Jexi, Um celular sem filtro

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Phil tem uma vida infeliz; É solitário e trabalha numa empresa que cria listas para a internet. Sem amigos, sua única companhia é seu celular. Quando é obrigado a trocar de aparelho, o sistema operacional do novo aparelho começa a humilhá-lo e tudo piora quando se apaixona por uma moça.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/02/2020

O segundo filme do ano que traz um telefone psicótico, Jexi – Um celular sem filtro, é ainda pior que A hora de sua morte, pois naquele filme o terror, ao menos não descambava para piadas grosseiras, envolvendo nudes e vício em crack. Seja lá o que for que os diretores e roteiristas Jon Lucas e Scott Moore tinham em mente, não era para ter saído nada tão sem graça e descartável. O curioso é que a premissa não é de todo ruim, mas na execução nada se salvou.

 

Jexi... é como um primo ruim de Ela, em que seu protagonista, Phil (Adam DeVine), desenvolve uma relação estranha com a assistente digital de seu celular (dublada por Rose Byrne). Trabalhando numa espécie de startup digital, numa situação de subemprego, com um chefe maluco (Michael Peña), ele é um sujeito solitário, sem amigos ou namorada. Seu tempo é dividido entre o trabalho e seu celular, que cuida de sua vida com lembretes e avisos.

 

Quando esbarra numa ciclista (Alexandra Shipp), e seu celular acaba quebrando pouco depois, o novo aparelho traz uma nova companhia, Jexi, que logo o insulta quando ele aceita os Termos de Compromisso sem nem ter lido. Logo, o programa já está com todas suas senhas (inclusive de banco) e controlando a vida do protagonista, com quem desenvolve uma relação obsessiva.

 

Não demora muito, no entanto, e Phil também está se envolvendo com a ciclista, Cate, dona de uma loja de bicicletas, o que desperta ciúmes de Jexi. A relação dele com a inteligência artificial – ao contrário de Ela – não faz o menor sentido, e sequer resulta em risadas sinceras. É o tipo de humor forçado por ser raso, sem desenvolver personagens ou situações. DeVine é um bom ator de comédias, mas não tem muito com o que trabalhar aqui. Seu personagem é estereotipado até a medula, e sua transformação, causada por Jexi (cujo slogan é “Sou programada para fazer sua vida melhor”), não faz o menor sentido – muito menos o romance com a ciclista.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança