Gramado realiza sua edição mais aguerrida

Ator argentino Leonardo Sbaraglia recebe homenagem em Gramado

Neusa Barbosa, de Gramado

Gramado - Homenageado do ano com o Kikito de Cristal - um reconhecimento da carreira de um artista pelo Festival de Gramado -, o ator argentino Leonardo Sbaraglia veio à cidade da Serra Gaúcha também reforçando um vínculo que se torna cada vez mais forte com o audiovisual brasileiro.
 
Parte do elenco do drama O Silêncio do Céu (2016), de Marco Dutra, Leonardo contracena com Wagner Moura no filme Wasp Network, dirigido pelo francês Olivier Assayas, produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira e inspirado no livro Os últimos soldados da Guerra Fria, de Fernando Morais. Antes disso, também fora dirigido pelo brasileiro José Eduardo Belmonte na série O Hipnotizador
 
Aos 49 anos, Sbaraglia é um nome internacional consumado, o que se comprova particularmente com sua participação no elenco de Dor e Glória, de Pedro Almodóvar, ao lado de Antonio Banderas - que teve sua estreia mundial no Festival de Cannes. Wasp Network, por sua vez, terá sua première mundial na próxima semana, na competição do Festival de Veneza. Em outubro, o filme abre a Mostra Internacional de Cinema em S. Paulo. 
 
Nesta noite de sábado (24), o festival se encerra com a divulgação da lista completa dos prêmios. 
 
Começo precoce
 
Este reconhecimento, inclusive fora das fronteiras de seu próprio país, parece uma consequência natural de alguém que, como ele, iniciou seu percurso profissional muito cedo, aos 16 anos, no filme La noche de los lápices (1986), um drama sobre adolescentes que militaram pela redução de tarifas de transporte entre o governo de Isabelita Perón e a subsequente ditadura militar, nos anos 1970, com resultados trágicos.
 
Como ele revela numa descontraída coletiva na tarde de sexta (23), nas dependências da fábrica de cristais que confecciona o troféu que ele receberia à noite, o ator destaca a importância do teatro na sua formação. Ainda muito jovem, ele integrou um grupo teatral e trabalhou também com televisão.
 
Entre os anos 2000 e 2008, viveu na Espanha, voltando em seguida para a Argentina, onde, segundo ele, dificuldades muito semelhantes às vividas no Brasil hoje afetam a regularidade dos projetos. “Eu recebia 15 propostas de trabalho, agora recebo duas”, exemplifica. O motivo principal é que o atual governo argentino restringiu drasticamente as atividades do INCAA, o prestigiado instituto de fomento ao cinema local, que deixou de adiantar dinheiro às produtoras menores, mais independentes, incentivando produções mais comerciais. “Este governo foi até pior do que os artistas esperavam”, desabafa. Mais do que com o cinema, ele se preocupa com a situação econômica e social neste momento: “A maior urgência é que há gente morrendo de fome na Argentina hoje. Temos que atuar para que isso se resolva”.

Wagner Moura e Maradona

Atuar ao lado de Wagner Moura em Wasp Network foi, segundo ele, uma ótima experiência. Leonardo só conhecia o ator baiano das telas, em trabalhos como Tropa de Elite e a série Narcos. Ele se diverte com o fato de que ele, argentino, e Wagner, brasileiro, façam papeis de cubanos no filme de Assayas, o que exigiu dos dois um treinamento não só linguístico mas de sotaque. 

Entre os próximos trabalhos do ator argentino está uma outra série de TV, Maradona: Sueño Bendito, que narra a trajetória do ídolo argentino Diego Maradona. Sbaraglia interpreta, numa determinada fase, Guillermo Coppola, um dos técnicos do jogador e que se tornou seu grande amigo, em Nápoles. Por coincidência, um amigo de Sbaraglia, o ator Jean-Pierre Noher, que lhe entregou o Kikito de Cristal aqui, interpreta o mesmo personagem mais velho. Noher, que já atuou inclusive em filmes nacionais, como Estômago, e novelas brasileiras (Sol Nascente), foi, segundo o ator, a ponte que o aproximou do cinema brasileiro. 


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança