Notícias

Cineclube CineRua realiza sessão de filmes em prol do cinema do edifício AIP

Publicado em 06/12/16 às 17h04

O Cineclube CineRua, em parceria com a Ouriço Produções, realiza nesta quarta (7), a partir das 17h, uma sessão no térreo do Edifício AIP, em Recife, com o objetivo de mobilizar atenções para o cinema, que fica no último andar e atualmente se encontra em ruínas. Com a notícia de que o governo pernambucano, proprietário do imóvel, irá colocar à venda os cinco últimos andares, a cidade corre o risco de perder este patrimônio histórico e cultural.
 
O programa apresenta três filmes que resgatam, dialogam, provocam e reinventam a memória de cinemas de rua, dois inéditos no estado. Após a exibição haverá debate com presença de, entre outros convidados, Aline Van Der Linden e Marina Moura Maciel, diretoras de Entre Andares, curta que recompõe o Edifício AIP via expressão documental, poética e cinematográfica. Antes, o projeto Guia Comum do Centro do Recife irá inaugurar uma placa informativa em homenagem ao edifício, destacando sua importância enquanto símbolo de resistência. 
 
“No atual panorama de retrocessos políticos, espaços públicos como o Cine AIP ganham um novo sentido de urgência, pois favorecem o encontro, o aprofundamento de ideias e o exercício da cidadania”, diz André Dib, pesquisador e membro do movimento #CineRuaPE. “A venda do edifício, proposta pelo governo do estado pode ser considerada uma manobra nas promessas de reestruturação do espaço como um espaço cultural. Não há qualquer justificativa razoável para a venda”, diz o vereador Leonardo Cisneiros. 
 
Histórico
Inaugurado em 1958, o Cine AIP foi projetado pelo arquiteto português Delfim Amorim e comportava 170 pessoas. Era uma das salas mais luxuosas da cidade e exibia filmes de arte. A Associação de Imprensa de Pernambuco ocupava do 9º ao 14º piso e os oito primeiros andares eram de uso comercial. Entre as suas características marcantes estão o Cine AIP e um restaurante panorâmico, além da biblioteca da associação. Durante o golpe militar de 1964, exibiu filmes considerados subversivos, o que levou a dez prisões do jornalista Carlos Garcia, que presidiu a associação entre 1965 e 67.
 
Atualmente, os três primeiros andares do edifício encontram-se ocupados comercialmente. A energia elétrica não é suficiente para o funcionamento do elevador e o restante do local, que também está sem abastecimento de água. 
Em 2010, devido ao legado histórico e potencial para ser revitalizado como equipamento cultural, o governo do estado desapropriou os andares pertencentes à Associação, por meio do decreto nº 35.508/2010. O decreto diz que: “O imóvel referido no artigo anterior destina-se a preservação e a conservação do acervo histórico e artístico da imprensa pernambucana e ao desenvolvimento de atividades culturais" (art. 2º).
 
Em 2012, a reabertura do cinema foi anunciada e emendas parlamentares foram destinadas para a recuperação do edifício, como o conserto da parte elétrica e reativação dos elevadores. Em 2013, o Ministério de Turismo aprovou verba para a instalação do Complexo Turístico Cultural da Imprensa Pernambucana. 
 
No dia 22 de novembro de 2016, a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa discutiu um projeto de lei do Governo do Estado (PL 1084/2016) pedindo autorização para vender quatro andares do Edifício AIP, na Dantas Barreto. O projeto tramita em regime de urgência e já foi aprovado pela Assembleia Legislativa. 
 
Histórico do Cineclube
O Cineclube CineRua é uma ação independente do movimento #CineRuaPE, fundado para reunir esforços, promover atividades, estratégias e a conscientização que ressaltem a importância de se preservar os cinemas de rua remanescentes em Pernambuco. As três primeiras sessões aconteceram em frente ao Teatro do Parque, fechado para reforma desde 2010. As três últimas, no Cine Olinda, atualmente ocupado pela sociedade civil organizada.
 
Serviço:
Cineclube Cine Rua #7: Cine AIP
Quando: 7 de dezembro (quarta), a partir das 17h
Onde: Térreo do Edifício AIP (Av. Dantas Barreto, 576 - Santo Antônio). Recife (PE).
 
Entrada franca

Outras notícias