O Jardim das Aflições

Ficha técnica

  • Nome: O Jardim das Aflições
  • Nome Original: O Jardim das Aflições
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produção: 2017
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 71 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Josias Teófilo
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 47 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Documentário sobre o escritor Olavo de Carvalho.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

30/05/2017

Muitas áreas em nosso tempo são construídas em cima do marketing. Em princípio, nada errado com isso – desde que haja substância embaixo do que se divulga.
 
Nada estranhamente, o documentário O Jardim das Aflições, de Josias Teófilo, tem-se constituído em torno de um marketing negativo. Seu slogan - “o documentário que não deveria existir” - que consta do site do filme, aliás, é dúbio, talvez inconveniente como propaganda. Afinal, espectadores que não gostarem do filme tenderão a concordar. Mas a intenção da frase, certamente, era outra – tentar vender que procuraram impedir que o filme fosse feito, o que está para ser provado. Não ter recorrido a leis de incentivo pode ou não ter sido uma opção dos produtores, que não parecem ter encontrado dificuldades em encontrar empresas dispostas a patrocinar o filme, de boa qualidade técnica, e convencer um jornalista experiente, Wagner Carelli, a funcionar como entrevistador do escritor e filósofo Olavo de Carvalho, o personagem retratado onipresentemente.
 
Outro episódio negativo aproveitado nesse marketing, que procura transformar o documentário em suposta vítima de esquerdistas, envolveu o festival Cine PE – que deveria ter ocorrido no início de maio, mas acabou adiado depois que sete cineastas retiraram seus filmes para não exibi-los em companhia de O Jardim das Aflições, que fora selecionado para sua competição. Como reação, não faltaram os que acusaram os cineastas de “censura”, quando, na verdade, eles nunca pediram a retirada do filme de Teófilo do festival. Eles é que, sentindo-se incomodados com a tendência política de Olavo, saíram. Direito deles.
 
Tudo isso poderia não ter maior importância – e, no entanto, tem, porque vivemos num país tremendamente polarizado neste momento. A realização de um documentário sobre uma figura notoriamente antiesquerdista, evidentemente, é normal e assim deve ser encarada. Veja o filme quem quiser.
 
Falando agora do filme, que é o que interessa: dificilmente se poderia assistir a uma obra que pudesse ser definida mais claramente como uma egotrip de seu entrevistado, apresentada de maneira absolutamente acrítica. Olavo é visto em sua bela casa na Virginia (EUA), onde está radicado há anos – consta que o diretor do filme também ali vive -, falando sobre alguns de seus temas favoritos, como liberdade individual e as restrições que legisladores e governantes procuram interpor a ela; e também como no mundo “tudo se modernizou para excluir o espiritual”. E mostra sua farta biblioteca, recheada de títulos sobre o marxismo, que ele se dedica a martelar, assim como faz com o PT, como se poderia imaginar.
 
Para quem, como eu, desconhece as obras do escritor, chamou a atenção a platitude das ideias por ele apresentadas com tanta pompa, circunstância e uma boa dose de empáfia. Também me causou espécie a forma jocosa e desrespeitosa como descreveu pessoas que, em última análise, são ou foram seus alunos e contribuem para seu sucesso material pagando por seus cursos: “Incrível como eu atraio loucos”, diverte-se.
 
Um tanto assustador para mim é o apego de um filósofo por armas – um detalhe que certamente deve contribuir para que se sinta à vontade entre os armamentistas dos EUA. Neto de caçadores, Olavo revela que ganhou seu primeiro rifle aos 8 anos de idade. E há imagens no filme que mostram sua prática de tiro. Bem vaidosamente.
Tudo isso, afinal, é revelador.

Neusa Barbosa


Trailer


Comente
Comentários:
  • 01/06/2017 - 01h07 - Por ALEX DE LIMA LORDELO nota se que a Critica tem um certo teor de magoa e rancor.
  • 01/06/2017 - 18h08 - Por Neusa Barbosa Caro Alex:
    Engano seu. Não tenho mágoa nem rancor algum em relação a nenhum dos envolvidos neste filme. Nem sequer os conheço.
    Apenas avaliei o resultado na tela, como faço com qualquer filme.
    abs

    Neusa
  • 01/06/2017 - 19h04 - Por Milton dos Santos Descobrindo o Olavo.
    OLAVO DE CARVALHO AFIRMA: ACERTEI TUDO NA POLÍTICA NOS ÚLTIMOS 20 ANOS. Vamos conferir algumas postagens dele>

    CONTRA OS ESTADOS UNIDOS.
    1-Em 1999, e nos anos posteriores, afirmava que Bill Clinton era um agente comunista.

    (estou tirando os palavrões do post abaixo, para não ser censurado pelo Facebook)
    2-Obama _ _deu _ _ODEU, com a medicina americana. As boas clínicas fecharam, sobrou só um bando de burocratas que não encostam um dedo no paciente, só fazem perguntas diante de uma tela de computador, seguem mecanicamente o procedimento-padrão e, se o procedimento-padrão não funciona, ficam brabos com o paciente. Uma bosta completa.

    3-Hoje em dia acredito mesmo que o Obama é um agente russo plantado na política americana. Mas foi plantado mais de trinta anos atrás, quando a estratégia russa era muito diferente. Ele está comprometido com a causa esquerdista internacional e não com o interesse nacional russo, que hoje é diferente. Ele é como um desses agentes programados hipnoticamente, que continua cumprindo sua missão, sem captar a contra-ordem quando o governo do seu país já mudou. Os russos já não sabem o que fazer com ele. O Obama é a maior batata quente que já passou pelas mãos da KGB. Ele virou uma espécie de Agente 86.

    4-Obama, ao mesmo tempo, provoca os russos e desmantela as Forças Armadas americanas. Obviamente quer desencadear uma guerra PARA PERDÊ-LA e desgraçar o país.

    5-É claro que a Rússia está se preparando para uma guerra, e os EUA, sob o comando de Obama, estão se preparando para provocá-la e perdê-la.
    A política do Obama é TÃO CLARA nesse ponto, que toda dúvida a respeito deve ser imediatamente afastada como mera síndrome do Piu-Piu.
    Putin recebeu o Obama como um legado da antiga KGB e, creio eu, se puder contornar o velho plano, ele o fará.
    x.x.x.x.x.x.x.

    A RESPEITO DO EXÉRCITO BRASILEIRO, FEZ ESSA POSTAGEM.
    1-Se os militares quisessem mesmo mudar o curso das coisas neste país, não precisariam dar golpe nenhum: bastaria que usassem as informações que JÁ têm para destruir as carreiras de uns mil políticos. Mas a coisa que milico mais adora é coletar informação para escondê-la tão bem que depois nem mesmo ele próprio se lembra dela.
    x.x.x.x.x.x.x.

    ATACA ATÉ O PAPA FRANCISCO E O CARDEAL ODILIO SCHERER.
    1-Bergoglio é um mentiroso abjeto. Ponto final.

    2-O esforço intenso que esse Papa desempenha em lisonjear os inimigos e escandalizar os católicos não parece deixar margem a dúvidas sobre quem é ele e quais as suas intenções.

    3-Bergoglio está para a Igreja Católica como Barack Hussein Obama está para a nação americana.

    4-Esse homem não é papa coisíssima nenhuma.

    5-Chamou de comunista o Cardeal arcebispo de São Paulo Odilo Pedro Scherer.
    Afirmando que o prelado estaria excomungado da Igreja Católica.
    x.x.x.x.x.x.x.

    POSTAGEM: PEPSI usa Celulas de Fetos Abortados como Adoçante.
    Olavo alegou, para mim, este é o maior mistério da minha carreira : até hoje, ninguém foi capaz de apontar qual o trecho dos meus escritos, vídeos ou programas de rádio onde eu teria dito que há pedacinhos de fetos nas latas de Pepsi-Cola. Há até alunos meus que, com a mais santa das intenções, tentam me desculpar por isso, argumentando que errinho tão minúsculo não justifica depreciar uma obra tão vasta quanto a minha. Mas esses também não dizem onde estaria o tal errinho.

    OLAVO DISSE ESSA BESTEIRA (ERRINHO ?) SIM, EM 2012.
    PEPSI usa Celulas de Fetos Abortados como Adoçante.
    Tem vídeo dele no YouTube.
    x.x.x.x.x.x.x.

    OLAVO DE CARVALHO: POSTANDO TANTAS BOBAGENS.
    Parece que necessita de constante atenção, para massagear seu ego.

    O que seus netos, entenderão daqui 20 anos, ao ver as postagens do seu avô?
    Quanto aos seus filhos, não percebem, ou não estão nem aí.
    Ou cansaram de conversar com o pai?

    SUAS POSTAGENS VIRARAM CHACOTAS NO FACEBOOK.
    SEM NEXO, PROVAS, RISÍVEIS OU RECHEADAS DE PALAVRÕES.
    Não acrescentam ou ensinam nada a ninguém.
    Colocados no texto, sem nenhum objetivo.
    Somente os QI de Ostra, de Cérebro Bugado, da Menoridade Humana, o segue como formador de opinião, o idolatra, e concorda com suas postagens.
    Querendo mostrar que são inteligentes, (sic)

    SEUS SEGUIDORES ACHA (ACHA É ACHISMO)
    Que colocar nas frases palavrões como o Mestre (sic) é correto.
    E nas suas páginas, segue o ensinamento.
    Postando palavrões em cada mensagem e moderno e elegante.
    Mulheres então que postam palavrões é tão ridículo.
    Só falta a dita cuja, cuspir no chão, e coçar aquilo que não tem.
    x.x.x.x.x.x.x.

    OLAVO NÃO ENTENDE QUE O MUNDO MUDOU.
    E USA AINDA O APLICATIVO SKYPE.
    E continua vivendo no passado.

    PARA VOCÊ QUE DEFENDE O OLAVO
    https://instagram.com/p/BRhDy-ul9cK/

    Milton dos Santos


  • 01/06/2017 - 23h10 - Por André L. Pereira Pelo que entendi a fraca avaliação do filme deve-se apenas ao desprezo que a autora da crítica nutre pelo seu personagem. Porém, a avaliação não deveria ser sobre o documentário em si?
    A reprovabilidade do fato ou do personagem objeto de uma obra não deveria, salvo melhor juízo, estender-se à avaliação dessa mesma obra.
    Documentários sobre o holocausto não são ruins por retratarem o holocausto. Logo, a meu ver, a mesma regra deveria ser aplicada a um documentário sobre Olavo de Carvalho.
    A "platitude das ideias", o "apego de um filósofo por armas" e outras características do personagem que causam "espécie" à autora da crítica refletem apenas sua opinião sobre Olavo de Carvalho, o que certamente influenciou na sua avaliação nem um pouco imparcial.
  • 02/06/2017 - 04h50 - Por Caio Marinho Já dá pra saber que o filme deve ser excelente, mal posso esperar pra assistir.
  • 02/06/2017 - 07h53 - Por Ricardo Cara Neusa, você mesma disse que não conhece as obras de Olavo de Carvalho e, por mais que queira disfarçar, deu para notar sim uma certa mágoa ou rancor do referido filósofo. Quem ler com atenção ao seu texto, perceberá nitidamente que você é contra algo que nem conhece. Não lhe julgo pois seriam necessários anos de leitura para colocar em dia seu conhecimento sobre a obra deste grande homem. Outra coisa: Não sinta orgulho de não conhecer a obra dele. O próprio professor, como você mesma disse, tem uma ampla biblioteca sobre marxismo, assunto este difícil de digerir, mas extremamente necessário conhecermos para não falarmos bobagem.
  • 02/06/2017 - 10h24 - Por Pedro Uma "crítica" que não fala da construção poética, da narrativa, dos conteúdos filosóficos. Mas fala apenas da afetação emocional que o "crítico" sentiu diante de dois aspectos mínimos: uma brincadeira do professor em relação a dois alunos (ignora aqui, o sapientíssimo crítico, que Olavo de Carvalho conta com mais de 2 mil alunos) e seu apreço por armas de fogo. Diante de uma análise tão pífia resta saber qual é o verdadeiro "egotrip", parece que é a da nossa avassaladora classe de críticos de cinema.
  • 02/06/2017 - 10h35 - Por Rafael Achei a critica extremamente fraca, apesar da mesma dizer que não tem conhecimento a cerca das ideias e pensamentos do Olavo. Isso fica claro...

    Seu pensamento é a afiado e causa esse mesmo o desconforto que descreve, porém não consigo ver isso como ruim. Não é um "egotrip" que bajula e lambe-o, o documentário nem mesmo é sobre a pessoa de Olavo, mas sobre suas ideias e provocações. Seu estilo afiado e provocativo, claro que incomoda a letargia dos críticos e acadêmicos. Não existe "politicamente correto" em Olavo

    Ele não é contra o PT, mas toda a classe politica... Ele não é contra a ideia do comunismo, mas contra a sua dominância no pensamento, principalmente no Brasil, que ele diz que aqui floresce mais ate mesmo que em paises comunistas...

    O pior da critica é salientar um vulgo desmerecimento do Olavo por ter e usar armas de fogo. E usar metade do texto para falar do marketing e das polemicas acerca dos festivais de cinema. A autora da critica não consegue se ater ao filme apenas, mas de forma superficial.. e é contra isso que Olavo e outros pensadores escrevem...
  • 02/06/2017 - 13h48 - Por Frederico A crítica foi escrita por um "canhoto ideológico"
  • 03/06/2017 - 17h58 - Por Aeosphorus A crítica inteira é baseada em ressentimento. Não, você fez uma análise enviesada e ideológica. Isso nem é uma crítica, aliás, é só amargor. Não tem crítica nenhuma aí. Só tem "eu não gosto de armas" e "o filme não foi boicotado" (mentira, sair do festival é uma tentativa de censura). Ridículo, vocês, esquerdistas, são o novo totalitarismo. Não adianta. Vocês já se deram mal.
  • 03/06/2017 - 19h12 - Por Olívio Aqui tudo foi avaliado, exceto o cinema. E olhe que sou de esquerda, conterrâneo do diretor. Ainda tratou com normalidade o episódio do cine PE. Muito cinismo. É preciso aprender a ouvir mesmo quem a gente não goste.
  • 04/06/2017 - 05h31 - Por Aeosphorus Crítica rancorosa e amargurada, impotente diante dos temas discutidos no documentário. Crítica amarga e vingativa.
  • 04/06/2017 - 16h53 - Por André L. Pereira Postei um comentário semana passada. Até agora não publicaram...
    Pergunto-me por que.
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança