Notícias

Mostra Século XXI une mostra de filmes e debates sobre mulheres no RJ e SP

Publicado em 30/08/18 às 14h39

A partir de 3 de setembro no Rio de Janeiro e 12 de setembro em S. Paulo, o evento Século XXI:Mulheres, Ação! quer ampliar o debate sobre o que é ser mulher no cenário atual. Idealizado pela produtora e curadora de festivais de cinema Andréa Cals, o evento reúne uma mostra de filmes de curta e longa-metragem e debates sobre o protagonismo feminino. Toda a programação é gratuita. 
 
Serão exibidos nove filmes – oito inéditos - do acervo do instituto feminista Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir, de Paris, dos quais, quatro produzidos na França, uma co-produção com a África do Sul, duas com a Suíça e uma com a Alemanha.  Além dos internacionais, estão na programação 25 filmes brasileiros, todos potentes em suas temáticas feministas.
 
Na abertura, será exibido o premiado Baronesa, um híbrido entre os gêneros documentário e ficção, longa de estreia da diretora mineira Juliana Antunes, retratando duas amigas não atrizes que simulam o seu dia-a-dia numa comunidade do subúrbio belo horizontino. Antes, o frescor de uma nova geração de artistas sul-africanos, aqui representado pelo primeiro filme de Thembela Dick, com seu curta-metragem Thokozani Football Club: Team Spirit, sobre o pequeno time de futebol de um vilarejo, composto de lésbicas negras, que batizaram seu time em homenagem a Thokozan Qwabe, uma jovem jogadora negra lésbica, vitima de crime de ódio, em 2007.
 
 
A curadoria dos filmes brasileiros é de Flavia Candida e Andréa Cals, que também assina a seleção dos filmes franceses junto com Nicole Fernández Ferrer, diretora do Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir, que virá ao Brasil exclusivamente para participar do evento com palestra, com o apoio do Consulado da França e do Institut Français.
 
Mostra de filmes
 
A seleção de filmes brasileiros reúne desde o novíssimo Chega de Fiu-Fiu, de 2018, como o Sou feia mas tô na moda, produção de 2005, o premiado teen Mate-me por favor, de Anita Rocha da Silveira, de 2015 ou ainda Amor Maldito, de Adelia Sampaio, de 1984.
 
Um dos principais parceiros do evento é o Centre Audiovisual Simone de Beauvoir. Situado em Paris, este centro de conservação e produção de audiovisual de mulheres foi criado em 1982 pela atriz Delphine Seyrig, junto com as documentaristas Carole Roussopoulos e Ioana Wieder. Elas formavam o coletivo Les Insoumuses (um trocadilho com a palavra francesa “insoumises”- insurbordinadas), e foram pioneiras na França em utilizar a câmera de vídeo portátil, na realização de suas produções audiovisuais.
Celebrando a parceria, “Século XXI: Mulheres, Ação!” exibirá nove filmes do acervo do CAvSB. As sessões serão nas salas dos três institutos que integram o evento: Cinémaison, Cinemateca do MAM e o Instituto Moreira Salles Paulista.
 
Um dos destaques é o raro Sois belle et tais-toi ! (“Seja bela e cale a boca!”), inédito no Brasil e em cópia restaurada, longa-metragem dirigido pela musa da Nouvelle Vague Delphine Seyrig (1932-1990), conhecida por estrelar O ano passado em Marienbad, um clássico de Alain Resnais, de 1961, considerado até hoje um dos filmes mais importantes do cinema francêes. No documentário, Seyrig entrevista 24 atrizes francesas e americanas, onde comentam o dia-a-dia de suas vidas nos bastidores cinematográficos, seus papéis e relacionamentos com diretores e equipes técnicas. Um relatório coletivo bastante negativo registrado em 1976, mas que encontra ecos em pleno 2018, vide o movimento #MeToo. Algumas atrizes entrevistadas: Jane Fonda, Shirley MacLaine, Marie Dubois, Maria Schneider, Juliet Berto, Patti D'Arbanville, Anne Wiazemsky, Ellen Burstyn e Louise Fletcher. Esse filme será apresentado em única sessão na Cinemateca do MAM/Rio, dia 4 de setembro e no IMS Paulista, nos dias 12 e 16 de setembro.
 
Outro destaque é o filme Audre Lorde, the Berlin Years 1984 to 1992, de Dagmar Schultz, um retrato sobre a poetisa e renomada militante LGBT negra. O filme explora um lado pouco conhecido da vida da escritora, passada na Alemanha um pouco antes e logo depois da queda do Muro de Berlim, e da reunificação alemã. Uma época em que Audre Lorde foi fundamental para o fortalecimento do movimento africano alemão. Esse filme, também inédito no Brasil, terá uma única exibição, no dia 7 de setembro, às 16h, na Cinemateca do MAM/RJ.
 
Também inédito e não menos importante, Portrait de Simone de Beauvoir (Retrato de Simone de Beauvoir), de Alice Schwarzer, nos traz o principal nome do feminismo europeu mostrando a própria casa, sua intimidade, seus bibelôs, ambientes íntimos favoritos e, de quebra, a participação de Jean-Paul Sartre. Sábado, às 18h, na Cinemateca do MAM/RJ.
 
Complementam o programa, Le FHAR – Le Front Homosexuel d'Action Révolutionnaire e Qui a peur des amazones?, de Carole Roussopoulos , Accouche!, de Ioana Wieder e Carole Roussopoulos, Une femme à la caméra, de Emmanuelle de Riedmatten.
 
Homenagem a Adélia Sampaio
 
Primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil, em 1984, Adélia Sampaio já foi inúmeras vezes citada e reverenciada. Mas, cientes das dificuldades que cercam a produção cinematográfica, especialmente para as mulheres negras, o Século XXI: Mulheres, Ação! aumentará as placas de homenagem à pioneira cineasta. Recentemente, foi levantada uma estatística que aponta – até hoje – a ausência da produção negra no cenário audiovisual. O filme de Adélia, Amor Maldito, está na programação, no dia 6 de setembro, às 18h, e a homenagem será logo após a sua exibição.
 
 
Temas de debate
 
 “Chega de Assédio”, “Maternidade: uma escolha”, “Lesbianidade, ação!” e “Protagonismo Negra” são os temas que serão debatidos por 19 mulheres especialistas em suas áreas, como Amanda Kamancheck Lemos (diretora do documentário Chega de Fiu-Fiu, eleita uma das 21 mulheres brasileiras que estão fazendo do país um lugar melhor, pelo Brasil Post / Huffington Post, 2014), Edmeire Exaltação  (cientista social, coordenadora da Casa das Pretas), Giowana Cambrone (advogada e assessora jurídica do programa Rio sem Homofobia), Kenia Maria (escritora e defensora dos Direitos das Mulheres Negras na ONU).
 
Uma grande confraternização no MAM marca o encerramento no Rio, com a batalha de poesia do coletivo Slam das Minas, uma ocupação de mulheres nas áreas externas da Cinemateca e arredores com aulas, trocas de conhecimentos, consultas variadas, piquenique, danças e outras atividades, lembrando os domingos no MAM.
 
 
Em S. Paulo
 
No IMS/SP,  será apresentado, nos dias 12 e 16, um recorte especial da mostra do Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir, apresentando as inéditas obras do coletivo Les Insoumuses: filmes da atriz Delphine Seyrig e das documentaristas Carole Roussopoulos, Iona Wieder e Nadja Ringart, que nos anos 1970 criam o coletivo Les Insoumuses .
 
Destaque para o filme Maso e Miso vão de barco (Maso et Miso vont en bateau, 1976, França), de Carole Roussopoulos, Ioana Wieder,  Delphine Seyrig e Nadja Ringart , filme que só será exibido em São Paulo.
 
Além da exibição dos filmes, a primeira sessão de Sois belle et tais-toi !, no dia 12 de setembro, às 18h30, será seguida de debate com Nicole Fernández Ferrer, diretora do CAv Simone de Beauvoir.

Outras notícias