Aqueles que ficaram

Ficha tcnica


Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 5 votos

Vote aqui


Pas


Sinopse

Sobrevivente da II Guerra, o dr. Aldo retoma sua prática de ginecologia e, Budapeste, em 1948. Um dia, atende Klara, de 16 anos, cuja puberdade está atrasada. Entre os dois forma-se um vínculo de afeto e proteção mútua que nem sempre é bem-visto pelos outros.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

17/12/2019

De todos os caminhos possíveis para falar do indizível, Aqueles que ficaram, de Barnabás Toth, assume o melhor, o mais sutil, capaz de investigar a negação, a hesitação, a procura, a ambiguidade e a reconstrução. Representante húngaro na pré-lista do Oscar de filme estrangeiro,o filme aborda os efeitos da II Guerra e do Holocausto sobre um pequeno grupo de moradores de Budapeste. Sem mostrar uma única cena destes amargos episódios, foca na trajetória dos sobreviventes, daqueles que carregam as marcas indeléveis das perdas e dos horrores que viveram - e que agora precisam seguir em frente.
 
Aldo (Károly Hajuk) é um médico ginecologista, que atende num hospital de Budapeste, no ano de 1948. Um dia, aparece-lhe no consultório a adolescente Klara (Abigél Szöke), de 16 anos, trazida pela tia-avó, Olgi (Mari Nagy), inquieta pelo atraso de sua puberdade. A garota é rebelde, marcada por uma revolta surda pela perda de sua família - que ela insiste em negar, dizendo que seus pais, desaparecidos, voltarão para casa, o que parece improvável. 
 
O contido dr. Aldo, com seu semblante tranquilo, entende perfeitamente o mal de que sofre Klara - ele o compartilha. Por esse território emocional em comum, forma-se entre os dois uma ligação de afeto que desafia as classificações e os padrões morais de seu tempo e lugar - que é atormentado pelo moralismo e também pelo peso do estalinismo, que estimula a espionagem mútua entre todos. Ainda assim, devido à insistência de Klara em procurar Aldo, num determinado momento, Olgi e Aldo chegam a um acordo informal para compartilhar a guarda de garota, como pais substitutos. 

O grande acerto da direção está em assumir as ambiguidades do relacionamento de Aldo e Klara, em todas as suas nuances, com uma delicadeza extrema.O que está no centro da história, acima de tudo, é esta ternura, esta proteção com que Aldo envolve Klara e vice-versa, o que finalmente lhes permite encarar as próprias perdas, as próprias lacunas e voltar a sentir. Do que a história fala é disto, de sentimentos dilacerados, da sobrevivência solitária que só foi possível porque, num determinado momento, a dor era tanta que era preciso negá-la, por ser insuportável. Por tudo isso, Aqueles que ficaram torna-se um filme que fala do Holocausto sem mostrá-lo de frente, mas é extremamente revelador de seus sinais, encarando sua irrevocabilidade, mas também remetendo à esperança de reconstrução, de renovação da vida. E que ator formidável é esse Károly Hajuk, capaz de carregar no rosto tantos sentimentos, com tanta força, sem explosão, com a pulsação das vozes caladas que procuram um jeito de vir à tona.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana