Escobar - A traição

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Nos anos 1980, cresce o poderio na Colômbia do poderoso traficante Pablo Escobar, que se torna multimilionário e senador. Fascinada por ele, a jornalista de TV Virginia Vallejo acaba tornando-se sua amante e uma testemunha próxima de sua crescente violência.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/08/2018

A autobiografia da jornalista colombiana Virginia Vallejo é o ponto de partida do filme Escobar – A Traição – que, apesar de dirigido por um espanhol (Fernando León de Aranoa) e protagonizado por um dos mais famosos casais de atores da Espanha (Penélope Cruz e Javier Bardem), é inteiramente falado em inglês. O que pode ser uma estratégia comercial mas nunca deixa de introduzir uma nota de estranheza nesta cinebiografia do famoso narcotraficante colombiano Pablo Escobar (1949-1993), contada do ponto de vista de sua amante, a jornalista Virginia Vallejo.
 
Javier Bardem ganhou o prêmio Platino do Cinema Ibero-Americano por sua interpretação do chefão, em ascensão vertiginosa quando conhece Virginia (Penelope), então uma das mais famosas jornalistas da TV de seu país. Naquela altura, a riqueza ostensiva do “empresário” Escobar lhe permitia realizar festas luxuosas, a que compareciam VIPs de todos os setores – um detalhe através do qual o filme enfatiza a conivência da sociedade local, já que, naquele momento, não havia como deixar de suspeitar da rapidez com que Escobar acumulava sua imensa fortuna.
 
Essa riqueza ancorada no tráfico de drogas permitia a Escobar um tipo particular de benemerência nas favelas colombianas, onde muitos dos meninos que nasciam eram batizados como “Pablo” em sua homenagem.
Da conivência, ou de uma forma muito particular de omissão cúmplice, não escapa também Virginia – que, como jornalista, não podia deixar de perceber o que acontecia à volta de seu amante. Casado com Maria Victoria (Julieth Restrepo), com quem tem dois filhos, não é segredo que ele nunca cogita o divórcio. Virginia segue atraída pelo brilho sinistro de um poder sem limites, amparado no crime e na força, inclusive em seu benefício – quando a conhece, Pablo fica sabendo que o ex-marido dela, um cirurgião, se negava a assinar seu divórcio, o que não demora a acontecer depois de uma prensa dada por capangas do narcotraficante.
 
Assumindo o ponto de vista de Virginia, o filme procura traduzir o olhar de uma mulher ultimamente fascinada por poder e riqueza, que voluntariamente entra neste jogo perigoso de pertencimento ao círculo dos criminosos, ainda que de maneira indireta. O que, progressivamente, vai tornando-se um caminho sem volta para ela também, colocando a perder seu nome e carreira.
 
Utilizando na medida seu habitual carisma, Javier expõe as facetas de um homem extremamente organizado, determinado, violento e impiedoso na mesma medida. O charme do ator nunca serve para encobrir as contradições ferozes desta personalidade que, por tanto tempo, projetou sua sombra sobre a Colômbia – contando com a indispensável fraqueza dos poderes constituídos para cortar-lhe as asas antes.
 
Ostentando penteados e figurinos que compõem o perfil exibicionista de sua personagem, Penélope luta para sair da sombra do amante, sem propriamente conseguir. Ela tem poder, mas não o bastante para contrapor o do rei do crime, cuja convivência, para ela, foi tremendamente tóxica.
 
Peter Sarsgaard interpreta o agente Shepard, que simboliza a interferência norte-americana neste caso, crucial para selar tanto o destino de Escobar quanto assegurar um futuro a Virginia.

Já para o diretor Aranoa, que conduziu os marcantes Segunda-feira ao sol (2002) e Um dia perfeito (2015), a escolha deste filme parece um tanto estranha, não somando detalhes que permitam exercer as melhores marcas do seu estilo. Parece muito mais um filme genérico, bem-feito, mas sem nenhum sabor particular.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança