Terra espanhola

Terra espanhola

Ficha técnica

  • Nome: Terra espanhola
  • Nome Original: The Spanish earth
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 1937
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 52 min
  • Classificação: 10 anos
  • Direção: Joris Ivens
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Em 1937, a Guerra Civil Espanhola divide o país. Nas fileiras da Frente Popular, defendendo o governo Republicano eleito, a luta é para preservar Madri e produzir alimentos para a população. O foco está em Fuentedueña, na estrada entre Madri e Valência, onde camponeses implantam um projeto de irrigação.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

13/05/2020

A Guerra Civil Espanhola (1936-1939) foi o ponto de inflexão na vida do diretor Joris Ivens (1898-1989), transformando aquele que se tornaria conhecido como o “holandês voador” de um cineasta interessado em experiências de vanguarda num engajado realizador de olho na política e nas questões sociais. 
 
Ivens não foi o primeiro nem o último a filmar esta guerra, que atraiu o idealismo de tantos estrangeiros, que ali vieram combater a favor dos que lutavam em defesa da Frente Popular, a união de socialistas, comunistas, anarquistas e liberais que vencera as eleições de 1936 e agora se via confrontada pelas tropas Falangistas, lideradas pelo general Francisco Franco. Antes de Ivens, já Luis Buñuel filmara Espanha Leal em Armas (1936). Depois, o futuro ministro da cultura francês, André Malraux, assinaria Sierra de Truel (1939), compondo, com o Terra Espanhola de Ivens, uma tríade mítica sobre o conflito em que se jogava a sorte não só da democracia da Espanha, mas de toda a Europa.
 
Desde o começo, o projeto de Terra Espanhola foi uma união de inteligências, começando com a associação a Ivens do escritor norte-americano John dos Passos, que depois seria substituído por Ernest Hemingway. Correspondente de um jornal norte-americano na cobertura da guerra, Hemingway participou diretamente da batalha, alistando-se na Frente Popular. No filme, o escritor assina o texto da narração, lida por ele mesmo nesta versão.
 
A ideia do filme não é simplesmente mostrar batalhas, naquele momento ocorrendo em torno da luta por Madri. O foco recai em Fuentedueña, cidadezinha de 1.500 habitantes, na estrada entre Madri e Valência que era a artéria fundamental para o abastecimento da capital espanhola. Não apenas isso. A pequena Fuentedueña centralizava o esforço de procurar alimentar Madri, para o que era indispensável a implantação de um projeto de irrigação que permitisse multiplicar o plantio de alimentos.
 
Assim, Terra Espanhola torna-se uma crônica da vida cotidiana na guerra, mostrando camponeses em suas tarefas incansáveis de plantio e transporte, bem como de treinamento militar - quase todos os integrantes da Frente Popular eram, aliás, civis que nunca haviam lutado antes. Também se retrata os sacrifícios da população civil, com mulheres e crianças sofrendo em filas para comprar alimentos que, não raro, não bastam para todos, convivendo com a destruição de suas casas, impostas pelos bombardeios aéreos alemães - os nazistas e os fascistas italianos davam suporte a Franco, um elemento que pesou no resultado da guerra.

No momento do filme (1937), no entanto, a esperança predomina entre os Republicanos. A escassez é enfrentada com engenho. As portas das casas destruídas pelas bombas alemãs transformam-se em paredes de trincheiras. Por toda parte, exercita-se a solidariedade para tentar reduzir o desconforto causado pela fome, os deslocamentos, a tensão e o medo. São vistos personagens históricos, como o presidente Manuel Azaña e La Pasionaria, Dolores Ibarruri, falando em Valência para levantar os ânimos dos legalistas. Independente do que ocorreu depois, Terra Espanhola é um documento imprescindível para refletir sobre este período, um filme impregnado por um sentido de urgência e humanismo que serviu, sim, de instrumento para levantar fundos para a Frente Popular em Hollywood, mas, independente de sua adesão, resiste ao tempo como um documento sobre tempos exacerbados de polarização e paixões políticas. 

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança