O Bicho Vai Pegar

Ficha técnica

  • Nome: O Bicho Vai Pegar
  • Nome Original: Open Season
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2006
  • Gênero: Animação, Infantil
  • Duração: 99 min
  • Classificação: Livre
  • Direção:
  • Elenco:

País


Sinopse

Boog é um grande urso pardo domesticado que acaba sendo mandado de volta para a floresta. Seu único amigo é um cervo tagarela e atrapalhado. Ele irá ajudar seu novo companheiro a se adaptar à vida selvagem e sobreviver à temporada de caça que começa nos próximos dias.


Extras

- Curta-metragem A Corrida da Meia-Noite de Boog e Elliot

- Por Trás Das Câmeras: As Vozes Por Trás Das Estrelas

- Cenas Excluídas

- Videoclipe: I Wanna Lose Control (Uh Oh)

- Tá Dando Onda: Esconde-esconde exclusivo, trailer teaser, arquivos dos personagens

- Comentários: Dentro do Estúdio dos Animais, Seu Salsicha, Porco-Espinho, Maria, O Gambá, Comentários dos Realizadores

- Atividades: Vozes, Roda da Fortuna: Edição da Floresta, Desconstrução de Cena

- Ringtales

- Galerias: Ambientes, Personagens, Storyboards

- Trailers (sem legendas)


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/10/2006

Será que um dia bichinhos fofinhos vão deixar de ser assunto para animações voltadas essencialmente para o público infantil? Um dia os estúdios vão achar outras vítimas para protagonizar seus longas? Aparentemente não. Animais têm servido como a principal metáfora para conectar o público infantil com o imaginário cinematográfico – sejam de grande porte (girafas, ursos, leões), de médio (tartarugas, coelhos, cães) e minúsculos (formigas, joaninhas). Mais um filme chega para engrossar a lista. Depois de Madagascar, A Era do Gelo, Os Sem-Floresta e Selvagem (só para ficar com os mais recentes), chega O Bicho Vai Pegar.

O novo filme não difere em nada dos outros. Basta fazer a lista. Animais engraçadinhos: confere; cenário exótico: confere; animação de qualidade: confere; piadas para crianças: confere; e uma bela lição sobre a vida: claro que também está lá. Assim, O Bicho Vai Pegar entra para a lista de filmes inofensivos, que os pais levam os filhos para ver, as crianças se divertem, e tudo acaba rápido com um brinquedo novo.

O filme, que marca a estréia da divisão de desenhos animados da Sony, mais parece um pastiche de sucessos de grandes estúdios, como Disney (Bambi, Selvagem), Dreamworks (Shrek), e todos da Pixar. Não por acaso, os realizadores passaram pelos outros estúdios. Até aí nada demais. Mas será que ninguém cogitou que a dinâmica entre o urso protagonista e o cervo é idêntica à relação entre Shrek e o Burro? E que, aliás, os personagens são até parecidos fisicamente?

O Bicho Vai Pegar evita, porém, aquelas cansativas referências à cultura pop que se tornaram uma febre depois de Shrek. Aqui a história encerra-se em si mesma, sem tentativas de críticas à sociedade, piadas de duplo sentido ou sátiras. O que acaba sendo uma benção, já que todas as animações que miram nisso acabam errando o alvo e criando situações bizarras.

Os poucos momentos genuinamente engraçados sempre envolvem coelhos sendo abusados fisicamente. Sejam como armas de guerra, como travesseiro ou uma espécie de saco de pancadas involuntário. Já os outros animais vão ao encontro das expectativas de um público mirim, que busca no cinema mais uma forma de diversão confortável do que qualquer outra coisa.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança