Perfis

O menino prodígio chega à maturidade

Publicado em 07/02/03 às 20h56

imagem Um dos maiores ídolos de meninas e meninos de todo o mundo, Leonardo DiCaprio, percorreu um curto, porém intenso, caminho para o estrelato. A irrequieta criança que, aos três anos, foi convidada a deixar os estúdios de seu programa favorito por ter um comportamento incontrolável, começou como um dos mais promissores atores de sua geração.

"Sempre escolhi meus papéis de acordo com minha idade e meu jeito de ser", declarou em entrevista recente. Ainda adolescente, estreou no filme Criaturas 3 (Critters 3, 1991), uma produção de terror trash que foi lançada direto em vídeo. Mas logo a seguir interpretou o enteado de Robert De Niro em Despertar de um Homem (This Boy´s Life, 1993), papel conseguido após disputar com outros 400 garotos. Enfrentar de igual para igual um dos monstros sagrados do cinema americano rendeu-lhe não só o reconhecimento da crítica como também uma campanha, feita pela New York Film Criticse pela National Society of Film Critics, para que fosse indicado ao Oscar. O próprio De Niro, aliás, também não lhe poupou elogios.

Apesar do rosto angelical, que parece não sentir a passagem do tempo, o ator, filho de mãe descendente de alemães e pai ítalo-americano, não se apoiou apenas na beleza para escolher sua profissão. Investindo desde os tempos de colégio em sua formação como ator, Leonardo - que recebeu este nome após chutar a barriga da mãe enquanto ela admirava uma pintura do outro Leonardo, o Da Vinci - sempre pautou sua escolhas de papéis que fugiam à regra hollywoodiana imposta aos jovens intérpretes - personagens românticos em filmes recheados de clichês. Ainda em 1993, ganha o papel de um jovem com problemas mentais, irmão de Johnny Depp em Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador (What´s Eating Gilbert Grape, de Lasse Hallström), que lhe valeu sua primeira indicação ao Oscar e ao Globo de Ouro como melhor ator coadjuvante.

O ano de 1995 foi de muito trabalho. Ele viveu o fanfarrão e carente filho de Gene Hackman no western psicológico de Sam Raimi, Rápida e Mortal (The Quick and the Dead), onde disputava não só um torneio de pistoleiros com ninguém menos do que Sharon Stone, mas também seu coração. Em contrapartida, atuou no controvertido Eclipse de uma Paixão (Total Eclipse), como o poeta homossexual Rimbaud - fracasso de bilheteria, mas cujas ousadas cenas de sexo renderam muitos comentários nas colunas de fofocas em todo o mundo. Seu papel mais intenso, neste ano, foi o do jovem sensível e rebelde de Diário de um Adolescente (The Basketball Diarie), um viciado em drogas que tenta se libertar através do basquete e dos poemas que escreve compulsivamente.

Leonardo transformou-se num fenômeno internacional após dois filmes: a releitura da obra do bardo inglês, Romeu + Julieta de William Shakespeare (William Shakespeare`s Romeo and Juliet, 1996), direção de Baz Luhrmann, e Titanic (1997), a megaprodução de James Cameron, que levou 11 Oscar das 14 indicações - o ator não foi indicado. Apesar dos números recordes de bilheteria no mundo todo, Leonardo não se entusiasma muito quando fala desta produção: "Não quero parecer ingrato, mas este não era um papel que eu quisesse fazer. E nunca quis também toda esta notoriedade", declarou o ator. Não é difícil compreender este estado de espírito do jovem ator diante do megasucesso de Titanic. Se por um lado alçou-o ao estrelato e elevou seu cachê para a casa dos US$ 20 milhões de dólares por filme, também acabou com toda e qualquer privacidade. Hoje, onde quer que ele vá, seus fãs causam tumulto na luta por aproximar-se dele. No intervalo entre Romeu+Julieta e Titanic, voltou a trabalhar num filme que exigiu bem mais empenho dramático, tendo uma excelente atuação em As Filhas de Marvin (Marvin`s Room, 1996), ao lado de Meryl Streep, Diane Keaton e Robert De Niro.

Funcionou como uma verdadeira ironia com a própria fama sua interpretação de um astro de cinema arrogante e encrenqueiro na comédia de Woody Allen, Celebridades (Celebrities, 1998). Mas a verdade é que filmou esta participação antes do estouro de Titanic. Apenas o lançamento do filme de Allen veio depois do filme de Cameron. Neste mesmo ano, participou de outra produção, muito maior e bem mais comercial, O Homem da Máscara de Ferro (The Man in the Iron Mask), baseada na obra de Alexandre Dumas. O filme foi sucesso entre suas fãs teens, que lotaram os cinemas sem talvez mesmo saber quem eram os mosqueteiros defensores do jovem rei da França, interpretados por veteranos consagrados como Jeremy Irons, Gabriel Byrne, John Malkovich e Gérard Depardieu.

Alternando a aclamação da crítica com sucessos comerciais e projetos polêmicos, Leonardo foi o protagonista de A Praia (The Beach, 1999), conturbada e comercialmente fracassada adaptação do livro de Alex Garland. Em seguida, fez uma ponta no independente Don´s Plum (2001), com elenco encabeçado com o até então pouco conhecido Tobey Maguire (Homem-Aranha), produção da qual se recusa a fazer comentários - na verdade, ele até tentou impedir o lançamento do filme. Embora por motivos bem diferentes, também não foi tranqüila a produção do épico de Martin Scorsese, Gangues de Nova York (Gangs of New York, 2002), na qual interpreta um jovem órfão em busca de vingança na Nova York dos tempos da Guerra de Secessão. Após estourar várias vezes o orçamento, comenta-se que tanto Scorsese quanto DiCaprio tiveram que reduzir seus cachês para que o filme fosse concluído. O ator não comenta o assunto.

Para quem nasceu num decadente bairro de Los Angeles, filho de um autor e comerciante de histórias em quadrinhos, Leonardo percorreu uma trajetória vitoriosa, de verdadeiro menino-prodígio do cinema. Inteligente, sempre participou de produções ao lado de grandes atores e/ou grandes diretores. Como estar ao lado de Tom Hanks na produção de Steven Spielberg, Prenda-me se For Capaz (Catch me if You Can, 2002), ou poder interpretar o filho de Nicole Kidman sob a direção de Baz Luhrmann em Alexandre, o Grande, Leo sempre se mantém sob os holofotes.

Curiosidades:
Família: George e Imelin DiCaprio (pais), Adam Farrar (meio-irmão)
Apelidos: Leo ou "The Noodle" (talharim)
Ex-namorada: a modelo brasileira Gisele Bündchen
Prêmios: Festival de Berlim - Melhor ator (1997) pelo filme Romeu + Julieta de William Shakespeare; Troféu da Nova Geração da Associação dos Críticos de Los Angeles (1993) pelo filme Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador.

Cineweb-7/2/2003

Ana Vidotti


Outros perfis