Apolônio Brasil - Campeão da Alegria

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

12/11/2003

O ator Marco Nanini brilha na interpretação do pianista de boate Apolônio Brasil, o protagonista do filme de Hugo Carvana, Apolônio Brasil - Campeão da Alegria. No auge de sua maturidade, Nanini transpira a humanidade de seu personagem por todos os poros, arriscando-se mesmo a cantar, até bem, músicas como Se Todos Fossem Iguais a Você e outros sucessos românticos dos anos 50 e 60, para recuperar a atmosfera da Bossa Nova, da dor-de-cotovelo e dos crooners que pautava a boemia do Rio e de São Paulo então. O filme todo é, afinal, um musical de época, uma raridade no cinema brasileiro atual, bem longe do auge das chanchadas da Atlântida onde filmes recheados de canções e cantores estavam na ordem do dia.

Pode-se até elogiar a coragem de Carvana em arriscar-se num gênero que não domina. Ironicamente, é nessa parte do musical que ele se sai melhor do que na comédia em si, amparado ainda numa cuidadosa reconstituição de época, a cargo do diretor de arte José Joaquim Salles e da figurinista Kika Lopes. Há mesmo ótimas seqüências, como a dos loucos no hospício, onde Nanini, Antônio Pedro (sempre impagável e figura obrigatória nos filmes de Carvana) comandam uma anárquica interpretação da muito apropriada música Neurastênico.

Outro ótimo momento é a cena no apartamento infestado de fumaça de maconha onde uma turma dá uma festa, em pleno final dos anos 60, auge da ditadura militar. O vizinho ao lado, um major (Jonas Bloch) interrompe a farra e é tapeado pelos convidados a tomar um certo comprimido, como se fosse para dor-de-cabeça. Na verdade, é LSD e o rígido militar entra na maior viagem. Com certeza, é uma bem-vinda esculhambação nos anos duros da ditadura, ainda pouco explorados pelo cinema brasileiro, menos ainda pela via cômica. Uma falha que começa a ser sanada e logo mais contará com a companhia de A Taça do Mundo é Nossa, pela turma da Casseta & Planeta, cuja estréia está marcada para 21 de novembro.

O problema é que quando sai do musical e entra na trama cômica paralela Apolônio Brasil não funciona tão bem. Ao final, é um filme esquizofrênico em que as duas metades dialogam mal entre si. O fio condutor da história é um obscuro cientista louco americano (José Lewgoy, em seu último papel no cinema) que se apodera do cérebro de Apolônio, morto há pouco, e reúne seus amigos, amantes e filho. O objetivo é obter deles a autorização para clonar o que seria o gene da alegria que em Apolônio está muitos graus acima do resto da humanidade e exportar isso para "países tristes". O desenvolvimento deste enredo caminha decididamente rumo a um tom entre o ingênuo e o trash e o filme todo ganharia muito se ele tivesse sido mais bem filtrado.

Por trás de toda a concepção de Apolônio Brasil, paira a noção de um nacionalismo romântico do diretor Carvana. Não só o conceito de que aquele Brasil antigo da Bossa Nova e da dor-de-cotovelo, mergulhado em noites de boate encharcadas de copos de uísque, muita fumaça de cigarro e música de piano era melhor, mais romântico - ou simplesmente era algo de que Carvana tem uma assumida saudade, com certeza compartilhada por muitos de sua geração.

Nada será mais decisivo para o filme do que o teste de público, como sempre. Resta saber se entre as platéias brasileiras, que recentemente consagraram na bilheteria visões tão diferentes do Brasil moderno quanto Carandiru, de Hector Babenco, e Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, por um lado, e comédias na linha de Auto da Compadecida, de Guel Arraes, ou Carlota Joaquina, de Carla Camuratti, haverá um nicho para curtir um filme com este espírito.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança