Depois do Casamento

Ficha técnica

  • Nome: Depois do Casamento
  • Nome Original: Efter brylluppet / After the Wedding
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Dinamarca
  • Ano de produção: 2006
  • Gênero: Drama
  • Duração: 120 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Susanne Bier
  • Elenco: Mads Mikkelsen

País


Sinopse

Jacob é um dinamarquês que abandonou seu país há 20 anos. Depois de uma vida de aventuras, ele dedica-se a cuidar de um orfanato na Índia, onde se apegou particularmente a um menino de 5 anos. Um dia, contra a sua vontade, é forçado a voltar a seu país, para um encontro com um milionário, Jörgen, que estuda uma grande doação para os órfãos. Quando chega, é obrigado a lidar com caprichos do homem rico, inclusive, a comparecer ao casamento da filha dele. Quando chega à igreja, Jacob tem uma grande surpresa.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

14/06/2007

Depois do Casamento, da diretora Susanne Bier, é um típico filme pós-Dogma. Uma das raras mulheres a pertencerem às fileiras do movimento renovador do cinema dinamarquês, cujo maior porta-voz foi Lars von Trier, ela vem, como todos os demais integrantes, realizando filmes fora dos seus princípios, um tanto monásticos. E assina aqui um melodrama competente, com um ritmo intenso, que se acompanha com interesse.

A câmera inquieta de Morten Soborg espia documentalmente a vida das crianças pobres da Índia. Nada gratuitamente. O enredo se nutre do abissal contraste entre os dois países, a caótica e calorosa Índia, e a antisséptica e fria Dinamarca.

Mergulhado num universo ao mesmo tempo extremamente sujo e colorido, desorganizado e afetuoso, está um dinamarquês, Jacob (Mads Mikkelsen, vilão de Cassino Royale, versão 2006). O rosto marcado entrega as muitas aventuras anteriores, trocadas pelo sereno trabalho num orfanato, onde tem cuidado paternal especialmente por um menininho de 5 anos, Promod (Neeral Mulchandani).

Contra a vontade, Jacob vai ter de voltar à Dinamarca, que ele abandonou há mais de 20 anos, justamente para conseguir uma dotação capaz de salvar o orfanato do fechamento. Do outro lado, quem o espera é o milionário Jörgen (Rolf Larsgard), que insiste em conhecer Jacob pessoalmente. E não só. Quando Jacob chega, envergando seu único e surrado terno, descobre que terá de atender a alguns caprichos do empresário, como comparecer ao casamento da filha dele, no dia seguinte.

A presença do estranho no casamento da jovem Anna (Stine Fischer Christensen) tem o condão de quebrar o verniz de normalidade que cobria todas estas vidas. Jacob e Helene (Sidse Babett Knudsen), a mulher de Jörgen, descobrem no primeiro olhar que se conheceram há muito tempo. A revelação que se produz a seguir não é do nível escandaloso de outro filme do Dogma, Festa de Família (1998), de Thomas Vinterberg. Ainda assim, tem efeito devastador, especialmente nas vidas de Jacob e Anna, únicos a ignorarem o segredo.

Ainda paga seu tributo ao Dogma a câmera inquieta, por vezes invasiva com seus freqüentes close-ups, do citado Soborg, construindo a atmosfera tensa entre estes personagens jogados num furacão emocional crescente – sobretudo quando se revela um outro segredo.

O uso intensivo da música viola um dos mais sagrados antigos preceitos dogmáticos, mas é bem utilizada. Susanne Bier, que já assinara os bons dramas Brothers (2004) e Corações Livres (2002), sempre em parceria com o roteirista Anders Thomas Jensen – inclusive em Depois do Casamento - comprova seu amadurecimento como diretora. Da Dinamarca, vem o exemplo de que melodramas não precisam ser derramados nem óbvios para convencer e emocionar. O trabalho de todos os atores, inclusive da novata Stine Fischer Christensen, merece todos os elogios.

Depois do Casamento concorreu ao Oscar de filme estrangeiro em 2007.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança