35ª Mostra Internacional de Cinema

Sobrinha de companheira de Marighella relata vida do guerrilheiro em documentário

Alysson Oliveira

“O Carlos Marighella é uma figura complexa. Não é à toa que virou um mito. E todos, até aqueles que não concordavam com os pensamentos dele, o respeitam”. É assim que a diretora Isa Grispum Ferraz define o personagem de seu documentário, Marighella, que faz parte da programação da 35ª Mostra. Sobrinha de Clara Charf, última companheira do guerrilheiro, para a diretora fazer esse filme era resolver uma ansiedade pessoal que a perseguia há anos.
 
“Em meados da década de 1980 eu consegui aprovação numa lei de captação, mas não consegui dinheiro para fazer o filme. O tema ainda era muito explosivo para aquela época, e ninguém quis investir”, disse em entrevista ao Cineweb. Em duas décadas e meia, Isa teve tempo para amadurecer o projeto e rever o roteiro. No entanto, a documentarista tinha urgência, pois queria finalizar o filme até 5 de dezembro, quando se comemora o centenário de nascimento de Marighella, morto numa emboscada policial em São Paulo, em 1969.
 
“Desde o começo eu sabia que o filme tinha de ser em primeira pessoa. Eu precisava me apresentar logo no começo como sobrinha dele. Do contrário seria falso. E acho que o documentário deixa claro que esse é o meu recorte do tema. Existem vários, e esse é o meu”. Para contar a história de seu tio, que era um enigma em sua vida, Isa fez entrevistas com sua tia, com o filho de Marighella, Carlos Augusto, o crítico e escritor Antônio Cândido, além de vários ex-guerrilheiros.
 
Para seleção de entrevistados, Isa contou com a colaboração do jornalista e pesquisador Mário Magalhães, que trabalha numa biografia de Marighella. “Eu queria colocar no filme pessoas que conheceram meu tio, que tivessem boas histórias para contar e que fossem articuladas. Fiz cerca de 60 entrevistas e tenho muito material bom. Foi difícil limitar o filme a apenas 90 minutos”.
 
Durante sua pesquisa para a produção, Isa deparou-se com um problema: não havia sequer uma imagem de Marighella em movimento. Encontrou apenas fotos – entre elas, uma famosa foto do guerrilheiro baleado na matinê de um cinema, em maio de 1964. Mas o que mais a surpreendeu foi os componentes da ideologia do tio, pois na época era pequena demais para entender. “Ele era um homem muito à frente de seu tempo. Tinha pensamentos modernos em relação ao feminismo, divórcio e religião”.
 
A cineasta descobriu que ele recebeu apoio inclusive de intelectuais europeus, como o cineasta suíço Jean-Luc Godard e o filósofo francês Jean-Paul Sartre. “Eu encontrei um filme feito pelo Chris Marker sobre ele [Falamos de Brasil: Carlos Marighella, de 1970]. Esse cineasta é meu ídolo, e foi emocionante”.
 
A montagem do documentário Marighella, assinada por Vania Debs, é amarrada habilmente por um poema que ele escreveu quando era estudante em Salvador, como resposta a uma prova de física. A narração é feita pelo ator Lázaro Ramos, cuja disponibilidade Isa confessa ter esperado por um ano.
 
Antes do lançamento em cinema – previsto para o próximo ano –, Isa pretende realizar uma sessão em Salvador, cidade natal de Marighela, no dia de seu aniversário (5 de dezembro) e diz que dedica o filme à tia, que viu o longa pela primeira vez no Festival do Rio, em setembro. “Quando acabou a sessão, ela ficou uns 5 minutos sem falar nada. O filme é um presente para ela, que é um anjo guerreiro”.
 
Os planos para o próximo ano são, além de levar o documentário para o circuito comercial, promover sua circulação: “Quero muito que seja visto por jovens, em escolas, e debatido. Acho que uma das funções do longa é trazer a figura de Marighella para as gerações que não o conheceram.”
 
MARIGHELLA (MARIGHELLA), de Isa Grinspum Ferraz. (100’). Livre.
CINEMA SABESP - 31/10/2011 - 16:30 - Sessão: 841 (Segunda)
UNIBANCO ARTEPLEX 2 - 03/11/2011 - 15:30 - Sessão: 1098 (Quinta)

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança