Mostra Mulheres Mágicas


Mostra "Mulheres Mágicas" discute a figura da bruxa com filmes e debates

Da bruxa má dos contos de fadas a símbolo do movimento de afirmação feminina, a figura da bruxa em toda sua complexidade inspira a mostra Mulheres Mágicas, Reinvenções da Bruxa no Cinema, que acontece de 9 a 20 de março, no Centro Cultural Banco do Brasil Brasília. No CCBB-SP, a mostra está marcada para entre os dias 11 e 28 de março. No CCBB- RJ, de 13/4 a 9/5.

O Mágico de Oz
 
Com curadoria da pesquisadora Carla Italiano, serão exibidos 25 filmes – 13 longas e 12 curtas-metragens – de vários países e gêneros, com destaque para obras de realizadoras mulheres. Para aprofundar o tema, será realizado um ciclo de debates on-line com convidados(as) nacionais e internacionais e uma masterclass com a célebre feminista italiana Silvia Federici. Haverá ainda sessão infantil e sessão com acessibilidade, além da exibição de um recorte da programação on-line. A classificação indicativa vai de livre a 16 anos – confira os detalhes na programação. Para as exibições presenciais, haverá cobrança de ingressos a R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). A programação on-line é inteiramente gratuita.
 
Na sessão de abertura, na quarta-feira, 9 de março, às 19h30, será exibido o filme Suspiria, de 1977, um clássico do terror, uma das obras cult do cineasta italiano Dario Argento. A sessão será apresentada pela pesquisadora Lila Foster e a curadora da mostra Carla Italiano.
 
A mostra terá ainda exibição ao ar livre da obra-prima O Mágico de Oz, de Victor Fleming, 1939, para toda a família.

Suspiria
 
Eixos temáticos
 
Ao longo de 11 dias de programação, serão exibidos 25 filmes de várias épocas, de vários gêneros (ficção, documentário, experimental e performance) e de muitos países – Islândia, Nigéria, Dinamarca, República Tcheca, Síria, Zâmbia, França, Itália, EUA e América Latina. Os títulos foram agrupados em dois eixos temáticos. De um lado, os principais estereótipos que formam o arquétipo da bruxa no cinema, contendo obras clássicas de mestres do cinema; e do outro, os contrapontos de reinvenção dessa figura por cineastas mulheres e perspectivas não ocidentais, apresentando uma visão "decolonial", que coloca em evidência as intersecções de gênero, raça e classe social que incidem sobre essas representações. 
 
Partindo do livro “Calibã e a bruxa”, da pensadora Silvia Federici, que ministrará uma masterclass virtual durante a programação, a mostra investiga como esses diferentes corpos e heranças femininos foram elaborados pelo cinema.

A bruxa do amor
 
A curadoria se divide em dois eixos. O primeiro irá revisitar a iconografia clássica das bruxas no cinema ocidental: os contos de fadas, as releituras históricas da caça às bruxas medieval, as mulheres monstruosas do cinema de horror, a hiper sensualidade. Este eixo contará com filmes como O Mágico de Oz (1939), e produções de diretores renomados como o dinamarquês Carl Theodor Dreyer, o italiano Dario Argento e o estadunidense George A. Romero.
 
Um segundo eixo vai apresentar contrapontos de reinvenção dessa figura, com destaque para uma perspectiva abrangente, rompendo com a visão colonialista. Deste segmento fazem parte os contos de "bruxas", em releituras dos contos de fada tradicionais; as mulheres que se autodeclaram feiticeiras contemporâneas; e obras marcadas por sensibilidades negras afrodiaspóricas ou que trazem saberes de tradição indígena. Neste eixo estão produções assinadas por diretoras importantes do cinema mundial como a ucraniana Maya Deren, as estadunidenses Julie Dash e Kasi Lemmons, a francesa Camille Ducellier e a diretora do Zâmbia Rungano Nyoni.
 
Lista completa de filmes
 
1. O Reino das fadas (Le royaume des fées), George Méliès (1903, França, 16') | Livre
 
2. Häxan - A feitiçaria através dos tempos, Benjamin Christensen (1922, Suécia, 105') | 12 anos
 
3. O Mágico de Oz (The Wizard of Oz), Victor Fleming (1939, EUA, 101') | Livre
 
4. Dias de Ira (Day of Wrath), Carl Th. Dreyer (1943, Dinamarca, 98') | 12 anos
 
5. The Witch's Cradle, Maya Deren (1943, EUA, 12') | Livre
 
6. Sortilégio do Amor (Bell, Book and Candle), Richard Quine (1958, EUA, 106') | 12 anos
 
7. A Máscara do demônio (Black Sunday), Mario Bava (1960, Itália, 87') | 14 anos
 
8. O Martelo das Bruxas (Witches' Hammer), Otakar Vávra (1969, República Tcheca, 102') | 14 anos
 
9. Temporada das bruxas (Season of the Witch/Hungry Wives), George A. Romero (1972, EUA, 104') | 14 anos
 
10. A dupla jornada, Helena Solberg (1975, Argentina/Bolivia/México/Venezuela, 53') | Livre
 
11. Transformations, Barbara Hirschfeld (1976, EUA, 9') | Livre
 
12. Suspiria, Dario Argento (1977, Itália, 98') | 16 anos
 
13. A Árvore de Zimbro (The Juniper Tree), Nietzchka Keene (1990, Islândia/EUA, 78') | 12 anos
 
14. Praise House, Julie Dash (1991, EUA, 28') | Livre
 
15. Amores Divididos (Eve's Bayou), Kasi Lemmons (1997, EUA, 110') | 14 anos
 
16. Feiticeiras, minhas irmãs (Sorcières, mes soeurs), Camille Ducellier (2010, França, 31') | 14 anos
 
17. Olá, Rain (Hello, Rain), C.J. Obasi (2014, Nigéria, 30') | 12 anos
 
18. La Cabeza Mató a Todos, Beatriz Santiago Muñoz (2014, Porto Rico, 8')  | Livre
 
19. A Bruxa do Amor (The love witch), Anna Biller (2016, EUA, 120') | 14 anos
 
20. Borderhole, Nadia Granados e Amber Bemak (2017, EUA/Colômbia, 14')  | 16 anos
 
21. Eu não sou uma bruxa (I am not a witch), Rungano Nyoni (2017, Zâmbia/Reino Unido, 93')  | 12 anos
 
22. Boca de Loba, Bárbara Cabeças (2018, Brasil, 19') | 14 anos
 
23. Quem tem medo de ideologia? - Parte 2 (Who is afraid of ideology?), Marwa Arsanios (2020, Líbano/Síria, 38') | 12 anos
 
24. Amarração, Hariel Revignet (2020, Brasil, 7')  | 14 anos
 
25. Kaapora - o chamado das matas, Olinda Yawar Muniz Wanderley (2020, Brasil, 21')  | 12 anos
 
Atividades on-line
 
Para ampliar a reflexão sobre o tema, as exibições presenciais serão acrescidas de uma ampla programação on-line, totalmente gratuita, com debates temáticos, reunindo convidados de relevância nacional, no canal YouTube da mostra, e disponibilização de títulos para visualização on-line no site da mostra. O ciclo completo de atividades on-line terá oito debates, entre março e abril de 2022, além de dois eventos internacionais: a masterclass on-line com a escritora ítalo-americana Silvia Federici, em abril de 2022; e a conferência com a pesquisadora portuguesa Teresa Castro, em março de 2022.
 
. 12 de março (sábado) – 16h
O início das atividades on-line contará com a conferência “Reinvenções da bruxa no cinema”. Contando com tradução em libras, a conversa reunirá a professora Roberta Veiga (UFMG) e as coordenadoras da mostra Carla Italiano e Tatiana Mitre.
 
. 15 de março (terça) – 19h30
Será realizado debate on-line sobre “Caça às bruxas medieval: releituras históricas”, reunindo a pesquisadora Gabriela Müller Larocca (PR), o pesquisador Leonardo Amaral (MG) e a crítica Glênis Cardoso (DF/ Verberenas).
 
. 20 de março (domingo) – 16h
No dia 20 de março, no encerramento da mostra em Brasília, uma mesa on-line terá como convidadas a pesquisadora Letícia Bispo (DF), a professora Milene Migliano (UFRB) e a cineasta indígena Olinda Muniz Wanderley - Yawar, discorrendo sobre o tema “Reencantar o mundo: a bruxa e as perspectivas decoloniais”.
 
. 22 de março (terça) - 19h30
A mesa “Mulheres monstruosas e cinema de horror”, contará com tradução em libras e participação da professora Laura Cánepa (Anhembi Morumbi) e da crítica e pesquisadora Yasmine Evaristo (MG). Mediação de Camila Macedo (PR)
 
. 26 de março (sábado) - 15h30
Realização de conferência internacional sobre “O retorno das feiticeiras”.  Uma conversa com Teresa Castro (professora de Paris 3 - Université Sorbonne Nouvelle). Com tradução em libras.
 
. MASTERCLASS
9 de abril (sábado) - 16h
Masterclass internacional com a pensadora e escritora Silvia Federici (EUA - autora de ‘Calibã e a bruxa’). Mediação da curadora Carla Italiano. Com tradução simultânea e tradução em libras.
 
. 19 de abril (terça) - 19h
Encerrando as atividades on-line, a mesa “Esses corpos insubmissos”, reunirá a realizadora Noá Bonoba (CE), a crítica Lorenna Rocha (PE) e a professora Ramayana Lira (UNISUL). Tradução em LIBRAS.
 
 
EXIBIÇÕES ON-LINE
Disponíveis no site www.mulheresmagicas.com.br

Programação completa: bb.com.br/cultura

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança