As herdeiras

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Chela vive com sua companheira Chiquita há anos, tanto que se tornou completamente dependente dela para assuntos mais práticos, como pagar as contas. Quando a outra é presa por fraude, Chela precisa aprender a lidar com o mundo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/08/2018

Chela (Ana Brun) tem 50 e poucos anos e uma vida de regalias e pouco esforço, como parte da elite paraguaia. Até agora. Com a crise batendo em sua porta, sem dinheiro, ela se vê obrigada a desfazer-se de bens que sua família acumulou. Vão-se a prataria e os cristais, e ela também abre mão das luminárias e móveis – o que der um bom dinheiro é vendido. Sua casa, antiga e caindo aos pedaços (mas outrora chique), está sempre aberta para os novos ricos, que entram e passeiam como numa feira à procura do que comprar.
 
Chiquita (Margarita Irun), companheira de Chela há anos, a protege. Evita que veja seus bens sendo levados  e a poupa da coisas mais mundanas, como lidar com dinheiro e imposto de renda. Chela se fecha em seu ateliê, onde pinta aquarelas que provavelmente nunca valerão nada. Tudo isso até que a outra vai presa por fraude, e a protagonista precisa encarar o mundo.
 
O Paraguai não é um país com tradição cinematográfica. Sua produção, inclusive, ficou praticamente parada entre 1978 e 2006, quando Paz Encina realizou seu poderoso Hamaca Paraguaya (inédito em circuito brasileiro, mas exibido na Mostra de SP em 2006). As herdeiras foi escrito e dirigido por Marcelo Martinessi e saiu do Festival de Berlim com o prêmio Alfred Bauer, o da crítica internacional e o de atriz, para Brun. No Festival de Gramado, ganhou como melhor longa latino, diretor, atrizes (para Brun, Irun e Ana Ivanova), da crítica, e do público, entre outros. Até agora, o longa coleciona vinte prêmios em festivais pelo mundo e desponta como um sério candidato à indicação ao Oscar de Melhor filme em língua estrangeira – que seria a primeira de uma produção paraguaia.
 
É uma trajetória de sucesso para um filme delicado, mas de profunda compreensão sobre a alma feminina (praticamente não existem personagens masculinos no longa) e a dinâmica de classe numa sociedade pautada por um abismo socioeconômico e o machismo latino. Há algo dos primeiros longas de Lucrécia Martel aqui – especialmente O Pântano – em seu retrato de uma elite parasitária, que se vê sem saída diante da crise econômica.
 
Chela precisa acordar para a vida quando se vê sozinha, com sua companheira presa e sem dinheiro. Quem assume o papel de protetora é sua jovem empregada, Pati (Nilda Gonzalez), que sempre poupa a patroa de lidar com as compradoras que visitam casa. Sem que a protagonista procure, uma oportunidade para ganhar dinheiro surge quando a vizinha (María Martins) lhe pede para levá-la de carro à casa de uma amiga. Antes que perceba, Chela está fazendo um serviço de táxi informal, transportando senhoras idosas e ricas de um lugar para outro.
 
Mas não é só o dinheiro que mantém Chela no trabalho de taxista. Ela conhece Angy (Ana Ivanova), filha de uma de suas clientes, e acaba se interessando por ela, mas de sua maneira contida, em segredo. De qualquer forma, a amizade entre as duas – Angy se apresenta como heterossexual, mas parece saber que está despertando desejos em Chela e gostando disso – transforma a vida da protagonista.
 
Martinessi é um diretor econômico e seguro em suas escolhas. Seu rigor visual é respaldado pela fotografia competente de Luis Armando Arteaga, que começa com planos fechados, imagens emolduradas por batentes de portas e a pouca iluminação do interior da casa deteriorada de Chela. Depois que Chiquita é presa, o mundo da protagonista se abre, assim como as imagens, que ganham mais cores, tornando-se menos claustrofóbicas.
 
Brun é uma presença magnética na tela. Sua atuação é repleta de contenções. Chela transmite o que pensa pelo olhar. Os grandes olhos azuis da atriz – um detalhe que não passa despercebido por Angy – dizem muito. Todas as atrizes estão muito bem, mas é inegável que o filme é de Brun. Sua personagem tem o arco dramático mais complexo, sua transformação é a mais profunda, assim como a busca de uma nova maneira de encarar a vida e viver.
 
Ao colocar em cena exclusivamente personagens femininas, Martinessi faz um comentário sobre o patriarcalismo de seu país – do mundo latino-americano como um todo, na verdade. A investigação sobre as relações de amizade e amor entre esse grupo de mulheres revela um mundo quase à parte, no qual esses laços ajudam a enfrentar o sufocamento da alma feminina em séculos de dominação masculina. 

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança