A vida de uma mulher

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Jeanne volta à casa dos pais, barões, depois de completar sua educação. Ela passa dias tranquilos com a família e espera o amor. Um dia, muda-se para a região o visconde Julien e ela se apaixona. Mas o casamento não lhe traz as alegrias que esperava.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

07/07/2017

Baseado em romance de Guy de Maupassant, A Vida de uma Mulher é um retrato do sufocamento da condição feminina no século 19, ao traduzir na tela a trajetória da nobre Jeanne Le Perthuis des Vauds (Judith Chemla).
 
Filha de barões (Yolande Moreau e Jean-Pierre Darroussin), ela acaba de sair do convento, onde esteve estudando, para voltar a morar com os pais. Passa os dias em sua propriedade, ajudando o pai a cuidar de sua horta, passeando nos bosques e em longas conversas com Rosalie (Nina Meurisse), sua criada pessoal, que cresceu junto com ela.
 
Jeanne passa muito tempo sozinha, entregue aos próprios devaneios românticos e à escrita de poesias, em que ela registra seus sentimentos. Mas é um mundo pessoal que ela não compartilha com ninguém. Ela é uma espécie de planta de estufa, sem muita resistência ao contato com a vida real.
 
Um casamento apresenta-se na figura do visconde Julien de Lamare (Swann Arlaud) – um jovem de origem nobre, mas arruinado depois de vender sua propriedade para pagar as dívidas de jogo do pai. Inexperiente e romântica, Jeanne encanta-se com Julien, um homem vivido e ardiloso, sem nenhuma vocação para ser fiel.
 
O mundo desaba para Jeanne quando descobre o envolvimento do marido na gravidez da amiga Rosalie. Mas, graças à pressão das convenções da época e da intervenção do abade Picot (Olivier Perrier), a crise matrimonial encaminha-se para uma acomodação das aparências. O que, certamente, está longe de ser a solução mágica dos problemas de Jeanne e Julien.
 
Realizado com um rigor acadêmico que enseja um andamento fatalista das ações de sua protagonista, o filme sucumbe à própria monotonia de suas escolhas, privando a trajetória de Jeanne de maiores nuances, mesmo dentro de suas crises. É um filme com ótimo elenco, mas ele encontra-se emparedado dentro deste retrato de sufocamento que é incapaz de colocar um espelho que o problematize com mais vigor.

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança