35ª Mostra Internacional de Cinema

Duas vezes com “Laranja mecânica”

Alysson Oliveira

Quarenta anos exatos de seu lançamento, Laranja mecânica ainda é assustador. A visão do futuro de Stanley Kubrick e do escritor Anthony Burgess que, no começo dos anos de 1970 poderiam até parecer exageradas, concretizam-se a cada dia no presente século XXI. Esqueça o figurino retrô e a trilha sonora eletrônica e concentre-se no ser humano e nas relações entre as pessoas – está nisso a atualidade do filme.
 
Alex, seu protagonista, é jovem e líder de um bando de delinqüentes, cujo passatempo
preferido é beber leite num bar, estuprar mulheres indefesas e bater em velhinhos. É o que ele chama da boa e velha ultraviolência. O protagonista é vivido brilhantemente pelo inglês Malcolm McDowell, que acabara de fazer If..., de Lindsay Anderson – um filme, aliás, que trava um diálogo muito interessante com o de Kubrick, ao falar da alienação e rebeldia juvenil.
 
A 35ª Mostra traz Laranja mecânica em cópia restaurada, que foi exibida no Festival
de Cannes, em maio passado. É uma oportunidade rara de ver o filme na tela grande,
especialmente sem as risíveis bolinhas negras que cobriam as genitálias dos atores em cenas de nu, na versão que circulou no Brasil nos tempos da censura e da ditadura militar.
 
O complemento ideal para o filme de Kubrick é o documentário Era uma vez... Laranja
mecânica, de Antoine de Gaudemar, que também foi exibido em Cannes, e disseca o longa de ficção contando com depoimentos de pessoas envolvidas na produção – como a viúva de Kubrick, Christiane Kubrick, o cunhado do diretor e produtor do longa, Jan Harlan - que virá para a Mostra -, além de estudiosos, como a psicanalista Elisabeth Roudinesco, e depoimentos de arquivo do próprio Kubrick e do autor do romance original, Anthony Burgess, morto em 1993.
 
O documentário vai além de ser uma coleção de trivialidades sobre Laranja mecânica. As análises sociológicas, filosóficas e cinematográficas do longa agregam novos valores de compreensão, e jogam uma luz interessante sobre a atemporalidade do filme de Kubrick, que chegou a tirá-lo de cartaz na Inglaterra em 1972, após uma série de crimes que a imprensa relacionava ao longa e que resultaram em ameaças de morte ao diretor e sua família.
 
Ver lado a lado Laranja mecânica e Era uma vez... Laranja mecânica é uma chance de
redescobrir, por outro prisma, um filme que, desconfia-se, é mais comentado do que visto – embora esteja disponível em DVD há anos. As duas obras levantam bons argumentos na velha discussão se cinema, literatura, videogame são tão fortes a ponto de influenciar pessoas a cometer crimes.
 
ERA UMA VEZ...LARANJA MECÂNICA
 
UNIBANCO ARTEPLEX 3 - 22/10/2011 - 19:30 - Sessão: 115 (Sábado)
 
CINE LIVRARIA CULTURA 2 - 23/10/2011 - 21:00 - Sessão: 219 (Domingo)
 
CINEMA SABESP - 24/10/2011 - 23:30 - Sessão: 254 (Segunda)
FAAP - 25/10/2011 - 19:00 - Sessão: 369 (Terça)
 
LARANJA MECÂNICA
 
CINESESC - 22/10/2011 - 22:10 - Sessão: 90 (Sábado)
 
CINESESC - 24/10/2011 - 17:30 - Sessão: 257 (Segunda)
 
UNIBANCO ARTEPLEX 2 - 02/11/2011 - 20:40 - Sessão: 1029 (Quarta)

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança