrai uma animação meio engraçada, meio sonolenta, às vezes exageradamente emocional, que quase nunca faz lembrar o primeiro filme. Intacta na série parece estar apenas a trilha sonora, com canções pop, com destaque para “Top of the world”, na versão original dos Carpenters, usada na cena quando Shrek recupera o seu ‘mojo’, como diria Austin Powers, outro personagem imortalizado por Myers.
 
Como tem acontecido com a maioria dos filmes lançados em 3D, o efeito não faz muita diferença. As cópias convencionais dão conta de mostrar bem a animação e seus detalhes. Prometidamente, essa é a última aventura de Shrek no cinema. Ufa! Afinal, um ‘felizes para sempre’ definitivo não faria mal para Shrek, Fiona e cia.

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 13/07/2010 - 01h38 - Por Otávio Caiu na mesmice... Fora que as histórias da Pixar costumam ser mais "ricas" (convenhamos, por exemplo, que o roteiro de Wall-E está anos luz de um Shrek, a despeito da "boa sacada" inicial ao zombar os clássicos da Disney)
  • 21/08/2010 - 18h45 - Por Marcelo Adorei esse Shrek, muito bom o filme, engraçado e divertido, não foi cansativo e a história ficou bem amarrada e com bons efeitos em 3d
  • 14/02/2011 - 22h44 - Por dayane o nome dos filhos do shrek e felicia ferbus flates eu assisti o filme e anotei
  • 15/04/2011 - 17h25 - Por Lindomar Temos que parar com esta mania de achar que so filmes da Disney são bons, podem ser os primeiros no ramo de animação,mas na minha opinião os da dreamworks são muito melhor e bem trabalhados. Mas admito que para crianças os da Disney e mais aconselhado! Mesmo a maioria sendo a mesmice de: Princesas, Principes Encantados , Bruxas, Reino encantado etc. Acontece que hoje em dia nenhum diretor esta pensando oque as crianças pensam! Eles querem e recorde de bilheteria.
  • 30/04/2011 - 18h53 - Por julia coutinho medeiros eu adorei esse filme portando eu estou fazendo um trabalho sobre ele no colécio estadual municipalizada guilhermina guinle , e é engaraçado e divertido ,as bruxas vão procurar o shrek e acham ele, e valeu a pena verzzz
  • 30/08/2011 - 07h54 - Por Barracuda 15/04/2011 - 17h25 - Por Lindomar
    Temos que parar com esta mania de achar que so filmes da Disney são bons, podem ser os primeiros no ramo de animação,mas na minha opinião os da dreamworks são muito melhor e bem trabalhados. Mas admito que para crianças os da Disney e mais aconselhado! Mesmo a maioria sendo a mesmice de: Princesas, Principes Encantados , Bruxas, Reino encantado etc. Acontece que hoje em dia nenhum diretor esta pensando oque as crianças pensam! Eles querem e recorde de bilheteria.


    E que fez a Dreamworks alem de usar todos esses chavões da Disney esses anos todos, supostamente invertendo o lugar-comum(ou criando outro depois de quatro filmes praticamente iguais)?Mais:a Pixar não tá no ramo das princesas por enquanto.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança