Um filme de cinema

Ficha técnica

  • Nome: Um filme de cinema
  • Nome Original: Um filme de cinema
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2016
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 111 min
  • Classificação: 12 anos
  • Direção: Walter Carvalho
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Premiado diretor de fotografia e cineasta, Walter Carvalho interroga seus colegas sobre suas motivações no ofício de fazer cinema. As respostas formam um amplo painel sobre a arte e a produção cinematográfica contemporânea. O longa conta com depoimentos de Ariano Suassuna, Julio Bressane, Andrezj Wajda, Ruy Guerra, Ken Loach, Béla Tarr, Gus Van Sant, Jia Zhangke, Lucrécia Martel, entre outros.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

18/08/2017

Walter Carvalho é um dos maiores diretores de fotografia do Brasil – tem no currículo obras como Central do Brasil, Febre do Rato, O Céu de Suely – e também cineasta bissexto – com Budapeste e os documentários Moacir Arte Bruta, Raul – O início, o fim e o meio, entre outros. Em seu novo documentário, Um Filme de Cinema, investiga o que move seus colegas de profissão. Cineastas como Ruy Guerra, Lucrécia Martel, Jia Zhangke, Ken Loach, Béla Tarr, Julio Bressane e Andrzej Wajda contam o que os inspira, o que os leva a fazer filmes e, mais importante, como os fazem. Há também um depoimento do escritor Ariano Suassuna, que conta sobre sua relação com o cinema desde o primeiro filme que viu, As Cavadoras de Ouro.
 
O filme é uma ode à arte do cinema, mas também uma investigação sobre o que une cada um dos entrevistados em sua paixão pelo ofício e o que faz cada um tão único. Nesse sentido, o documentário é revelador. A argentina Lucrécia Martel, autora de filmes como O Pântano e A Menina Santa, conta sobre a construção dos planos de seu filme: “Toda a expectativa que se gerou até o momento, que é o futuro dos próximos frames, e todos os frames que já vimos, presentes em nossa memória, o que tenho no cinema é puro presente. Porque o cinema, para mim é muito próximo ao corpo nisso, nessa experiência”. Basta ter visto um filme da diretora para ver como isso ilustra bem a relação dela com a maneira como filma os corpos.
 
O filme parte das ruínas de um cinema abandonado no sertão da Paraíba – estado onde o documentarista nasceu – e se abre de forma mais ampla em sua inquietação sobre o cinema como arte, mas também como produção inserida dentro de um sistema global. É sintomático, então, que se procure o que faz de cada diretor e diretora entrevistados único e exclusivo, o que os destaca de uma indústria que tende à homogeneização.
 
Cada um conta como faz o seu cinema, e a dinâmica entre tempo e espaço se torna central e, mais uma vez, o documentário, é revelador. O grande cineasta húngaro Béla Tarr (Satantango, O Cavalo de Turim – este codirigido com Ágnes Hranitzky) confessa: “Eu brinco com o tempo. (...) O tempo é uma dimensão da nossa vida e tudo está acontecendo no tempo (...) E acredito que a verdadeira arte deve estar mais perto da vida do que do mercado”. Para o chinês Jia Zhangke (As Montanhas se Separam, Still Life – Em Busca da Vida), um plano longo é uma forma de democracia, “demonstra respeito tanto para com o personagem quanto para com os espectadores”, explica sobre as liberdades de escolha que um plano mais longo dá.
 
Em sua essência, o filme de Carvalho é exatamente isso, sobre a democracia, o livre arbítrio que o cinema pode proporcionar. Numa era em que cada vez mais o digital briga com as salas de cinema pela hegemonia da exibição – pautada, é claro, pelo lucro –, o documentário é uma peça de resistência, começando pelo seu título. E, ao ilustrar seu argumento tanto com falas de seus entrevistados, como também com imagens, convida seu público a repensar sua própria relação com o cinema. É um filme obrigatório a qualquer pessoa que veja o cinema como mais do que uma forma de matar o tempo comendo pipoca.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança