Meu amigo Fela

Ficha técnica

  • Nome: Meu amigo Fela
  • Nome Original: Meu amigo Fela
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2019
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 94 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Joel Zito Araujo
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Filho de um pastor e uma professora feminista, Fela Guti tornou-se um dos músicos mais importantes da Nigéria nos anos 1970. Este documentário apresenta os principais momentos de uma vida turbulenta, marcada pelo engajamento, o sucesso dentro e fora de seu país e pela perseguição dos militares contra ele e sua família.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

04/11/2019

Neste documentário rico em camadas, o diretor brasileiro Joel Zito Araújo investiga a complexidade do músico nigeriano Fela Guti (1938-1997), o mago do afrobeat, figura talentosa, engajada e contraditória na mesma medida.

Fugindo a uma cronologia rígida e ao formato “cabeças falantes”, Araújo vale-se da presença de Carlos Moore, o afro-cubano biógrafo do músico, como seu guia para desenredar os fios narrativos de uma vida atribulada. Filho de um pastor, Guti estudou música em Londres, onde formou uma banda e casou-se pela primeira vez - e as mulheres foram uma das tônicas de sua existência, a partir de sua mãe, Funmilayo Ransome, uma professora feminista e socialista que foi chave  em sua formação. 

Em 1969, o músico foi para os EUA com o baterista Tony Allen, país de onde vinham dois de seus gurus na militância, a escritora Maya Angelou e o ativista Malcolm X, por quem Guti era verdadeiramente fascinado. Lá, ele conhece a cantora Sandra Iszadore, com quem se casa e que é outra influência decisiva para a formação do ativista Guti, dando-lhe livros e familiarizando-o com a ação dos Panteras Negras, organização que ela integrou.

De volta à Nigéria, o músico torna-se um implacável denunciante dos abusos das sucessivas ditaduras militares de seu país, vira persona non grata e é perseguido por vários processos, que lhe valeram períodos na prisão, sem contar atentados contra sua casa e seus familiares. Em sua vida pessoal, assume a poligamia, chegando a ter 27 mulheres. Sandra Iszadore vem morar com ele na Nigéria mas, como ela conta em entrevista para o filme, teve um choque - não estava preparada para aquela situação, o que finalmente encerra o seu relacionamento com ele. 

Na música Guti expressa seu ativismo, com canções cujas letras desafiam cada vez mais o autoritarismo dos militares no poder - caso de Zombie (1977), que enfureceu o governo e fez enorme sucesso. 

Um ataque à sua casa, em que Guti foi espancado, juntamente com suas mulheres, e sua mãe foi atirada de uma janela - ela morreria um ano depois, em 1977 - marca o começo de um período de maior turbulência. O músico se aproxima cada vez mais de um esoterismo doentio, obcecado por manter contato com a mãe morta - ele se culpava por sua morte. Tornando-se cada vez mais paranoico, imaginava que todo mundo era da CIA e vinha espioná-lo e envolveu-se com episódios de violência contra outras pessoas, até então próximas. Nessa fase, Carlos Moore afastou-se dele. Guti parecia ter perdido o eixo, ter perdido sua alma.

Sua morte precoce, aos 59 anos, é outro episódio nebuloso. Um mês após ter deixado de novo a prisão, ele adoeceu, foi levado ao hospital e ali morreu - seu irmão acredita que a causa pode ter sido AIDS, mas isso nunca foi esclarecido. Encerra-se, assim, uma vida turbulenta, deixando para trás um legado de criatividade, engajamento e perplexidade diante de alguns períodos obscuros. “Não há alternativa senão a resistência”, ele costumava dizer. Por isso, é muito justa a homenagem a Fela, cujo documentário termina com a exibição de fotos de diversos líderes e ativistas negros, africanos, norte-americanos e finalmente a nossa Marielle Franco, cujo assassinato brutal e não esclarecido pesa sobre nós como uma ferida aberta. 

Meu amigo Fela venceu o Prêmio Especial do Júri na competição internacional do Festival É Tudo Verdade e foi selecionado também para Roterdã. 

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança