O Nó do Diabo

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Cinco histórias de terror têm como mote a escravidão no Brasil e como elo um fazendeiro chamado Seu Vieira, cuja presença ultrapassa o tempo e as gerações.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

12/06/2018

Trabalho coletivo de quatro diretores – Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi -, o longa paraibano O Nó do Diabo articula, em cinco histórias, uma espécie de terror social, remetendo aos fantasmas da escravidão em torno de uma fazenda.
 
Cada um dos segmentos, que se desenrolam num mesmo cenário e com alguns personagens em comum (a família Vieira, dos proprietários da fazenda), transcorre num determinado período histórico, o que permite especular sobre a carga trazida do passado sobre as mazelas sociais do presente. Esse formato surgiu da origem deste projeto, planejado como uma série de TV e depois transformado em longa único.
 
Não por acaso, a primeira história se ambienta em 2018, quando um pistoleiro é o único morador desta grande fazenda, encarregado pelo patrão Vieira de manter à distância os invasores – que já se organizaram em ocupações nos arredores.
 
A história seguinte ocorre em 1987, quando um casal negro (Clébia Sousa e Alexandre Sena) chega à fazenda, pedindo trabalho. No cotidiano de suas tarefas ali dentro, começam a emergir sinais dos episódios de violência escravagista que se passaram entre aquelas paredes, que se materializam no corpo dele e na psique dela..
 
No segmento seguinte, em 1921, duas jovens irmãs negras são mantidas cativas, como se a Abolição não tivesse acontecido, para satisfazer aos prazeres carnais do proprietário (Fernando Teixeira) e de seus amigos visitantes, como Bacelar (Everaldo Pontes).
 
Os dois últimos segmentos localizam-se dentro do período escravagista. O primeiro, em 1871, acompanha a fuga de um escravo com um bebê (que parece estar morto), enveredando pela serra remota em busca de um quilombo. No último, em 1818, com participação das atrizes Zezé Mota, Cíntia Lima e Isabel Zuaa (de Joaquim e As boas maneiras), abandona-se quase completamente a atmosfera de terror mantida nas demais partes, retratando a resistência de um quilombo. Mas antes que o filme termine, se voltará ao gênero dominante na trama, com a emergência de zumbis.
 
No Festival de Brasília do ano passado, questão da negritude, discutida em Vazante, de Daniela Thomas, Café com Canela, de Ary Rosa e Glenda Nicácio, e no curta Peripatético, de Jéssica Queiroz, ressurgiu neste longa, sob essa pegada pop, que pode facilitar um acesso mais amplo de plateias, especialmente as mais jovens, a temas como racismo, desigualdade, opressão social a partir da raça.
 
Essa liberdade ao enfocar o tema por um novo olhar, que é elogiável, encontra, no entanto, alguma dificuldade na sua realização. Os segmentos de O Nó do Diabo poderiam articular-se de forma mais estruturada e orgânica, em proveito do resultado final.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança