Legalidade

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Em 1961, o presidente Jânio Quadros renuncia. Seu vice, João Goulart, está em viagem oficial na China. Militares no governo ameaçam um golpe para impedir a posse de Jango, tido como comunista. Mas seu cunhado, o governador gaúcho Leonel Brizola, monta um foco de resistência em seu palácio, em Porto Alegre, para garantir sua posse.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

03/09/2019

Legalidade, de Zeca Brito, teve sua première fora de competição no Festival de Gramado 2019, para homenagear Leonardo Machado, o ator que, por dez anos, foi o apresentador em Gramado e que morreu em setembro de 2018. 
Foi uma sessão emocionante, não só pela presença dos pais e amigos do ator, mas também pelo próprio conteúdo do filme, que relembra um levante comandado pelo então governador Leonel Brizola, em 1961, para garantir a posse de João Goulart, vice-presidente, depois da renúncia do presidente Jânio Quadros - uma das crises políticas mais candentes da história do Brasil.
 
Leonardo Machado interpreta esse Leonel Brizola jovem que, no palácio dos Piratinis, junta apoiadores, soldados ou não, e armas, além de um providencial transmissor radiofônico, para convocar a resistência a um incipiente golpe militar. De Brasília, militares ameaçavam prender Jango, caso voltasse da China, onde se encontrava em viagem oficial.
 
O roteiro, assinado por Leo Garcia e Zeca Brito, apoia-se tanto em pesquisas históricas - é sólida e eficiente, aliás, a inserção de imagens de arquivo - como se permite vôos romanescos para fisgar um hipotético espectador comum. Especialmente um triângulo amoroso no centro destes acontecimentos, envolvendo uma jornalista (Cleo) e dois irmãos, um antropólogo engajado (Fernando Alves Pinto) e um fotógrafo do palácio gaúcho (José Henrique Ligabue). 
 
Nesta situação ficcional um tanto rocambolesca, temperada com inacreditáveis toques de espionagem, situam-se os principais defeitos desta produção, por incongruentes e excessivos. Legalidade, no entanto, tem o mérito inegável de resgatar um episódio fundamental na história brasileira, desconhecido de vários contemporâneos, além de ter potencial para mobilizar consciências sobre as possibilidades de resistência em tempos obscuros.

O filme tem a seu favor a chegada às telas num momento em que, como poucos, os brasileiros precisam resgatar a memória de dias melhores e da própria auto-estima. O que Legalidade nos diz é que já fomos mais aguerridos e unidos e, fundamental, em vários momentos de uma história tão atribulada como a nossa, já vencemos o obscurantismo e os atentados à democracia e à Constituição. Também já tivemos líderes políticos com a coragem e a capacidade de mobilização de Leonel Brizola. Se tiver ao menos essa ressonância, apesar de seus cacoetes de telenovela - assumidos pelo diretor Zeca Brito -, o filme já terá cumprido um papel. 

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança