A Viagem de Chihiro

A Viagem de Chihiro

Ficha técnica

  • Nome: A Viagem de Chihiro
  • Nome Original: Spirited Away
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Japão
  • Ano de produção: 2001
  • Gênero: Desenho animado
  • Duração: 125 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Hayao Miyazaki
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Primeiro ganhador do Oscar de animação, em 2003, o filme de Hayao Miyazaki traz uma garota que, ao se mudar para os subúrbios, descobre um mundo sombrio governado por seres fantásticos que transformam humanos em feras.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

17/07/2003

Vencedor do Oscar 2003 de longa-metragem de animação e do Urso de Ouro de melhor filme no Festival de Berlim 2002, este desenho do mestre japonês Hayao Myazaki mostra o quanto o gênero pode ser ambicioso e sofisticado. Nascido em 1941, ele coloca o computador em segundo plano - todos seus personagens e cenários são pintados à mão, antes de digitalizados (na verdade, este é seu primeiro filme colorizado e masterizado em formato digital). Myazaki não está nem aí para a guerra entre os grandes estúdios americanos para dar o próximo passo no terreno da computação gráfica. É um artesão dos detalhes, das texturas, das cores, das nuances, da delicadeza e da naturalidade dos movimentos. Sua ousadia não é apenas formal. Seus roteiros são mergulhos na imaginação mais fantástica, inspirados nas lendas tradicionais japonesas, constituindo uma viagem que convida não só adultos como crianças a embarcarem neles.

A protagonista é Chihiro, menina de dez anos que acaba de mudar de cidade com os pais. Está amuada com a mudança, que a afasta dos amigos e de todo o mundo que conhecia. É uma garota urbana e mimada. Os pais dão pistas de serem consumistas frenéticos e afetivamente frios. Uma parada no caminho desafia a lógica em que vive a família. O carro chega a uma estrada sem saída, de onde parte um pequeno túnel. O mistério do que há por trás dele tenta os pais a explorarem o lugar. Insegura a princípio, a menina os segue.

Do outro lado, há uma espécie de parque temático, repleto de lojas e lanchonetes. Mas está tudo vazio. Nenhuma pessoa à vista, embora as luzes estejam acesas e haja montes de comida à disposição. Os pais de Chihiro resolvem empanturrar-se com as delícias gratuitas, contando pagar depois que os funcionários reaparecerem. Chihiro prefere passear. Pouco depois, encontra um menino, Haku, que a alerta de que entraram num reino mágico e perigoso. A presença de humanos é proibida ali, portanto, todos precisam partir antes do anoitecer, que está próximo.

Quando Chihiro reencontra os pais, tem um choque: eles se transformaram em enormes porcos. A metamorfose dá a partida a uma série de eventos fantásticos que lançam Chihiro em aventuras incríveis e também numa jornada pessoal de crescimento, sempre ajudada pelo misterioso Haku. Sob sua orientação, ela se esconde e procura trabalho na enorme casa de banhos que domina o local. O empregador é Yamaji, velho dotado de vários braços que movimenta a enorme estrutura que abastece as banheiras e movimenta as caldeiras de todo o estabelecimento, destinado aos deuses.

Uma vez empregada, Chihiro não pode ser destruída pela feiticeira Yubaba, uma temível velha de nariz adunco. A partir daí, a garota deve adotar o nome de Sen e submeter-se a uma rotina estafante, que implica uma quantidade infinita de tarefas braçais. Mas chegará também o momento de retribuir a ajuda de Haku, o que vai requerer de Chihiro uma grande dose de coragem.

Lançado em 107 cópias (93 dubladas, 14 legendadas), o desenho representa uma grande oportunidade de comparação com as produções americanas. Alguns aspectos dignos de nota são os movimentos naturalíssimos e a expressão facial de Chihiro, que se assemelha com perfeição a uma menina de verdade, não a uma bonequinha, como em tantos desenhos. Há seqüências de uma beleza impressionante, caso da chuva, dos seres transparentes e do trem que flutua sobre o oceano - esta última, a cena mais difícil de criar, segundo o diretor artístico Yoji Takeshige. A trilha sonora é do consagrado Joe Hisaishi, autor do tema de Dolls, de Takeshi Kitano.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança