Notícias

Cinemateca e Cinusp celebram marcos culturais com debates e exibição de filmes

Publicado em 14/11/17 às 17h25

Com curadoria do professor Ismail Xavier e coordenação da Sociedade Amigos da Cinemateca, em parceria com a Cinemateca Brasileira e o Cinusp, acontece de 16 de novembro a 1º. de dezembro em São Paulo a Mostra Brasil em Transe, celebrando 50 anos de marcos culturais importantes, através da exibição e debate de filmes como Terra em Transe, de Glauber Rocha.
 
Abaixo, a programação completa:
 
 
CINEMATECA BRASILEIRA - Largo Sen. Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino
Dia 16 – quinta-feira
20:00
Abertura com apresentação de Carlos Augusto Calil e Maria Dora Genis Mourão
20:30
Terra em Transe (35mm)
Glauber Rocha
1967 – 105 min.
Considerada uma das principais obras do período, Terra em Transe (1967) é o filme em que Glauber Rocha (1939-1981) aprofunda o estudo da situação nacional. Põe em cena amplo leque de personagens: militantes, militares, intelectuais, políticos e empresários, todos envolvidos na disputa do poder. Cria a fictícia Eldorado, numa conjuntura pré-revolucionária com reação golpista de um movimento de direita. Refere-se ao Brasil daquele momento e a países latino-americanos que viveram o ciclo das ditaduras militares (fonte: Enciclopédia Itaú Cultural)
 
Dia 17 – sexta-feira
20:00
- A Margem (HDCam)
Ozualdo Candeias
1967 – 96 min.
Na favela às margens do rio Tietê, duas trágicas histórias de amor. Dois casais que a sociedade ignora e que, em meio à miséria e a luta pela sobrevivência, tentam encontrar-se através do sentimento. Os personagens evoluem entre a vida da favela, com seus pequenos golpes pela sobrevivência, e a existência no submundo paulista, que deteriora qualquer tentativa de ligação amorosa. Sem esperanças, os personagens sintetizam a visão trágica de sua realidade social (fonte: Banco de Dados Cinemateca Brasileira).
 
Dia 18 – sábado
16:00
- Terra em Transe (1967) de G. Rocha
       
18:00
MESA 1
TERRA EM TRANSE
Debatedores: Leandro Saraiva, Thales Absaber e Ilana Feldman
               
20:00
- O Desafio (35mm)
Paulo C. Saraceni
1964 – 100 min.
Logo após a revolução de 1964 que depôs o presidente João Goulart, a atmosfera é de angústia, medo e falta de perspectiva. Ada e Marcelo se conhecem numa exposição de pintura, surgindo  entre os dois uma relação. Ada é casada com um rico industrial. Sensível e inteligente não suporta a vida fútil e vazia do meio social do marido. Apenas o filho dificulta sua decisão de deixá-lo para ir viver com Marcelo, jornalista e escritor. Marcelo está em crise. Seus amigos presos, estão respondendo a inquéritos militares e sofrendo torturas. Ele se sente culpado, impotente diante dos acontecimentos. Ada decide falar com o marido. Marcelo espera com alegria sua chegada. Na fábrica, porém, diante do marido, dos empregados e dos operários, Ada toma consciência do real problema de sua vida e da verdadeira razão da crise de Marcelo. Sente-se impotente para modificar uma situação que não é só dela, mas de toda a estrutura social. Ada não vai. Marcelo só, sente sua falta. Bêbado, ele se encontra com um intelectual de uma geração anterior. A impotência das gerações mais velhas é um aviso para Marcelo. É um tempo de guerra, é um tempo sem sol (fonte: Banco de Dados Cinemateca Brasileira).
 
Dia 19 – domingo
17:00
- O Bandido da Luz Vermelha (Betacam SP)
Rogério Sgarzela
1968 – 92 min.
Inspirado em um caso verídico que se tornou fenômeno de imprensa. Trata dos vários assaltos cometidos por João Acácio Pereira da Costa, conhecido como Bandido da Luz Verneha, cuja prisão é feita em agosto de 1967. Na multiplicidade de linguagens, gêneros e citações, o filme compõe a colagem que define sua inserção no momento tropicalista de 1968, combinando referências literárias, como Oswald de Andrade e Nelson Rodrigues, com o imaginário da crônica policial do rádio e variados lances da comédia musical. É um ponto de inflexão no percurso do cinema brasileiro na segunda metade dos anos 1960, com a recuperação da chanchada e sua resposta irônica ao tom grave do cinema novo (fonte: Enciclopédia Itaú Cultural).
 
19:00
- Os Herdeiros (HDCam)
Caca Diegues
1969 – 95 min.
A saga de uma família brasileira, de 1930 a 1964, ano do golpe militar. Jorge Ramos (Sérgio Cardoso) é um jornalista ambicioso que se casa por interesse com a filha de um arruinado fazendeiro de café. Com a volta da democracia, em 1946, ele retorna a cidade e se transforma, aos poucos e à custa de constantes traições, em um político poderoso. Até que seu próprio filho vinga suas vítimas, aliando-se aos militares e traindo o pai (fonte: Caca Diegues – site oficial).
       
 
Dia 23 – quinta-feira
   
20:00
- Hitler Terceiro Mundo (DVD)
 
José Agripino de Paula
1968 – 90 min.
A ascensão de Hitler, líder nazista, no terceiro mundo. Obra futurista e visionária, as imagens revelam novas informações sobre a humanidade.
 
Dia 24 – sexta-feira
20:00
Bang Bang (35mm)
Andrea Tonacci
1971 – 80 min.
Com sua postura francamente experimental, discute fetiches da vida contemporânea -   o automóvel, a verticalização da cidade, a competência dos heróis. Neste caso, um anti-herói, que mais parece uma miscelânea de velhos tipos da indústria cinematográfica, dando tiros a esmo, num exercício de vaidade, mau gosto e diálogos sem sentido acerca de uma maleta cujo conteúdo é desconhecido e, em verdade, sem importância (fonte: Enciclopédia Itaú Cultural).
               
Dia 25 – sábado
16:00
- Sem Essa Aranha (arquivo Quicktime HD ProRes)
Rogério Sganzerla
1970 – 102 min.
Sem essa, Aranha apresenta a história de Aranha, uma espécie de gangster, "o último capitalista do Brasil" que, aos poucos, se destrói. Interpretado por Jorge Loredo, o protagonista é uma adaptação de Zé Bonitinho, conhecido personagem de programas de TV. Na tentativa de acabar com o câncer, a fome, a febre e o frio que dominam o Brasil, Aranha chega a vender a alma ao Diabo. Ao lado de duas mulheres malucas (Helena Ignez e Maria Gladys) o magnata circula entre a sua mansão, situada em uma favela carioca, e lojas de automóveis, boates, cabarés de Copacabana, supostos teatros de revista em Assunção, espaços abandonados e praias dos Estados Unidos.
18:00   
CINEMA DE INVENÇÃO 1
Debatedores:  Felipe Moraes, Fábio Camarneiro e Patrícia Mourão de Andrade
             
20:00
O Vampiro da Cinemateca (Betacam Digital)
Jairo Ferreira
1977 – 64 min.
Um 'cinepoeta' condenado ao exílio pela ditadura militar, é convidado a embarcar   num disco voador. Frases, trechos de filmes e sequências ficcionais constroem um                 grande afresco do universo poético do autor do diretor.
               
CINUSP::(Rua do Anfiteatro, 181 - Colméia - Favo 04, Butantã
Dia 21 – terça-feira
 
16:00
Lilian M (DVD)
 
19:00
Agrippina e Roma Manhattan
Hélio Oiticica
1972 – 23 minutos
Na imponente arquitetura de Manhattan e Wall Street, como numa Roma neoclássica, uma mulher de vermelho e personagens airosos tentam a sorte, postados ambiguamente entre o mais mundano afã e alguma transcendência mítica.
 
MESA CINEMA DE INVEÇÃO 2
Debatedores: Rubens Machado, Paulo Sacramento, Cléber Eduardo e Inácio Araújo
 
Dia 22 – quarta-feira
16:00
- Meteorango Kid – O Herói Intergalático (35mm)
André Luiz de Oliveira
1969 – 95 min.
Afastando-se do Cinema Novo, o filme é um dos mais emblemáticos representantes do Cinema Marginal, feito no Brasil a partir de 1969. Na esteira da Tropicália e de O Bandido da Luz Vermelha [Rogério Sganzerla (1946-2004)] (1968), do qual toma emprestada a “filosofia” da esculhambação, o filme se confunde à definição mesma de Cinema Marginal: agressivo, irreverente, anárquico, polêmico, descrente das causas políticas – uma explosão de imagens e sons nem sempre sincrônicos.
 
19:00
O Anjo Nasceu (35mm)
Júlio Bressane
1969 – 90 min.
Dois bandidos saem pela cidade cometendo atos de violência. Santamaria, místico, acredita que assim está se aproximando de um anjo que lhe limpará a alma. Urtiga, um marginal ingênuo, segue os passos do amigo, acreditando também no anjo da salvação.
 
Dia 23 – quinta-feira
16:00
- Macunaíma (35mm)
Joaquim Pedro de Andrade
1969 – 108 min.
 No fundo da mata virgem nasce Macunaíma. Nasce diferente, a mãe acocorada deixando cair o feto preto, de cabeça. Corre em selvagem alucinação pela mata, de preto virando branco, e depois deixando o sertão em troca da cidade na companhia dos dois irmãos, Jiguê e Maanape. Na cidade, estranha e hostil, segue o mesmo caminho zombeteiro, conhecendo e amando a guerrilheira Ci e inúmeras outras mulheres, enfrentando o vilão milionário Venceslau Pietro Pietra, na busca de reconquistar a pedra mágica que herdara de Cy, a muirakitã. Depois de tumultuada aventura urbana, consegue reaver a muirakitã e deixa o caos da cidade, voltando para a selva cheio de quinquilharia citadina. Mas sua disposição em ser ladino não se adapta mais ao ambiente e, por isso, é abandonado por seus irmãos. Sozinho e faminto, mas sem disposição para caçar, Macunaíma relata suas aventuras para um papagaio até o dia em que uma súbita vontade de brincar o faz cair nos braços da Iara.
19:00
O Brasil
Rogério Sganzerla
1981 - 12’
O registro dos bastidores da gravação do disco Brasil, de João Gilberto, de 1981, com a presença de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia no estúdio. Dorival Caymmi, Ary Barroso, Grande Otelo e Eros Volúsia, em performances raras, e Orson Welles, no Carnaval do Rio, completam este curta, que apresenta uma imagem singular do país.
 
MESA ANTROPOFAGIA E TROPICÁLIA
Debatedores: Celso Favaretto, Guilherme Wisnick e José Gatti.
 
Dia 24 – sexta-feira
16:00
- Perdidos e Malditos (DVD)
Geraldo Veloso
1975 – 75 min.
"Almeida atravessa crise existencial: casado com Gisela, intelectual, filha do dono do jornal que ele dirige, entra em choque com seu amigo Tavares, policial que investiga assassinato provocado por uma série de reportagens do seu jornal sobre o submundo do crime. Almeida obedece a ordens superiores e não pode atender ao pedido de Tavares para que suspenda as reportagens, causando assim graves problemas para ambos. Decidido a abandonar o jogo sujo de interesses ocultos,               resolve então reformular sua vida. Após violenta discussão com Gisela, ele acaba assassinando-a por identificá-la com o espírito da ordem a ser descartada. Conhece mais duas mulheres e afinal sozinho, liberto, encara sua nova dimensão, resumida numa frase de seu amigo Carlão: "O homem é o que ele come".
 
19:00
- Fome de Amor (35mm)
Nelson Pereira dos Santos 
1968
Mariana r é uma brasileira que mora em Nova York. Ela conhece Felipe, também brasileiro. Eles se casam e voltam para o Brasil para viver em uma ilha. Mas ela percebe que seu marido é um mentiroso quando o casal Ulla e Alfredo aparecem na ilha, que Felipe dizia ser sua, demonstrando serem os verdadeiros donos do lugar. Alfredo, que é cego, surdo e mudo, encanta Mariana. Até que ela suspeita que Ulla e Felipe são amantes e planejam matá-la para ficar com seu dinheiro.
 
Dia 27 - segunda-feira
16:00
- Triste Trópico (35mm)
Arthur Omar
1974
Triste Trópico (título que faz alusão ao livro de Claude Lévi-Strauss) conta a trajetória do médico Arthur, que após estudar na Europa, volta ao Brasil e acaba se transformando em uma figura messiânica.
Seus passos são narrados pela voz, por vezes irônica, de Othon Bastos, mesclando-se com as imagens documentais trazidas pelo diretor Arthur Omar.
 
19:00
- O Homem do Pau-Brasil (DVD)
Joaquim Pedro de Andrade
1981 – 119 min.
Representado simultaneamente por um ator e uma atriz, Oswald de Andrade lança-se ao percurso de mulheres e idéias, que o assaltam sempre juntas. Intelectual polêmico e impetuoso amante, o revolucionário escritor modernista, ao mesmo tempo em que admira a arte de Isadora Duncan, pede que ela interceda por Dorotéia, uma bailarina principiante por quem ele é apaixonado. Tem um filho com Lalá e com ela partilha também excitações provocadas pela leitura da obra de Freud. Fascinado pela sofisticação da rica herdeira do café e pintora Branca Clara, Oswald parte com ela a bordo do 'Rompenuve' em direção a Paris. Lá eles tomam contato com as vanguardas artísticas e embarcam de volta para o Brasil, trazendo o poeta Blaise Sans Bras. No navio, Oswald, degustando rãs à província do Brasil, elabora a teoria da antropofagia. Em meio à confusão da chegada, apaixona-se pela repórter Rosa Lituana, que entrevistava Blaise Sans Bras. Dá-se, aí, sua migração para o engajamento marxista, que dura pouco, pois Oswald, irreverente e anárquico, suporta mal a disciplina partidária. Amarras rompidas, nosso herói (macho e fêmea), junto com guerrilheiros armados e nus sequestram o iate do gangster Capone e desembarcam numa praia para a instauração da revolução Caraíba: institui-se na prática a teoria - Oswald-macho é devorado pelo Oswald-fêmea e instala-se o regime político antropofágico.
Dia 28 – terça-feira
16:00
- O Rei da Vela
José Celso Martinez Corrêa
1982 – 160 min.
A peça e a revolucionária encenação do Teatro Oficina relatam: o rei Abelardo I agoniza; seu secretário, Abelardo II, quer subir ao poder; o povo enjaulado delira. O filme acrescenta: os rituais de passagem de Oficina à Uzyna; a preparação do projeto "Fronteiras" e os filmes amadores dos pais dos realizadores. A partir da célebre montagem teatral da peça de Oswald de Andrade, o Grupo Oficina tece um painel poético e atualizado das relações político-econômicas das camadas sociais do Brasil.
19:00
Blá blá blá (Bluray)
Andréa Tonacci
1968 – 26 min.
Um ditador num momento de uma grave crise nacional, institucional, confrontado na cidade e no campo por revoltas e guerrilha, na busca de uma paz ilusória, faz um longo pronunciamento pela televisão. Mas a realidade impõe-se à sua ficção e o controle da situação escapa-lhe das mãos. Sobra-lhe uma patética confissão antes de ser tirado do ar.
 
MESA CULTURA E POLITICA EM ESPAÇO DE CONFLITO
Debatedores: Luiz Carlos Júnior, Arthur Omar, Mateus Araújo e Ismail Xavier.
Dia 29 – quarta-feira
16:00
- Loki – Arnaldo Batista (Bluray)
Paulo Henrique Fontenelle
2007 – 120 minutos
O documentário revela a trajetória de Arnaldo Baptista desde a infância, ao surgimento dos 'Mutantes', o casamento com Rita Lee, a separação, o fim da banda, a depressão que o levou a uma tentativa de suicídio e a um profundo coma, sua carreira solo e o reencontro com a paz. A narrativa de 'Loki' é costurada por depoimentos do artista e de amigos, família e personalidades que convivem ou conviveram com ele, como Tom Zé, Lobão, Nelson Motta, Gilberto Gil, Sérgio Dias, Dinho Leme, Zélia Duncan, Liminha e Rogério Duprat, além de Kurt Cobain, Sean Lennon e Devendra Banhart.
19:00
- Belair  (35mm)
Bruno Safadi
2009 – 80 min.
Em 1970, a produtora cinematográfica Belair Filmes, dos cineastas Júlio Bressane e Rogério Sganzerla, realizou sete filmes em apenas cinco meses. Censurados pela ditadura militar, os cineastas saíram do país, e os filmes permanecem pouco conhecidos até hoje.
Dia 30 – quinta-feira
16:00
- Uma noite em 67 (Bluray)
Ricardo Calil, Renato Terra
2011 – 110 min.
O Festival de Música Popular Brasileira foi uma série de eventos de música que eram transmitidos na TV por algumas emissoras brasileiras, como TV Excelsior, TV Record, TV Rio e Rede Globo. A noite comentada no documentário era a etapa final do III Festival de MPB, em que seriam escolhidas as músicas vencedoras.
A noite se tornou um marco para a Música Popular Brasileira com a apresentação de músicas que conhecemos até hoje por sua importância para a cultura musical brasileira.
19:00
Documentário (DVD)
Rogério Sganzerla
1966 – 11 min.
Dois jovens sem nada para fazer caminham e conversam pela cidade de São Paulo discutindo se vão ou não ao cinema.
 
MESA REVISÃO HISTÓRICA NO DOCUMENTÁRIO
Debatedores: Ivana Bentes, Eugenio Puppo, Ricardo Calil e Lúcia Monteiro
 
Dia 01/12 – sexta-feira
16:00
- Evoé - Retrato de um Antropófago (Bluray)
Tadeu Jungle, Elaine César
2011 – 110 min.
Um filme que articula de forma labiríntica depoimentos recentes e imagens históricas da carreira do diretor, ator e dramaturgo José Celso Martinez Corrêa, do Teatro Oficina. O documentário adquiriu o seu verbo principal em quatro viagens a pontos-chave da trajetória de Zé Celso: Sertão da Bahia; Praia de Cururipe, em Alagoas; Epidaurus e Atenas, na Grécia; e em sua casa, em São Paulo. Um olhar particular e multifacetado de uma das maiores personalidades das artes do Brasil de todos os tempos.
19:00
- Helio Oiticica (ProRes)
Cesar Oiticica Filho
2012 – 23 min
O documentário mostra a vida e obra de Hélio Oiticica, artista que germinou a Tropicália e democratizou a experiência da criação, invertendo o conceito de observador/ consumidor de arte para o de autor/ objeto da experiência artística. Seu início junto ao Grupo Frente, o surgimento do Neoconcretismo, a criação dos Bólides, Penetráveis, Núcleos e Parangolés, o envolvimento com a Tropicália, o período em Londres e Nova York, até a volta ao Brasil, onde morreu aos 42 anos.

Outras notícias