Celulóide Digital

A lista dos melhores filmes, do ano e da década

Por Neusa Barbosa em 23/12/2010

Fim de ano, hora de balanço. E de sofrimento. Embora 2010, ao que parece, não tenha sido particularmente brilhante – especialmente para a ficção no cinema brasileiro, com honrosas exceções – , é sempre duro fechar uma lista com apenas 10 melhores, como costuma ser a praxe.
 
Enfim, me matei em cima dos lançamentos e fechei esta lista abaixo, já deixando de fora uma série de menções de filmes que acho também extraordinários – mas alguma prioridade a gente tem que dar, então, lá vai:
 
A fita branca, de Michael Haneke  
 
O profeta, de Jacques Audiard  
 
Abutres, de Pablo Trapero  
 
Minha terra, África, de Claire Denis
 
Viajo porque preciso, volto porque te amo, de Karim Ainouz e Marcelo
Gomes  
 
O sol do meio-dia, de Eliane Caffé  
 
Vincere, de Marco Bellocchio  
 
A estrada, de John Hillcoat  
 
Aproximação, de Amos Gitai  
 
Um homem que grita, de Mahamat Saleh Haroun  
 
 
Lembrados, lembradíssimos: O homem que engarrafava nuvens, de Lírio Ferreira; Só dez por cento é mentira, de Pedro Cezar; Almas à venda, de Sophie Barthes; O grão, de Petrus Cariry; José e Pilar, de José Gonçalves; Tropa de Elite 2, de José Padilha; Meu Mundo em Perigo, de José Eduardo Belmonte; Terra deu, terra come, de Rodrigo Siqueira; A Origem, de Christopher Nolan.   
 
 
Pior ainda, me senti na obrigação de me arriscar a também fechar uma lista dos meus preferidos da primeira década do século. Coisa de louco!! Achei 10 muito pouco, cheguei aos 30. Então, vai ficar muita coisa que amo de fora, porque não dá para colocar 1.000 filmes, aí não vale...
 
Falando de década, a responsabilidade aumenta, porque tentei mesmo pensar quais filmes marcaram, sintetizaram o espírito da época, foram inovadores, polêmicos no melhor sentido e... ficaram. Para mim, pelo menos.
 
Ficou assim:
 
A questão humana, de Nicolas Klotz  
Santiago, de João Moreira Salles
Serras da desordem, de Andrea Tonacci  
A criança, de Jean-Pierre e Luc Dardenne  
Fale com ela, de Pedro Almodóvar  
O invasor, de Beto Brant
Amantes constantes, de Philippe Garrell  
O mundo, de Jia Zhang-ke  
Meu nome é Joe, de Ken Loach
Dez, de Abbas Kiarostami
Arca Russa, de Alexander Sokurov
Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho
Cidade de Deus, de Fernando Meirelles
Cartas de Iwo Jima, de Clint Eastwood
A vida dos outros, de Florian Henckel Von Donnesmarck
Dolls, de Takeshi Kitano
Bom dia, noite, de Marco Bellocchio
Medos privados em lugares públicos, de Alain Resnais
Um filme falado, de Manoel de Oliveira
Não estou lá, de Todd Haynes
Depois da vida, de Hirokazu Kore-eda
Dogville, de Lars von Trier
A última noite, de Robert Altman
Os sonhadores, de Bernardo Bertolucci
Nossa música, de Jean-Luc Godard
Império dos Sonhos, de David Lynch
Luz Silenciosa, de Carlos Reygadas
Os catadores e eu, de Agnès Varda
Diários de Motocicleta, de Walter Salles
O homem que não estava lá, de Joel e Ethan Coen
 
Nem bem acabei, já me lembro de Paul Thomas Anderson e de seus essenciais Magnólia e Sangue Negro. Sem contar todos os filmes sensacionais que passaram na Mostra SP (caso da minissérie Carlos, de Olivier Assayas, e do magnífico Mistérios de Lisboa, de Raul Ruiz) e outros festivais, e também no circuito alternativo (como o CCBB-SP, que teve Ozu, Hou Hsiao Hsien e logo terá Michael Powell e Emeric Pressburger).
 
Então, é isso aí. Convido os leitores a comentarem, criticarem e mandarem também as suas listas.
Que o amor pelo cinema nos inspire!

Comente
Comentários:
  • 24/12/2010 - 12h05 - Por abel de carvalho raposo como o ano foi muito ruim pro cinema vou colocar a da decada espero que goste.1-dogville,2-maria antonieta,3-batman o cavaleiro das trevas,4-brilho eterno de uma mente sem lembrança,5-oldboy,6-fita branca,7-plata queimada,8-requiem para um sonho,9-cidade de deus,10-tropa de elite.impossivel de fazer so dez ficam mais de trinta fora.
  • 24/12/2010 - 13h05 - Por Neusa Barbosa Concordo, Abel, 10 é pouco !!!!!!! Gostei da sua lista: Adoro Batman, Brilho Eterno, Oldboy, Plata Quemada e Réquiem (todos "bateram na trave" da minha lista).

    bjs

    Neusa
  • 31/12/2010 - 19h05 - Por Otávio Poxa, Neusa, sério, gosto muito das suas críticas e aprecio muito seu gosto para filmes.

    Digo "seu gosto" pois, embora seja inegável que, assim como beber vinho, se aprende a ver filme com a própria prática (e estudo! rs), existe sempre aquela dimensão bastante pessoal, relacionada à nossa história de vida etc, que influi no modo como qualquer pessoa aprecia a arte. E normalmente os filmes que você gosta e vejo eu tbm gosto!

    E sua lista é muito boa! Vi listas de criticos aí com Colateral no meio rs. Só podem estar de brincadeira!!! rs

    Eu só faria algumas mudanças (dos filmes que eu conheço da lista):

    1. Trocaria "Cartas de Iwo Jima" por "Gran Torino", "Império dos Sonhos" por "Cidade dos Sonhos" e "Diários de Motocicleta" por "Abril Despedaçado".
    2. Colocaria:
    "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças"
    "Sangue Negro", que você observou (ah, Magnólia acho que é de 99... Essa culpa você não precisa carregar. rs)
    "Réquiem para um Sonho"
    "Dançando no Escuro"
    "Ninguém pode Saber"
    E assim, eu preciso fazer alguma menção ao Alejandro G. Iñarritú, pois aprecio muito as narrativas entrelaçadas dele, então colocaria "Amores Brutos".
    Ah, e eu também colocaria algum hollywood no meio, não sei se Senhor dos Anéis ou o Batman, como o amigo acima.

    Feliz ano novo Neusa!!
  • 02/01/2011 - 16h09 - Por Neusa Barbosa Oi Otávio:

    O seu gosto, realmente, bate muito com o meu, pelo visto.

    Eu adoro "Gran Torino"(aliás, esta foi uma superdécada para o querido Clint!), mas prefiro ainda "Cartas de Iwo Jima", por achar que foi uma façanha maior ele, como americano, conseguir colocar tão bem na tela o lado dos japoneses. Coisa de mestre.

    Adoro todos os que você mencionou: Cidade dos Sonhos, Abril Despedaçado, Réquiem para um Sonho, Dançando no Escuro e Ninguém pode saber.

    Concordo que Iñárritu precisa ser mencionado. Dele, eu gosto muito de Babel, Amores Brutos e também 21 Gramas.

    No caso dos "hollywood", como vc diz,eu prefiro Batman a Senhor dos Aneis. Só por um motivo: acho a trilogia Senhor dos Aneis esticada demais em 3 filmes e me incomoda o militarismo da história, me parece excessivo.

    Feliz Ano Novo pra vc também, Otávio, e que 2011 traga os melhores filmes para nós todos!

    abraço

    Neusa
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança