A Noite Americana

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Extras

Entrevistas:
A Noite Americana: Uma Conversa com Jacqueline Bisset
François Truffaut - Festival de Cannes de 1973
François Truffaut - National Society of Film Critics Award

Documentários:
A Noite Americana: Uma Apreciação
Truffaut nos EUA
La Nuit Américaine: Conexão França
Truffaut: Um Ponto de Vista
Truffaut nos EUA

Legendas: Inglês, Português e Espanhol
Áudio: Inglês e Francês - Center Channel Mono
Trailer de cinema
Versão Widescreen


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

26/03/2003

Oscar de filme estrangeiro em 1974, A Noite Americana é um filme dentro de outro filme. O próprio François Truffaut interpreta um diretor de cinema, Ferrand, que dirige um filme intitulado Je Vous Presente Pámela, que obviamente será um fracasso de bilheteria. É a história de uma inglesa que se apaixona pelo sogro e foge com ele.

O filme trata das verdadeiras famílias que se formam durante o processo de filmagem e que se desfazem no final do trabalho. Retrata o dia-a-dia nessas comunidades artificiais, em que pessoas com histórias de vida diferentes convivem praticamente sem privacidade durante semanas a fio.

Mas Ferrand não é um diretor de filmes ambiciosos e sim um técnico apaixonado pelo processo - os efeitos especiais, a química entre os atores, a rotina de filmagem, a vida no set -, pela mágica por trás das câmeras.

Quando visitantes do mundo real chegam (maridos, amantes, banqueiros, jornalistas), recebem uma cadeira de direção para sentar e observam a ação sem, de fato, compreender nada do que ali se passa.

O filme é uma antologia de anedotas dos sets de filmagem. Pode-se reconhecer todos os tipos: o jovem, inexperiente e apaixonado Alphonse (Jean-Pierre Leaud), a diva alcoólatra Severine (Valentina Cortese), a estrela romântica sexy Julie (Jacqueline Bisset) e o astro maduro que finalmente está aprendendo a lidar com sua homossexualidade, Alexandre (Jean-Pierre Aumont). O cenário é completado pelos funcionários como coadjuvantes.

O filme é narrado pelo personagem de Truffaut que, como revela num sonho, desejava ser um Orson Welles quando jovem, mas agora se contenta em estar no mesmo ramo de atividade.

Sem assinatura


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança