Depois do fim

Depois do fim

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 4 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Evaristo tem 90 anos, e diversas memórias sobre sua carreira como condutor de trens. Ao relembrar toda sua trajetória, resgata memórias da ferrovia no país.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

05/06/2019

O documentário revisita as memórias de um velho ferroviário, Evaristo de Moraes, cuja história se entrelaça com a das próprias ferrovias no Brasil, um capítulo que tinha tudo para ser bem-sucedido, mas acabou tornando-se melancólico.
Passado dos 90 anos, o velho personagem revela uma trajetória pessoal indissoluvelmente ligada aos dormentes - seu pai era operário de oficina, trocando as peças dos trens. Foi quase uma predestinação. O pai, afinal, nasceu em 1899, ano da inauguração da estação de Santa Maria (RS), que foi um grande centro ferroviário no sul do país. 
 
Preciosas imagens de arquivo resgatam este percurso de desenvolvimento, destacando, por exemplo, a Vila Belga, local de moradia de engenheiros e chefias, um dos muitos povoamentos que brotaram à sombra da expansão de um meio de transporte que tinha tudo para prosperar num país de geografia marcada por baixas montanhas.
 
Mas a prosperidade, que chegou a vingar por algumas décadas no transporte de mercadorias e passageiros nesta porção do sul do Brasil, ali não durou - como no resto do país. Evaristo (interpretado por Arcolau Antônio Bender), que assistiu à troca dos vagões de madeira pelos de aço, afinal teve o desgosto de ver suas amadas locomotivas cortadas, divididas e transformadas em sucata. Dá tristeza, e não só no velho ferroviário, ver os velhos trens abandonados e a vegetação crescendo nos trilhos, revelando um dos muitos equívocos de um país que se tornou obcecado pelos automóveis e desprezou esta que seria também uma alternativa viável às suas muitas necessidades.

Neusa Barbosa


Comente
Comentários:
  • 05/07/2019 - 13h32 - Por Adriane Bender Gomes Vocês poderiam colocar no elenco o nome do senhor que com 86 anos, se prontificou a colaborar com o Álvaro e aceitou fazer o papel do Sr Evaristo.
    Onomástica dele é Arcolau Antônio Bender (meu pai) que muito orgulha nossa família!
  • 06/07/2019 - 12h44 - Por Neusa Barbosa Claro, Adriane!
    Já fizemos isso.
    Obrigada pela informação.
    Abs
    Neusa
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança