Ao sul da fronteira

Ao sul da fronteira

Ficha técnica

  • Nome: Ao sul da fronteira
  • Nome Original: South of the Border
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2009
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 102 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Oliver Stone
  • Elenco:

País


Sinopse

Documentário de Oliver Stone sobre os governantes dos países latino-americanos e as mudanças que implementaram em seus países. O maior destaque do filme fica por conta do venezuelano Hugo Chávez.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

01/06/2010

Oliver Stone sempre se interessou por teorias de conspiração. Em "Ao sul da fronteira", documentário que dirigiu ele coloca um tempero latino em sua obsessão, ao radiografar, um tanto ligeiramente, os governos dos países da América do Sul, em especial o de Hugo Chávez, presidente da Venezuela.
 
Stone tenta comprovar um argumento: “a política do FMI, bancada pelo ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush usa a América Latina como cobaia para suas experiências”. O primeiro a se levantar contra isso, segundo o longa, foi Chávez.
 
Superficialmente, o diretor analisa as economias e políticas locais, destacando o que considera como herois nacionais (Chávez, na Venezuela; Lula, no Brasil, e Evo Morales, na Bolívia) em detrimento a processos históricos. Na visão do diretor, a história é resultado daquilo que acontece agora. Pouco, ou quase nada, se fala do passado - a não ser os ecos da Revolução Cubana, de meio século atrás, na América Latina contemporânea.
 
Usando colagem de imagens à la Michael Moore ("Fahrenheit 11 de setembro", "Sicko - SOS Saúde"), Stone ridiculariza a mídia norte-americana. Na primeira cena, uma apresentadora do canal Fox confunde cacau com coca. Um mix de clipes da televisão norte-americana mostra como é fácil a manipulação da informação.
 
Por ironia, o próprio Stone também comete erros sérios, como quando confunde a floresta amazônica com a cordilheira dos Andes num gráfico que pretende informar que, para se chegar da Venezuela à Bolívia, basta um voo em linha reta sobre a cordilheira, quando na verdade, a trajetória é uma reta cruzando o norte do Brasil.
 
O diretor insiste na tecla dos males do imperialismo norte-americano, mas, ao mesmo tempo, parece se esquecer do fato de que faz cinema nos Estados Unidos e essa é uma das formas mais eficientes da propaganda de seu país. Mais irônico ainda é o diretor criticar o FOX News, quando seu próximo filme, “Wall Street 2”, será lançado pela 20th Century Fox, um dos braços do mesmo conglomerado. Ou seja, ideologia não é bem o que parece guiar os interesses de Stone.
 
No filme, Chávez é uma figura polêmica e encantadora, divertido e espirituoso. Chama Bush de “burro” e “capeta”, arrancando risos de uma plateia, e prega “uma revolução pacífica, mas armada”. Cita Simon Bolívar a todo o momento e propõe aquilo que chama de “Revolução Bolivariana para a América Latina”. O filme passa boa parte do tempo acompanhando o presidente da Venezuela e frisando seu processo eleitoral, para deixar bem claro que ele não é um ditador, destacando o seu lado humano. Stone mostra o local onde estava a casinha de palha onde Chávez nasceu e o retrato de sua avó.
 
O tour de Stone continua pela América Latina, entrevistando seus governantes. Evo Morales recebe o diretor e o alerta para o fato de que as folhas de coca devem estar bem verdes para o consumo. O presidente da Bolívia se define “mais como um líder sindical do que presidente” de seu país.
 
Para Cristina Kirchner, presidente da Argentina, sobra o lado fútil da política. Ao som de uma música que faz lembrar o tema da série "Sex and the city", Stone conversa com ela e a pergunta mais contundente que faz é: "Quantos sapatos você tem?". Ela protesta e diz que ninguém pergunta a um homem quantas calças ele tem. Os assuntos sérios, Stone deixa para conversar com o marido dela, o ex-presidente Néstor Kirchner.
 
O presidente do Brasil, quando aparece, é saudado por Chávez como o seu irmão e ganha um abraço. Lula explica que, com a ascensão dos governos de centro-esquerda e esquerda na América Latina, pela primeira vez os pobres estão perto do poder.
 
Curiosamente, Stone nunca dá voz à população. Os pobres são sempre mencionados, mas nenhum popular tem direito a dar a sua opinião no filme de Stone. Fora os políticos, o diretor entrevista pensadores como Tariq Ali (que assina o roteiro com o economista Mark Weisbrot, crítico ferrenho do FMI), que é o autor do depoimento mais sensato do filme.  
 
Perto do final de "Ao sul da fronteira", quando Barack Obama é eleito nos Estados Unidos, Chávez diz esperar “um novo Roosevelt” e a criação de uma nova política de bem-estar social (New Deal) para todos os continentes. Já Stone, por sua vez, não se importa com nuances: para ele, Chávez é a chama da democracia, enquanto para a ex-secretária de Estado, Condolezza Rice, um ditador a ser combatido. A verdade, porém, parece estar em algum ponto entre esses dois extremos.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança