60º Festival de Berlim

Filmes em tempos de guerra

Plínio Ribeiro Jr., de Berlim

É na região de Potsdamer Platz que se concentra a maior parte das sessões do Festival de Berlim. Ali na esquina, junto à saída do U-bahn, avistam-se duas placas : "Martin-Gropius-Bau 450m" e "Topographie des terrors  700m". O primeiro lugar, o museu de arquitetura no estilo renascentista inaugurado em 1881, abriga, durante o festival o "European Film Market". A fachada traz ainda algumas sinais deixados no edifício durante a Segunda Guerra: marcas de balas, além da ausência das cabeças das duas estátuas que ornam a entrada principal. À esquerda do edifício, resta um pedaço do que foi o Muro de Berlim, além das indicações rumo ao segundo lugar, indicado na placa junto à saída do metrô.
 
"Topographie des terrors" é o memorial que fica justamente na região onde se localizavam todas as instituições responsáveis pela barbárie e pelas atrocidades perpetradas durante o governo de Hitler. Um museu está sendo finalizado, mas ao longo dos alambrados existem inúmeros paineis que retratam em detalhes as consequências de tudo o que foi planejado nos edifícios antes existentes naquela zona.
 
Uma caminhada atenta nestes lugares, mais do que mero interesse histórico, foi uma escolha para mergulhar na(s) temática(s) que estariam presentes em todos os filmes que eu veria naquele dia. O primeiro deles, o excelente documentário A film unfinished, parte da mostra Panorama Dokumente. A partir de imagens originalmente feitas a mando de oficiais nazistas para um filme-propaganda que nunca foi finalizado, a diretora israelense Yael Hersonski traz à tona instantâneos da realidade por trás dos muros do Gueto de Varsóvia. Quem vai hoje à capital polonesa encontra apenas um pequeno pedaço do muro original. Além disso, marcas no asfalto em algumas partes da cidade indicam os seus limites, mas nada que possa se comparar ao que se vê no filme apresentado em Berlim.
 
O fio condutor da obra de Yael teve uma relação intrínseca com a escolha ética feita pela diretora, de não "reciclar" a humilhação sofrida pelos judeus. Assim sendo, apesar da dureza do que se vê, em momento algum sente-se um uso gratuito do material de base. As filmagens feitas pelos nazistas duraram cerca de 30 dias e ocorreram em maio de 1942, quando as condições de vida no gueto, criado em outubro de 1940, já eram deploráveis. Menos de um ano depois, todos os habitantes seriam deportados para o campo de Treblinka, situado a 80 km de Varsóvia. Não há registros do projeto original dessas imagens, mas elas podem ser classificadas em duas categorias: de um lado, filmou-se a extrema miséria que permeava o dia-a-dia no gueto. De outro, os nazistas davam instruções e criavam verdadeiras encenações nas quais viam-se judeus levando uma vida ‘normal’, que poderia ser quase interpretada como ‘luxuosa’, considerando-se as privações dos tempos de guerra. A partir desta dicotomia, acredita-se que os nazistas tinham como intenção convencer a opinião pública de que havia judeus que ainda levavam uma vida de luxo e que estes pouco se importavam com a situação dos demais, que viviam na miséria.
 
A film unfinished apresenta estas imagens intercaladas por trechos de diários mantidos por aqueles que viveram aquela realidade. Mais impressionante, ainda, há relatos de sobreviventes do gueto que lembram com detalhes da presença dos cineastas e das imagens feitas por estes. No debate com os espectadores, Yael Hersonski ressaltou a importância de resgatar-se a sensibilidade do olhar, não apenas acerca das atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra já que, hoje, "somos bombardeados por imagens que desumanizam a miséria".
 
O segundo filme do dia foi o japonês Caterpillar, concorrente ao Urso de Ouro, dirigido por Koji Wakamatsu, que rendeu o Urso de Prata de interpretação feminina à atriz Shinobu Terajima. O filme desenvolve-se a partir da volta ao lar do soldado Kurokawa, condecorado como heroi nacional, mas sem braços nem pernas. Shinobu interpreta Shigeko Kurokawa, mulher do soldado que, depois do choque inicial, vai ter que arcar com o seu papel de esposa exemplar.
 
Antes de tudo, é um filme sobre as consequências da guerra num plano mais intimista, simbolizado pela interação do casal. Se antes a pressão social fazia com que Shigeko se calasse diante dos acessos de violência do marido, agora ela se vê diante deste marido totalmente dependente, afetado pelos traumas que traz da guerra, e de uma cobrança por parte da família e dos habitantes do vilarejo onde vivem para que ela esteja à altura do que se espera da esposa de um heroi.
 
As filmagens duraram apenas doze dias neste filme que transita com maestria entre os aspectos sociais e pessoais do que representou a Segunda Guerra para os japoneses. Se, de um lado, o nacionalismo era insuflado por todos os canais possíveis, por meio de mensagens difundidas pelo rádio ressaltando que "uma missão cumprida vale mais do que a vida de um soldado", de outro lado a população via-se confrontada com uma realidade cada vez mais difícil, marcada pela falta de alimentos e incertezas sobre o futuro. Koji Wakamatsu, que esteve no Líbano em 1982, em plena guerra civil, disse que quis fazer um filme contra a guerra por seu potencial de destruir a natureza humana.
 
Para encerrar o dia, houve a projeção da recém-restaurada versão de Nuremberg : its lesson for today, do diretor Stuart Schulberg. O filme retrata o julgamento dos 24 membros do Terceiro Reich capturados pelas forças aliadas, processo que durou de 20 de novembro de 1945 a 1° de outubro de 1946. O objetivo original do projeto era, além de servir como documento para a posteridade, mostrar à opinião pública alemã da época que os líderes nazistas tiveram um julgamento justo.
 
O projeto do restauro, coordenado pela filha de Stuart, Sandra Schulberg, e realizado graças a um financiamento holandês, permitiu a recuperação dos negativos, que já estavam em estado de deterioração, além de um resultado sonoro muito superior à primeira versão, já que foram usadas as gravações originais que se encontram em poder do governo dos Estados Unidos. E como diz o procurador do processo de Nuremberg, Robert H. Jackson : "Deixemos Nuremberg permanecer como uma advertência a todos que planejem e financiem guerras".
 
 
Lugares históricos de Berlim mencionados :
 
Martin-Gropius-Bau
 
Topographie des terrors


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança