A outra história do mundo

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Em Mosquitos, lugarejo do interior uruguaio, em 1983, um coronel está se mudando, trazendo consigo sua estimada coleção de anões de jardim. Dois amigos cinquentões, Milo e Esnal, decidem roubar os anões. O incidente acaba mudando drasticamente a vida dos dois.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

17/07/2018

Em 1983, perto do final da ditadura militar uruguaia, 1983, um coronel (Néstor Guzzini) está chegando à cidadezinha de Mosquitos. Traz consigo uma estimada coleção de anões de jardim, que ele espalha no gramado em frente à casa.
 
As medidas controladoras do coronel – que manda fechar às 22h todos os bares da cidade, instituindo um toque de recolher – irrita especialmente dois amigos cinquentões, Milo (Roberto Suárez) e Esnal (César Troncoso), boêmios e intelectuais. Assim, decidem que é hora de dar uma lição no militar, roubando-lhe a coleção de anões na calada da noite. Enquanto Esnal se encarrega disso, Milo invade, mascarado, a estação de rádio local e, apontando uma arma ao locutor (Christian Font), obriga-o a ler um manifesto revolucionário.
 
Como resultado da travessura, Milo desaparece, deixando desesperadas suas duas filhas, Anita (Alfonsina Carrolcio) e Beatriz (Natalia Mikeliunas). Apavorado, Esnal refugia-se num esconderijo.
 
Nesta sua primeira metade, a sátira política do diretor uruguaio Guillermo Casanova (El viaje hacía el mar, 2003) tem uma pegada um pouco mais realista, centrando-se no drama da família de Milo, arrasada por seu desaparecimento e pela recusa dos militares de dar notícias sobre seu paradeiro. Resta a Esnal, finalmente, amargurado pela culpa, ressurgir na cidade e juntar-se a Anita e Beatriz na busca do amigo.
 
É preciso, no entanto, alguma dose de tolerância para alguns óbvios buracos no roteiro, assinado por Casanova e Inés Bortagaray, inspirando-se no romance Alívio do Luto, do escritor uruguaio Mario Delgado Aparaín – especialmente no que concerne à fuga e à volta de Esnal a Mosquitos. Deixando-se de lado a fragilidade na elaboração desta situação importante, a segunda metade do filme reserva emoções melhores e que, justamente, têm a ver com o título.
 
A certa altura, Esnal dirige-se ao coronel, que comanda toda a vida em Mosquitos, para pedir autorização para dar um curso de história no centro cívico da cidadezinha. Este aceita, com a condição de que o professor se limite à história antiga, evitando passar do Descobrimento da América, em 1492. Quanto menos se falar do tempo recente, melhor, adverte o militar.
 
Há, evidentemente, várias metáforas nada sutis ao longo do caminho – até mesmo os anões são um símbolo do nanismo político e cultural dos governantes fardados. As aulas de Esnal, por sua vez, vão revestir-se de um caráter cada vez mais delirante – que fazem, eventualmente, lembrar do filme brasileiro Narradores de Javé, de Eliane Caffé (2003), embora numa chave bem diferente. De todo modo, as licenças poéticas são marcantes e é óbvio o esforço de Esnal para refrescar a memória do desaparecido Milo nas consciências entorpecidas de seus concidadãos, bem debaixo do nariz de Amelia (Cecilia Cosero), a mulher do coronel que se tornou sua aluna para espioná-lo.
 
Esse tom meio fantástico, meio zombeteiro, é o que o filme uruguaio tem de melhor, ironizando a empáfia dos ditadores e o servilismo dos alcaguetes – como o notório carteiro Provisorio (Gustavo Perini) -, compondo uma fábula simples, mas que bem serve para evocar a força da memória e da imaginação.
 
A participação brasileira está defendida pelo ator Claudio Jaborandy, como o dono do bar, e do diretor de fotografia Gustavo Hadba. O filme foi o candidato do Uruguai a uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança