O acampamento

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Jovem casal australiano pensou que iria acampar sozinho numa região isolada de seu país. Porém, outras pessoas chegaram antes deles, e a surpresa não será nada agradável.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

21/08/2017

O suspense/terror australiano O Acampamento tem uma das cenas mais tensas e (porque não?) bizarras do ano. Consiste em uma moça um tanto assustada caminhando por uma trilha no meio do mato nos arredores de um lago, seguida por um bebê que ainda mal sabe andar – seus passos o fazem parecer um robozinho descoordenado. Ela não o percebe – na verdade, só vai perceber o menino um pouco depois, em outras circunstâncias – e aí consiste a força desse momento tão estranho dentro de um filme que, fora isso, não tem muito de novo a oferecer.
 
A garota é Sam (Harriet Dyer) que, com o namorado, Ian (Ian Meadows), um estudante de medicina, vai passar a noite de ano novo acampada numa região remota da Austrália. Num posto de gasolina de estrada, têm um encontro com um sujeito estranho, German (Aaron Pederson), que prenuncia que a viagem não deve acabar bem. Quando chegam ao local de acampamento, encontram uma outra barraca já armada, o que significa que a paz e isolamento não serão como esperavam.
 
Nela estão um casal (Maya Strange e Julian Garner), com a filha adolescente (Tiarne Coupland) e um bebê (os gêmeos Liam e Riley Parkes). O roteiro, assinado pelo diretor Damien Power, tem lá seus truquezinhos baratos para unir e separar os dois grupos de campistas – o que garante uma suposta revelação a certa altura. Mas antes disso, reaparece em cena German, acompanhado de um sujeito ainda mais assustador do que ele, Chook (Aaron Glenane), munido de um cachorro igualmente apavorante.
 
Como é de se esperar – quem já viu filme com acampamento e final feliz? –, crimes acontecem. E decisões morais precisam ser tomadas. Um dos melhores momentos envolve um equívoco de interpretação por parte de uma personagem – e quando a verdade vem à tona, o resultado é devastador. Devastadora também a violência excessiva e um tanto gratuita do filme que beira o sadismo, lembrando Amargo Pesadelo, mas sem a ressonância do filme de John Boorman.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança