Luna

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Filha de mãe solteira, Luana é uma adolescente em busca de novas experiências. Ela começa uma amizade com a colega de classe Emília, que é mais rica e tem pais bastante distantes. As duas têm em comum o desejo da descoberta do mundo e de si mesmas.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

01/10/2019

Primeiro longa solo do mineiro Cris Azzi (dos documentários Sumidouro e Dia do Galo), Luna é um retrato da adolescência feminina contemporânea a partir das personagens de Luana (Eduarda Fernandes) e Emília (Ana Clara Ligeiro). Roteirizado também por Azzi, a partir de um trabalho de construção dramática com muita participação das jovens atrizes – ambas estreantes – e também do veterano diretor de fotografia Luís Abramo, o filme mostra uma organicidade e energia extraordinários. Isto decorre de um processo de criação em que as atrizes conheciam as linhas gerais do roteiro, mas não o tinham à mão, como uma cartilha para uso de maneira rígida, e muitos ensaios. Muitas cenas, aliás, foram tiradas dos ensaios.
 
Este método coletivo permitiu que fossem abandonados ao longo do caminho certas palavras, tons e situações que não correspondiam ao sentimento das atrizes, trazendo uma organicidade maior.
 
Mesmo girando muito em torno do cotidiano e do corpo das duas garotas, na escola, na rua, em suas casas e nos ambientes que frequentam, o filme incorpora também alguns familiares – a mãe de Luana é interpretada por Lira Ribas, protagonista do premiado curta Estado Itinerante. A própria escola onde estudam é um contexto ao mesmo tempo social e político já que se debate ali, no começo da história, a legitimidade do impeachment de Dilma Rousseff – que ocorreu durante as filmagens.
 
O fato é que Luna não precisa de bula. As personagens ocupam os cenários com seu corpo, seu olhar, suas experiências. E é por imagens que se constrói a existência delas, suas relações com colegas e com famílias um tanto distantes – por motivos diferentes -, sua vida na escola e o relacionamento entre as duas mesmo, que é o mais próximo e íntimo.
 
A sensação que se depreende do filme, portanto, é de um existir diante da câmera, natural, efêmero como a adolescência, que se transforma diante de nossos olhos. O próprio diretor disse, no Festival de Brasília 2018, em que ocorreu sua première, que vê o filme como “um rito de passagem para Luana”, mas é certo que sua obra encerra inúmeras leituras. O próprio tema do cyber bullying que, num determinado momento, ocorre, não se torna o único centro da história. Azzi ressalta que “não quis que o filme se tornasse refém disto”.
 

Neste sentido e também no encaminhamento que se dá à questão, Luna é um contraponto a Ferrugem, de Aly Muritiba. O final, especialmente. Libertário e catártico, este final, aliás, foi celebrado entusiasmadamente pela plateia de Brasília, como uma apoteose.No Festival do Rio 2018, Eduarda Fernandes recebeu uma menção honrosa por sua interpretação. 

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança