Emoji - O filme

Ficha técnica

  • Nome: Emoji - O filme
  • Nome Original: The Emoji Movie
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2017
  • Gênero: Infantil, Comédia, Animação
  • Duração: 86 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Anthony Leondis
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

O emoji da indiferença não consegue controlar suas emoções, e isso poderá custar a vida de todos, quando o dono do celular resolve formatar seu aparelho.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

25/08/2017

Depois de ver os sofríveis 86 minutos de Emoji: O Filme é de se perguntar se em algum momento pareceu uma boa ideia fazer um filme sobre aquelas figurinhas engraçadinhas que animam as mensagens de texto. Se algum dos quatro produtores tivesse parado para pensar, talvez notasse que os personagens poderiam render, quando muito, um curta. A animação, assinada por Tony Leondis, já nasceu com um recorde, o de amargar, em seus primeiros dias no agregador Rotten Tomatoes, a cotação de 0%.
 
A nota baixo não foi gratuita, Emoji: O Filme é destituído de tudo o que pode fazer de uma animação algo minimamente bom: graça, sagacidade, charme. Não é por falta de tentar – colocaram até uma gravata borboleta no emoji de cocô, mas nem isso salva o filme. Os personagens, tais quais as figuras que inspiram, são planos, destituídos de qualquer elemento que faça deles personagens de filme. O resultado é uma versão tola de Divertida Mente feita para quem prefere olhar para o celular durante um filme – a ironia é que realmente é mais interessante olhar para o celular durante este filme.
 
O protagonista é aquele emoji com o canto da boca torto para baixo para representar indiferença – o nome genérico no filme é “Éh”, ou algo que o valha (no original é “meh”, que, pelo menos, tem uma grafia mais aceitável) –, e se chama Gene. Como seus pais, Edson e Edna, ele deve seguir a carreira de indiferente, mas parece estar na adolescência e é incapaz de controlar suas emoções. Quando, finalmente, consegue o primeiro emprego, estraga tudo, fazendo várias feições quando é enviado numa mensagem para uma menina pelo menino dono do celular. Este acredita que seu aparelho está com problemas e irá zerá-lo, apagando tudo o que está dentro dele, assim matando os emojis.
 
Com a ajuda de uma menina-emoji-hacker e o Bate Aqui (a mãozinha aberta), Gene tentará salvar a vida de todos. Para isso, precisa chegar à nuvem pulando de um aplicativo a outro – o que começa a parecer como uma série de propagandas gratuitas desses apps.
 
Há também uma leve crise de identidade com o filho que não sabe se quer dizer que celular é ruim (porque as pessoas se comunicam pessoalmente cada vez menos) ou se celular é bom (porque as pessoas se comunicam umas com as outras cada vez mais), se emojis são bons (porque facilitam o ato de digitar e expressam sentimentos) ou ruins (porque resumem o ato de comunicar e expressar sentimentos a meras carinhas). Mas uma coisa é certa, Emoji: O Filme está entre os mais equivocados do ano.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança